Mulheres negras vão as ruas no dia 20/11 para dizer ‘fora Temer e nenhum direito a menos’

unnamed

O movimento negro brasileiro está organizando manifestações em todo o Brasil no dia 20 de novembro para celebrar o Dia da Consciência Negra. Mais uma vez as mulheres negras que ocuparam Brasília em 18 de novembro de 2015 e diversas capitais brasileiras no 25 de julho deste ano caminharão junto com nossos irmãos para denunciar o golpe racista e misógino que sofremos, além de toda retirada de direitos que temos sofrido de forma mais aguda no último período. Estaremos nas ruas, novamente, pelo “Fora Temer, nenhum direito a menos!”.

Enviado para o Portal Geledés

Em São Paulo, organizamos um bloco de mulheres negras junto a marcha que sairá do vão livre do MASP com concentração marcada para as 11 horas. No link http://migre.me/vlGmn é possível acessar a página do Facebook da marcha de São Paulo.

Já no 25 de julho deste ano denunciávamos o caráter racistas e misógino do golpe parlamentar que colocou Michel Temer na presidência e os retrocessos às conquistas democráticas e também uma ameaça aos direitos conquistados por nós mulheres negras através de muita luta.

As mulheres negras articuladas e que vem acompanhando a construção da XIII Marcha Da Consciência Negra em São Paulo ressaltam: “A violência nas sociedades afetadas pelo racismo patriarcal heteronormativo atinge de maneira desproporcional as populações negras, com forte marca do sexismo e das fobias LGBT. Apesar do empenho nas últimas décadas em ações de diminuição das desigualdades sociais e de enfrentamento da violência contra a mulher, essas não impediram o aumento de 54.2% em assassinatos de mulheres negras entre 2003-2013, o aumento do encarceramento feminino e a continuidade das violações de direitos das mulheres negras, em conflito armado e guerras civis não declaradas.”

Mais adiante, o texto explicita os eixos da manifestação que são os seguintes:

  • Em defesa da democracia e contra o Golpe: Fora Temer! E contra a PEC do Fim do Mundo, nenhum direito a menos!
  • Pela luta intransigente contra o racismo e a discriminação, independentemente da raça,etnia e/ou nacionalidade;
  • Pelo fim do machismo, do racismo, da lesbofobia, da transfobia, da intolerância religiosa, da xenofobia, e do preconceito e discriminação de qualquer natureza;
  • Pelo fim da pobreza;
  • Contra a retirada de direitos e a precarização ainda maior do trabalho, por mais emprego, melhores salários e igualdade salarial para as mulheres negras;
  • Contra a exploração sexual das crianças e adolescentes;
  • Contra todas as formas de violência, racista e machista e LGBTfóbica: física, verbal e psicológica;
  • Combate ao genocídio da juventude negra, contra a redução da maioridade penal e a violência policial e pela implantação de políticas públicas para jovens negras e negros, em especial dos bairros periféricos;
  • Contra a intolerância religiosa, por respeito e preservação das religiões de matrizes africanas, pela defesa da laicidade do Estado e a liberdade de culto;
  • Pela preservação da biodiversidade e do meio-ambiente, em defesa e reconhecimento da titulação de terras das Quilombolas, Índigenas, das Mulheres do Campo, da Floresta e das Águas;
  • Pela implementação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) alterada pela Lei 10.639/03 e 11.645/08  (obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” no ensino fundamental e médio);
  • Pelo direito à educação pública de qualidade e acesso e permanência na universidade;
  • Pelo direito à saúde e direitos sexuais e reprodutivos (aborto legal, seguro e fim da violência obstétrica);
  • Em defesa da moradia digna, do direito à cidade e à urbanidade;
  • Pela valorização da trabalhadora doméstica (Lei Complementar 150/2015);
  • Pelo empoderamento das mulheres negras, indígenas e afro indígenas, criação de políticas de ação afirmativa com corte racial e de gênero, implantação de medidas para ampliação da presença de mulheres negras, indígenas, afro indígenas e imigrantes nos espaços de poder;
  • Contra o higienismo social e a gentrificação;
  • Pelo reconhecimento e preservação dos saberes materiais e imateriais da população de qualquer raça, etnia nacional ou estrangeira no Brasil (cultura, tecnologia, arquitetura, culinária, saúde etc.);
  • Por uma política de Comunicação de enfrentamento ao racismo, com a consolidação de uma mídia igualitária, democrática, não racista e não sexista.

Serviço:

Bloco das mulheres negras na XIII Marcha Da Consciência Negra de São Paulo

Data: 20 de novembro

Concentração: A partir das 11h

+ sobre o tema

Conheça o Díaspora.Black

Conheça o Díaspora.Black. Uma rede de anfitriões e viajantes...

Autoestima ajuda a driblar crueldade do racismo na infância

"Ser negra é algo que vai muito além da...

A atitude corajosa e pedagógica da atriz Angelina Jolie – por Fátima Oliveira

Até agora, maio foi pródigo em temas palpitantes da...

para lembrar

Brasilia DF – Mês da Consciência Negra

Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Sepir) divulga...

Joacine, Cristas, Catarina Martins. Três mulheres… ou cinco, ou 89

As mulheres estão cada vez mais presentes na política....

Preconceito Zero

Constrangimento para uns e indignação para outros foram as...

Consciência Negra programação Pernambuco 2011

03/11 Ação: PEAT / Plano Estadual de Alfabetização nos Terreiros...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=