Rede Feminista de Juristas (DeFEMde) abre inbox do Facebook para dar assistência gratuita às mulheres

Segundo publicação recente do Atlas da Violência, em 2016 foram registrados 4.645 assassinatos de mulheres, o que representa uma taxa de 4,5 homicídios para cada 100 mil brasileiras. Quando os dados são analisados a partir da variável raça/cor, a taxa de homicídio é maior entre as mulheres negras. Em relação a 2006, a cada 100 mil mulheres negras houve um aumento de 15,4% de assassinatos, enquanto que entre as não negras houve queda de 8% no período. Muitas dessas mortes derivam de outras violências, como violência psicológica, patrimonial, física ou sexual que poderiam ser evitadas.

por  Taís Oliveira no Jornal Empoderado

Para impedir consequências tão extremas, diversas comunidades de apoio são formadas. Entre elas, a Rede Feminista de Juristas – mais conhecida como DeFEMde. Neste mês Rede completa dois anos é formada por diversas mulheres que atuam profissionalmente no campo do Direito ou em áreas que estão relacionadas ao sistema jurídico, como Psicologia e Assistência Social.

O objetivo da iniciativa é criar condições para a defesa e garantia dos direitos das mulheres, sobretudo com ações como o recebimento de relatos e solicitação de assistência jurídica pelo Facebook.  Para Thayná Yaredy – uma das Advogadas da DeFEMde – “é de suma importância fortalecer as redes de apoio para mulheres que sofrem algum tipo de violência, sejam elas físicas, psicológicas ou morais. Por isso, a DeFEMde mantém Advogadas que orientam gratuitamente pedidos de mulheres em todo país”.

Segundo a Advogada, a página da Rede Feminista de Juristas recebe cerca de 50 solicitações por mês. A meta é que esse número se expanda para que a DeFEMde consiga auxiliar cada vez mais mulheres que necessitem de suporte jurídico.

Acesse a pagina no Facebook 

+ sobre o tema

14 comerciais com temática gay pelo mundo sob diferentes pontos de vista

Não é de hoje que os comerciais ganharam temática...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

Valentijn de Hingh, modelo transexual, usa vestido com bandeiras de 72 países onde ser gay é crime

Valentijn de Hingh, modelo transexual holandesa de 26 anos, mandou...

Voto de mulheres negras derrota ultraconservador no Alabama

O voto de mulheres negras no estado do Alabama, nos Estados...

para lembrar

Nadine Gasman sobre aborto: ‘O Congresso é responsável por garantir os direitos das mulheres’

Desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu descriminalizar...

‘Mãe preta, casa comum’

A casa construída no debaixo da rua dos Pirineus,...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=