Funeral de preso executado nos EUA reúne centenas de pessoas

Centenas de pessoas se reuniram neste sábado na Geórgia (sudeste dos Estados Unidos) para assistir ao funeral de Troy Davis, esperando que sua execução, realizada em 21 de setembro, se torne um símbolo da luta contra a pena capital.

Os participantes, vestidos na maioria com camisetas azuis que diziam “Eu sou Troy Davis”, encheram a igreja Jonesville Baptist, no sul da cidade de Savannah.

Davis, um negro de 42 anos, foi executado depois de esgotar os recursos legais para evitar a injeção letal por ter assassinado o policial branco Mark MacPhail em 1989, crime pelo qual por condenado em um processo que deixou muitas dúvidas sobre sua culpabilidade, segundo a defesa e várias organizações humanitárias opostas à pena de morte.

Frente a um caixão cheio de flores e fotografias de Davis, vários participantes tomaram a palavra para defender a abolição da pena de morte nos Estados Unidos.

“Não há dúvidas para mim sobre o fato de que a Geórgia, o estado da Geórgia, assassinou um homem inocente”, disse Edward DuBose, presidente na Geórgia da National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para a Ascensão de Negros).

“Depois de nosso luto, temos que passar à ação”, completou.

Temos que “brigar por cada prisioneiro que se encontrar no corredor da morte neste país, isso é o que Troy queria que soubéssemos”, disse DuBose.

O diretor-executivo da Anistia Internacional nos Estados Unidos, Larry Cox, manteve uma campanha mundial de apoio à causa de Davis, argumentando que se trata de uma “grave violação aos direitos humanos por parte do governo, ao matar deliberadamente um prisioneiro”.

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Rihanna começa turnê brasileira neste sábado em São Paulo

Além do Rock in Rio, ela se apresenta em...

Passeata pede permanência de Museu da Maré

Grupo locador do prédio não tem interesse em renovar...

No Japão, Pelé faz homenagem às vítimas do tsunami

Ex-jogador visitou área devastada e foi a escola na...

Um novo olhar para os jovens nordestinos

Mudar uma cultura impregnada ao longo de décadas não...

para lembrar

spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=