Exposição sobre o feminismo negro será aberta na Uenf, em Campos, RJ

Exposição de fotos conta a história da ativista Lélia Gonzalez.
Evento acontece 14 a 23 de outubro.

Do G1

A exposição “Lélia Gonzalez: o feminismo negro no palco da história” será aberta às 18h30 desta quarta-feira (14) na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Evento segue até o próximo dia 23.

Lélia Gonzalez foi historiadora, antropóloga e filósofa. Nascida em Belo Horizonte, em Minas Gerais, Lélia foi uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado (MNU). Como educadora, ativista e intelectual, contribuiu para a formação de uma consciência crítica em relação aos preconceitos que mantêm mulheres negras em desvantagem na sociedade. Lélia viveu entre 1935 e 1994 e escreveu diversos livros e artigos entre 1975 e 1990.

Lélia Gonzalez é tema da exposição (Foto: Alberto Jacob / Agência O Globo)
Lélia Gonzalez é tema da exposição
(Foto: Alberto Jacob / Agência O Globo)

A abertura da exposição da fotobiografia acontecerá no miniauditório do Centro de Ciências do Homem (CCH/Uenf, sala 114), e será exibido um documentário sobre a vida e obra da personagem, seguido de debate reunindo estudiosos e personalidades ligadas à questão da discriminação contra negros e mulheres no Brasil.

“A exposição trata da biografia de uma ativista negra, sua produção intelectual e o ativismo político. A ideia é trazer a biografia e o contexto social que ela esteve inserida no processo político do Brasil”, ressaltou Flávia Rios, uma das coordenadoras da exposição e co-autora da primeira biografia de Lélia Gonzalez.

Na mesa de debate estarão: Luciane Soares (socióloga e professora da Uenf); Gilberto Coutinho (Totinho, presidente da Escola de Arte e Cultura Popular Mãos Negras e membro do Fórum Municipal da Religiosidade Afro-brasileira – FRAB); Flavia Rios (socióloga, pós-doutoranda da Uenf); Sergio Risso (historiador e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas do Instituto Federal Fluminense, campus Centro); e Leonardo Vieira (cientista Social, pesquisador do Núcleo de Estudos da Exclusão e da Violência – NEEV/UENF).

A exposição foi inaugurada em fevereiro deste ano e já passou por cidades como Saõ Paulo, Recife, Goiânia, Brasília e Rio de Janeiro. Na Uenf a foto-biografia ficará em exposição até o próximo dia 23, na área externa do Restaurante Universitário.

O evento fa zparte de uma atividade conjunta do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da universidade e da Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh), associação civil dedicada a ações voltadas para a igualdade entre os gêneros, raças/etnias e promoção da diversidade cultural.

+ sobre o tema

‘O racismo deixa marcas na alma’

Belo-horizontina e médica, Júlia Rocha tem sido alvo de xingamentos...

Homenageada com poemas e cantos, Conceição Evaristo lança sexto livro

Premiada e traduzida, Conceição Evaristo virou referência para autoras negras, mas...

“Navio Atavos” sugere reflexão sobre a ancestralidade afro-descendente

Exposição gratuita pode ser conferida até 22 de setembro. Do...

para lembrar

Jovem preta é afastada de bebê após nascimento em maternidade de Florianópolis

Manifestantes fizeram um ato na tarde desta sexta-feira (30),...

Pelourinho recebe Festival de Afoxés em homenagem a mulher negra

Um desfile de cores e ritmos marcou a noite...

Primeira prefeita negra eleita, Tânia Terezinha quebra preconceitos

O município de Dois Irmãos, no Vale do Sinos,...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=