Falta tratar do racismo

Políticas orientadas à inclusão dos mais pobres não prescindem da ênfase na questão racial

Por Flávia Oliveira, do O Globo 

Foto: Marta Azevedo

Foi o historiador Luiz Antonio Simas quem chamou atenção, em ótimo texto ainda no primeiro turno, para ausência de debate sobre construção da igualdade racial na campanha. Nenhum dos candidatos a prefeito, sublinhou, “demonstrou articular reflexões sobre políticas efetivas de combate ao racismo como elemento crucial e central para a construção da cidade socialmente justa”. A despeito de alcançar as mais importantes atribuições do poder municipal — saúde, educação e empregos — a discriminação racial foi tratada superficialmente na disputa pelo Rio de Janeiro.

Políticas públicas orientadas à inclusão dos mais pobres não prescindem da ênfase na questão racial. Sozinha, a universalização não gera equidade de oportunidades nem qualidade de serviços a segmentos vulneráveis. O Mapa da Violência 2015, por exemplo, foi dedicado ao feminicídio. De 2003 a 2013, enquanto a taxa de homicídios de mulheres brancas no país caiu 11,9% (de 3,6 para 3,2 mortes por cem mil habitantes), a das negras subiu 19,5% (de 4,5 para 5,4). Significa que as medidas de combate à violência contra a mulher carecem de foco na população negra. Da mesma forma, na epidemia de assassinatos de jovens de 15 a 29 anos, pretos e pardos são quase 80% das vítimas.

Na saúde também há necessidade de melhorar o atendimento à população negra. A gravidez na adolescência, por exemplo, afeta mais as meninas de pele preta e parda. Negras sofrem mais com a violência obstétrica e têm índices superiores de morte no parto. Investigação da Fiocruz sobre consultas pré-natal mostrou que entre gestantes brancas, 80% tiveram seis ou mais consultas, dez pontos percentuais a mais que as negras. A desigualdade racial no sistema é evidente.

Indicadores sociais do IBGE mostram hiatos também na educação. Na faixa etária de zero a 3 anos, 28,7% das crianças brancas estavam em creches em 2014, contra 20,7% das negras. Entre os 4 e 5 anos, as proporções passaram a 85,7% a 80,4%, respectivamente. Cerca de 94% das crianças de 6 a 14 anos, brancas e negras, estavam matriculadas no ensino fundamental. Contudo, entre o sexto e o nono anos, 83,4% dos brancos continuavam na escola; entre os negros, 75,1%. A proporção dos que concluíram o ciclo básico também é desigual: 87,4%, contra 76,5%. No ensino médio, sete em cada dez adolescentes de 15 a 17 anos autodeclarados brancos estavam na escola; entre os negros, metade. Nesse cenário, candidatos a prefeito não podem secundarizar o combate ao racismo, pois estarão, na verdade, deixando suas digitais no velho padrão brasileiro de desigualdade.

 

+ sobre o tema

Um risco a frente: a banalidade das mortes

Março foi um mês atípico. Abril tem demonstrado que...

Cartas para a Loucura

Estimada loucura  Já me acostumei em sentir seu corpo, seu...

Cotistas estão entre as maiores notas do Sisu

De acordo com um balanço preliminar do Sistema...

“Me culpam por ser negra, mulher e estrangeira”, declara ministra italiana.

A ministra italiana, vítima de constantes ataques racistas, confessa...

para lembrar

Mulher é presa por injúria racial contra garçonete em bar no Flamengo

Uma mulher foi presa em flagrante por injúria racial...

Comissão da Uepa vai ‘julgar’ professora acusada de racismo

Em no máximo 30 dias, Universidade deverá divulgar a...

Os negros e a escravidão, apenas uma opinião

Pondé é um fracasso como animal político e racional....
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=