Fórum Estadual de Juventude Negra do Espírito Santo

 

 

NOTA PÚBLICA

O Fórum Estadual de Juventude Negra do Espírito Santo – FEJUNES vem a público novamente manifestar preocupação com a falta de uma Política Estadual de Segurança Pública que seja capaz de reverter esse quadro de insegurança traduzida, sobretudo, pelos altos índices de homicídios que recai majoritariamente sob a juventude negra.

Na última sexta-feira (01) recebemos a notícia da troca de comando na Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social – SESP, que sem dúvida se tornou um momento emblemático, porém afirmamos que apenas essa alteração não é o bastante para avançarmos no enfrentamento à violência no Espírito Santo.

Mais do que nunca, precisamos abrir um amplo canal de diálogo entre os diversos setores com vista a construir alternativas que propiciem mudanças profundas neste cenário e não somente quedas inexpressivas nos dados estatísticos.

O Espírito Santo, no que pese ser o primeiro no ranking de assassinatos de mulheres e o segundo no de jovens e negros, ainda não inaugurou um canal de diálogo sistemático e qualificado com representantes desses setores.

Apesar deste Fórum já ter realizado diversas manifestações públicas, ainda não conseguimos convencer o Governo sobre a necessidade de uma construção coletiva de modo a enfrentar efetivamente o extermínio da juventude negra em nosso estado.

Soluções construídas apenas nos gabinetes ou ouvindo somente determinados setores da nossa sociedade não serão o bastante para resolver essa questão. Assim como somente os altos investimentos no aparato policial e o anúncio de medidas afastadas da realidade concreta da população não nos levarão aos resultados que verdadeiramente precisamos.

Enquanto isso, o Conselho de Segurança Pública, que poderia representar esse espaço de diálogo permanente, plural e qualificado na construção de uma Política sólida e eficiente não saiu do papel. O Programa Estado Presente, concebido a quatro paredes sem ouvir a sociedade capixaba, também segue aparentemente investindo mais em marketing do que em ações concretas de prevenção.

Por isso, afirmamos a nossa luta pela construção de uma Política de Segurança Pública garantidora dos direitos humanos e que consiga demover do nosso estado essa triste realidade de figurar entre um dos lugares mais perigosos para se viver no mundo.

Vitória/ES, 05 de março de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DE JUVENTUDE NEGRA DO ESPÍRITO SANTO

 

 

 

Fonte: Fejunes

+ sobre o tema

RJ: Apenas 244 processos de racismo chegaram ao fim em 30 anos

Na média, os números apontam que foram julgado oito...

OAB/SP lança nota de repúdio

Fonte: Afropress S. Paulo - O presidente...

Funcionário de mercado é demitido após procurar a polícia por racismo

Douglas Ferreira, 18 anos, trabalhava como repositor no supermercado...

São Caetano põe panos quentes em susposto caso de racismo

Samuel Xavier e Fábio Costa discutiram, mas se entenderam...

para lembrar

No Congresso, sociedade civil repudia projeto que reduz maioridade penal

Entidades pretendem pressionar deputados e ocupar plenário da CCJ...

Mulheres de Axé: caminhando pra resistir!

Desde 2008, uma modificação na lei brasileira considera crime...

Jovem é preso após pedir ajuda de PMs na avenida Nove de Julho

Vítima contraria delegada e alega não ter reconhecido na...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=