Feminicídio: Aprovada pena maior para morte de mulher decorrente de violência doméstica

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 8305/14, do Senado, que inclui o feminicídio como homicídio qualificado, classificando-o ainda como hediondo. A matéria irá à sanção.

No Camara

O projeto modifica o Código Penal para incluir entre os tipos de homicídio qualificado o feminicídio, definido como o assassinato de mulher por razões de gênero.

Segundo a proposta, há razões de gênero quando o crime envolve violência doméstica e familiar, ou menosprezo e discriminação contra a condição de mulher. A pena prevista para homicídio qualificado é de reclusão de 12 a 30 anos.

O projeto prevê ainda o aumento da pena em 1/3 se o crime ocorrer:
– durante a gestação ou nos três meses posteriores ao parto;
– contra menor de 14 anos, maior de 60 ou pessoa com deficiência; e
– na presença de descendente ou ascendente da vítima.

Após a votação do projeto, a Ordem do Dia foi encerrada. Em seguida, haverá sessão do Congresso Nacional.

+ sobre o tema

Rebeca Andrade lidera Brasil à prata por equipes no Pan-Americano

Rebeca Andrade estreou com uma medalha de prata nos...

Lojas de departamento já não diferenciam entre roupas de meninos e de meninas

Lojas de departamento já não diferenciam entre roupas de...

Leci Brandão: A força da mulher na luta contra o racismo

Neste Dia Internacional da Mulher, quero relatar uma experiência...

Os legados contraculturais de Norma Benguell e Gabriela Leite – Por: Fátima Oliveira

A primavera 2013 levou a atriz e cineasta Norma...

para lembrar

Jovem de Feira é aceita em nove universidades dos EUA

A estudante de Feira de Santana Geórgia Gabriela da...

Nota de solidariedade da CUT a Luiza Bairros

  Secretaria de Mulheres e Secretaria Nacional de...

Aumento do encarceramento feminino revela racismo estrutural nas prisões

Livro "O Que é Encarceramento em Massa" discute tema...

Coisa mais linda e a invisibilidade da mulher negra

De uma forma abrangente a série aborda pautas muito...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=