Ex-auxiliar de enfermagem nos EUA se torna rei em Uganda

Fonte: G1

Herdeiro real, Charles Mumbere viveu por 20 anos nos EUA.
Presidente de Uganda reconheceu reinado de seu povo.

Charles Wesley Mumbere durante entrevista horas depois de ser coroado rei do grupo étnico Bakonjo em Rwenzururu, Uganda (Foto: Karel Prinsloo / AP )

Por anos, Charles Wesley Mumbere trabalhou como auxiliar de enfermagem em Maryland e Pennsylvania, nos Estados Unidos, cuidando de idosos e doentes. Ninguém jamais suspeitou que ele era herdeiro de um título real na sua terra natal, na África, desde os 13 anos.

Uma segunda-feira, após anos de negociações políticas e apuros financeiros, Mumbere, 56, foi finalmente coroado rei do seu povo ao som de tambores e na presença de milhares de apoiadores usando roupas com seu retrato.

“Foi um grande momento saber que finalmente o governo entendeu as demandas do povo Bakonzo, que vinha lutando duramente pelo reconhecimento de sua identidade”, disse Mumbere na casa branca de um cômodo que serve como palácio.

O Parlamento de Rwenzururu fica ali perto, num prédio maior com estrutura feita de palhetas, onde ocorreram os rituais privados de coroação de Mumbere.
Milhares de pessoas andaram quilômetros para assistir a Mumbere, vestindo num esvoaçante manto verde e usando um colorido chapéu, ser oficialmente reconhecido rei.

O novo rei da região de Montanhas da Lua em Uganda passou por muitas transformações – de líder jovem de uma força rebelde a estudante pobre e assistente de um lar de idosos trabalhando em dois empregos nos EUA, onde ele viveu quase 25 anos.

O título real de Mumbere só se tornou público na Pennsylvania em julho, quando de uma entrevista ao jornal “The Patriot-News of Harrisburg” enquanto se preparava seu retorno a Uganda.

Ele herdou o título quando seu pai, Isaya Mukirania Kibanzanga, morreu enquanto liderava o grupo separatista das Montanhas Rwenzori, conhecidas como Montanhas da Lua.

“Foi muito difícil crescer no mato”, lembra Mumbere, que tinha 9 anos quando o pai levou a família para as montanhas. Embora tenha recebido treinamento militar, ele nunca combateu.

Logo depois que o pai morreu, seu filho convenceu os combatentes das montanhas a deporem as armas. Mumbere foi para os Estados Unidos em 1984, com uma bolsa de estudos do governo de Uganda, até que a liderança do país mudou e a bolsa foi interrompida.

Ele ganhou asilo político em 1987, fez um curso de auxiliar de enfermagem e conseguiu um emprego num lar para idosos no subúrbio de Washington para pagar suas contas. Em 1999, ele se mudou para Harrisburg, capital da Pennsylvania, onde trabalhou para outras duas casas para idosos.

Após dez anos de negociação, o president Museveni anunciou em agosto que reconheceria o reino Rwenzururu como o sétimo reinado de Uganda. O reconhecimento não garante ao titular nenhum poder executivo, mas permite ao monarca decidir sobre assuntos culturais e sociais do seu povo.

Matéria original

+ sobre o tema

Pelé confessa que chorou ao gravar seu programa no SBT

Durante muitos anos, Pelé reinou nos gramados. Desde que...

Marvel quer diretora de ‘Selma’ em ‘Pantera Negra’ ou ‘Capitã Marvel’

Ava DuVernay, diretora do indicado ao Oscar ‘Selma’, está...

Perdemos Sérgio Storch

Sérgio Storch estaria seguramente na Avenida Paulista, no próximo...

Beyoncé é eleita melhor artista de turnês da década

Beyoncé foi eleita pela Polltstar, revista norte-americana de entretenimento,...

para lembrar

Aláfia, para além da “África teórica”

Por Igor Carvalho, Uma banda que carrega em sua música...

Pesquisadora resgata história dos Clubes Negros em Santa Catarina

A sinhá entra no clube social da cidade e deixa...

‘Racismo é perverso’, diz a primeira doutora quilombola do Brasil

Edimara Gonçalves Soares viveu em um quilombo no RS...
spot_imgspot_img

Podcast Pessoas: Temporada Vidas Negras é destaque do mês no Museu da Pessoa

Nele, cada episódio apresenta a edição de uma entrevista que compõe o acervo do Museu da Pessoa no formato storytelling. O Podcast, lançado em 2020,...

Leci Brandão – Na Palma da Mão em curta temporada no Imperator

Com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno, musical que celebra vida e obra da artista se apresenta no Imperator Vencedor do Prêmio Shell de Teatro na categoria "Direção" Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...

Censo 2022: população quilombola tem perfil jovem e maioria masculina

As populações quilombolas possuem perfil mais jovem do que o observado na população total do Brasil. Além disso, nos territórios quilombolas, a presença dos...
-+=