Feminicídios em Teresina já ultrapassaram todos os casos de 2017 em mais de 30%

Dados da Secretaria de Segurança mostram que neste ano foram registrados 12 casos de feminicídio entre janeiro e maio, em todo o estado. Sete casos somente na capital. Em 2017, foram seis casos.

Por Maria Romero, do G1

Último caso aconteceu nessa terça-feira (19) no conjunto Nova Teresina. (Foto: Andrê Nascimento/G1 PI)

Os feminicídios ocorridos em Teresina, apenas no primeiro semestre deste ano, já ultrapassaram em mais de 30% os casos registrados em todo o ano de 2017, segundo a Secretaria de Segurança do Piauí. A delegada Eugênia Villa, subsecretária de segurança do estado, afirmou que os números representam uma verdadeira tragédia para a sociedade e para as famílias que perdem mulheres para o machismo.

Este ano a polícia já confirmou 12 casos de feminicídio entre janeiro e maio, em todo o estado. Durante todo o ano de 2017, foram seis casos na capital. Até o fim do mês de maio deste ano, havia sete casos registrados e, nessa terça-feira, (19), mais uma morte de mulher aconteceu na capital. Ao todo, foram dois casos a mais, representando um aumento de 33%.

A vítima foi a diarista Francinilda Pereira de Andrade, 33 anos, morta a pauladas por um idoso de 66 anos, identificado como José Ribamar Costa, que confessou à polícia ter matado Francinilda por ter desconfiado de uma suposta traição.

Eugênia Villa está a frent de elaboração do protocolo (Foto: Beto Marques/G1)

Mesmo antes do fim do inquérito policial, a delegada Eugênia já diz notar as características de um feminicídio. “Era uma mulher pobre e negra que foi morta por um homem dentro de casa. Há um padrão nessas vítimas. Todas nós delegadas e mulheres ficamos estarrecidos com cada novo caso que aparece”.

Ela destaca que o feminicídio é um crime que destrói a família e tem um caráter político, por atingir diretamente a vítima em sua condição de mulher. Segundo ela, é fundamental que as vítimas procurem ajuda denunciando qualquer tipo de violência antes que seja tarde demais. Ela fez um apelo para que as vítimas e seus amigos, familiares e conhecidos denunciem qualquer tipo de violência.

“O que mais nos desafia é que as mulheres são mortas em ambientes em que estariam seguras, em casa, em sua residência, por isso a dificuldade de detectar esses casos com antecedência. Elas não pediram socorro na delegacia. As pessoas têm que denunciar”, declarou.

Três feminicídios em 24 horas

Gabriela de Carvalho foi esfaqueada e morta pelo companheiro após uma briga do casal (Foto: Reprodução/Facebook)

Os três casos foram registrados em: Paulistana, onde Gabriela de Carvalho, 22 anos, foi esfaqueada e morta pelo companheiro após uma briga nessa segunda-feira (18).

Em Teresina, na manhã dessa terça-feira (19), um idoso de 66 anos, identificado como José Ribamar Costa, confessou à polícia ter matado Francinilda Pereira de Andrade, 33 anos, a pauladas. Em Piripiri, a empregada doméstica Irismar Castro, de 38 anos, foi morta pelo ex-companheiro nessa terça-feira (19).

Irismar foi morta pelo ex-companheiro (Foto: Reprodução/Facebook)

+ sobre o tema

O feminismo em Star Trek

Como uma série de ficção científica do sonho americano...

Grace Passô: “No Brasil, existem milhares de Viola Davis e Whoopi Goldberg”

Atriz mineira homenageada em Mostra de Tiradentes estrela 'Temporada',...

Cúpula inédita entre mulheres chefes de Estado será realizada na Rio +20

O escritório brasileiro da ONU-Mulheres anunciou nesta quinta-feira que...

Chile, uma democracia feminista

O Chile é hoje a inovação política em ação. E não...

para lembrar

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Governo diz que dará suporte em casos de gravidez de anencéfalos

STF decidiu que não é crime interromper gestação de...

Aline Midlej vai apresentar o Jornal Nacional

Aline Midlej, 38, e Paulo Renato Soares, 51, passam...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=