UFBA apura denúncia de racismo e assédio moral praticado por estudantes contra funcionárias de restaurante universitário

Investigação foi iniciada pela instituição após carta aberta assinada por estudantes, funcionários do restaurante e representantes de movimentos sociais ser enviada à reitoria.

Do G1

FBA apura denúncia de racismo e assédio moral praticado por estudantes contra funcionárias de restaurante universitário. (Foto: Reprodução/ TV Bahia)

Universidade Federal da Bahia (UFBA) informou que está apurando uma denúncia de atos de racismo e assédio moral que teriam sido praticados por estudantes contra funcionárias do Restaurante Universitário do campus de São Lázaro, em Salvador.

A investigação foi iniciada pela instituição de ensino após uma carta aberta assinada por estudantes, funcionários do restaurante e representantes de movimentos sociais ser enviada à reitoria da universidade, no domingo (17).

A carta pede que três alunos, estudantes de Artes Cênicas, Ciências Sociais e do Bacharelado Interdisciplinar (BI) de Humanidades, sejam proibidos de frequentar o restaurante, por estarem supostamente submetendo as funcionárias a cenas frequentes de humilhação, orientadas por atitudes racistas, machistas e outras formas de discriminação

O documento aponta que praticamente todos os dias podem ser observadas “constantes cenas de humilhação às trabalhadoras que garantem as refeições nos turnos de meio dia e a noite”.

“Achamos inadmissíveis esses comportamentos, porque gritar, humilhar e assediar moralmente como se elas fossem inferiores deve acarretar punição para os três, e nesse sentido, acreditamos que essas pessoas deveriam ser afastadas de imediato do Ru por não respeitarem as funcionárias”, diz trecho da carta.

Outro trecho do documento aponta que: “Presenciamos situações ao qual esses três estudantes constantemente dizem que elas estão ali para servir, que aquela comida não sai do bolso delas e que elas não têm capacidade intelectual de estar em alguns cargos dentro da administração”.

A Ufba informou, por meio de nota, que a Reitoria determinou à Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (PROAE) que prossiga na apuração em andamento dos fatos relatados, “visando a providências urgentes para a aplicação das medidas cabíveis, nos termos da legislação vigente”.

A instituição ainda destaca que todas as atitudes praticadas pelos estudantes são “inadmissíveis no espaço público e intoleráveis na UFBA” e diz que “relatos de agressões de cunho racista a estudantes também serão apurados e tais ocorrências combatidas com semelhante rigor”.

A Ufba ainda divulgou que a PROAE já vinha acompanhando um dos casos relatados em São Lázaro e, junto com a Ouvidoria, a Coordenação de Segurança (Coseg) e o Núcleo de Segurança Alimentar (Nusa), receberá uma comissão de estudantes para ouvi-los sobre a situação e detalhar as medidas que serão tomadas.

+ sobre o tema

Dia Internacional da Mulher Indígena

Hoje, 05 de setembro, é Dia Internacional da Mulher...

Coisa de vagabunda – Por: Clara Averbuck

Isso é coisa de vagabunda. Mulher que se dá...

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

para lembrar

Abusada por treinador, nadadora tem crise nervosa após entrevista de Xuxa

Joanna Maranhão sofreu e usou o Twitter para dar...

RS: briga entre neonazistas, skinheads e punks deixa ferido grave

MAURÍCIO TONETTO Direto de Porto Alegre Uma briga de...

São Paulo – 31 de agosto o 2º debate Crimes de Racismo ou Injúria?

O 2º debate ''Crimes de Racismo ou Injúria?'' vai...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...
-+=