Genocídio: estudo revela programa de esterilização para reduzir negros nos EUA

Enviado por / FonteUOL, por AFP

Um programa de esterilização realizado no estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, entre 1929 e 1974, foi explicitamente projetado para evitar a reprodução de cidadãos negros. Foi o que concluiu um estudo publicado esta semana, segundo o qual o projeto se encaixa na definição de genocídio da ONU.

Quase 7,6 mil homens, mulheres e crianças a partir dos 10 anos foram esterilizadas cirurgicamente. O programa, criado para servir o “bem comum”, pretendia prevenir que pessoas consideradas de “mente fraca” tivessem filhos.

A maioria dessas pessoas foi coagida, mas algumas mulheres que não tinham acesso a outros métodos contraceptivos se declararam incapazes de ser mães e buscaram a esterilização.

Publicada no American Review of Political Economy, a pesquisa avaliou os anos de 1958 a 1968, período em que mais de 2.100 esterilizações autorizadas foram feitas na Carolina do Norte.

Segundo os autores, durante esses dez anos, as taxas de esterilização aumentaram com o tamanho da população negra desempregada. Entre os brancos e indivíduos de outras raças desempregados, porém, o mesmo não ocorreu.

O coautor da pesquisa, William Darity Jr, professor da Universidade de Duke, lembrou que a definição das Nações Unidas para genocídio cita a intenção de destruir, totalmente ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso. Segundo o texto da Convenção de Genebra, isso inclui “impor medidas destinadas a prevenir nascimentos dentro do grupo”.

“O uso desproporcional de esterilização eugênica pela Carolina do Norte em seus cidadãos negros foi um ato genocida”, declarou Darity.

Um trabalho anterior havia demonstrado que o programa eugenista tinha as pessoas negras como maior alvo, mas o novo estudo esclareceu a mecânica e os motivos do projeto.

O estado criou uma fundação em 2010 para compensar as vítimas do programa que ainda estavam vivas. Segundo o jornal North Carolina’s The News & Observer, 220 vítimas receberam em 2014 os primeiros pagamentos, de US$ 20 mil cada.

+ sobre o tema

As experiências do “ser negro” na sociedade brasileira

Compelido a escrever este texto muitas foram as temáticas...

Cotas para negros em concurso público ficam para 2013

O projeto ainda está em análise no Ministério do...

Jovem acusa idosa de racismo e agressões físicas em transporte público

Pisão dentro de coletivo provocou discussão, agressões e injúria...

para lembrar

Até quando vai durar esse extermínio ao povo preto, favelado e pobre? – por Sheila Dias

"Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo...

Racismo não tem desculpa

A jornalista Maju Coutinho mais uma vez sofreu ataques...

Carta Aberta sobre a “Nega do cabelo duro”

  A primeira coisa a ser dita é que nada...

Enfrentando as desigualdades no mundo de trabalho

O combate à discriminação no local de trabalho, especialmente...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=