Festival de Turismo “Mulheres no Mapa”

vicenzo-patoreli-1910

O ANGANA – Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios Negros de São Paulo atua na desconstrução de versões da história que se pretende oficial e universal, a qual desconsidera toda a atuação política da população negra nos mais distintos ramos da atuação humana. Batalhamos pelo direito da memória, onde os referencias e experiências de matriz afro sejam reconhecidos e valorizados, e passem a compor o mosaico que forma cada um(a) de nós como sujeitos históricos e políticos.

Por Thais Fernanda A. Avelar, enviado para o Portal Geledés 

E no bojo dessa discussão, a questão de gênero, alicerçada no protagonismo de mulheres negras constitui-se como vetor da nossa prática ao entendermos que questionar a história “oficial” prevê concomitantemente o questionamento do patriarcado e o reconhecimento das experiências das mulheres negras na subversão e fomento à outros devires.
É no bojo de todas essas questões que se insere o evento:

 

Festival de Turismo “Mulheres no Mapa”

 

O  Angana: Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios Negros em São Paulo, através da parceria  com várias unidades do SESC – Serviço Social do Comércio, realizará diversos roteiros acerca das experiências e protagonismo das mulheres negras em São Paulo, traçando assim itinerários em territorialidades que foram invisibilizadas pelos projetos urbanísticos eugênicos do fim do século XlX e início do século XX. O foco se dá sobre as experiências da população negra, compreendida  como sujeito histórico que constituiu e constituí a  história da cidade de São Paulo, a qual ainda permanece negligenciada. Portanto  os objetivos centrais do Angana, são justamente descortinar e desconstruir imaginários oficiais que negligenciam tais protagonismos. Na contramão desse processo, o Angana se propõe a traçar outras cartografias, atentando para a centralidade das populações negras como agentes imprescindíveis para a compreensão  das diversas facetas da história das populações negras na cidade de São Paulo. Reaver essas histórias e memórias, inegavelmente empoderam a população negra, e conformam outra leitura possível para a formação da capital paulista e do país como um todo.

Maiores Informações: http://tribufu-mcp.blogspot.com.br/2016/10/angana-desenvolve-roteiros-ligados.html

 

Sobre a autora:

Thais Fernanda A. Avelar

Museóloga

Educadora em Relações Étnico-raciais

Pesquisadora
ANGANA- Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em territórios Negros em São Paulo

+ sobre o tema

Cinco textos feministas centenários que continuam atuais

No início do século 20, mulheres já escreviam sobre...

DF amplia a lista de ambientes que devem oferecer proteção às mulheres

Em importante medida para combater a violência de gênero,...

Marcha das Vadias Brasília: “Porque marchamos?”

A Marcha das Vadias no Distrito Federal será realizada...

VIP: Baiana reforça time de Caco Barcellos no Profissão Repórter

Monique Evelle, fundadora da organização Desabafo Social, fixará residência...

para lembrar

Leci Brandão: Todas nós, mulheres negras, temos a mesma história

Aos 73 anos, Leci Brandão tem a energia e...

Tainá de Paula: “Precisamos pensar a favela como parte central da cidade”

Para a arquiteta e urbanista carioca Tainá de Paula,...

E se sua filha não pudesse jogar porque é menina?

Olhando meu Facebook um dia desses, fiquei chocada ao...

Estupro, ato político

Retrospecto histórico da violência machista revela: cultura da mulher...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=