Flores e chocolates são bem-vindos no 8 de março, por Bianca Santana

Desde que venham acompanhados:

…da valorização da nossa beleza, não a que segue determinado padrão, mas a que todas temos;
…da justa divisão de tarefas domésticas e dos cuidados das crianças;
…do fim da violência física e simbólica, seja ela em casa, no trabalho ou nas ruas;
…de podermos comer bem, sem agrotóxico, transgênico ou qualquer substância nociva a nós e à natureza;
…de acolhimento nas diversas esferas da sociedade: na política tradicional, na academia, nas exatas e onde quisermos estar;
…da liberdade de cada uma viver sua sexualidade como quiser;
…do reconhecimento de que somos autônomas para tomar decisões sobre os nossos corpos;
…do respeito pela escolha de não ser mãe ou ter duas, três, cinco crianças;
…da garantia de que, ricas ou pobres, possamos decidir o que fazer diante de uma gravidez indesejada, com segurança;
…de denúncias do sofrimento provocado pelo patriarcado, das desigualdades sociais, de gênero, da lesbofobia, da homofobia, do racismo;
…do apoio às nossas lutas;
…da valorização das conquistas históricas dos movimentos de mulheres.

Se forem só flores e chocolates, pode ficar pra você ;)

 

*********

Bianca Santana

Jornalista especialista em educação e cultura digital, professora da Faculdade Cásper Líbero, idealizadora da Casa de Lua

 

 

Fonte: Brasil Post

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Terceirização tem ‘cara’: é preta e feminina

O trabalho precário afeta de modo desproporcional a população...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...

Estudantes do Rio combatem machismo e racismo com projeto transformador

Com o título Solta esse Black, alunas da Escola Municipal...
spot_imgspot_img

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=