Genocídio: estudo revela programa de esterilização para reduzir negros nos EUA

Enviado por / FonteUOL, por AFP

Um programa de esterilização realizado no estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, entre 1929 e 1974, foi explicitamente projetado para evitar a reprodução de cidadãos negros. Foi o que concluiu um estudo publicado esta semana, segundo o qual o projeto se encaixa na definição de genocídio da ONU.

Quase 7,6 mil homens, mulheres e crianças a partir dos 10 anos foram esterilizadas cirurgicamente. O programa, criado para servir o “bem comum”, pretendia prevenir que pessoas consideradas de “mente fraca” tivessem filhos.

A maioria dessas pessoas foi coagida, mas algumas mulheres que não tinham acesso a outros métodos contraceptivos se declararam incapazes de ser mães e buscaram a esterilização.

Publicada no American Review of Political Economy, a pesquisa avaliou os anos de 1958 a 1968, período em que mais de 2.100 esterilizações autorizadas foram feitas na Carolina do Norte.

Segundo os autores, durante esses dez anos, as taxas de esterilização aumentaram com o tamanho da população negra desempregada. Entre os brancos e indivíduos de outras raças desempregados, porém, o mesmo não ocorreu.

O coautor da pesquisa, William Darity Jr, professor da Universidade de Duke, lembrou que a definição das Nações Unidas para genocídio cita a intenção de destruir, totalmente ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso. Segundo o texto da Convenção de Genebra, isso inclui “impor medidas destinadas a prevenir nascimentos dentro do grupo”.

“O uso desproporcional de esterilização eugênica pela Carolina do Norte em seus cidadãos negros foi um ato genocida”, declarou Darity.

Um trabalho anterior havia demonstrado que o programa eugenista tinha as pessoas negras como maior alvo, mas o novo estudo esclareceu a mecânica e os motivos do projeto.

O estado criou uma fundação em 2010 para compensar as vítimas do programa que ainda estavam vivas. Segundo o jornal North Carolina’s The News & Observer, 220 vítimas receberam em 2014 os primeiros pagamentos, de US$ 20 mil cada.

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

Manifestantes são agredidos por torturador da Ditadura Militar

Comissão da Verdade faz investigação em Foz do Iguaçu...

Acusados do Carandiru dizem que assassinato de 111 presos foi ‘legítima defesa’

Em série de interrogatórios que terminou de madrugada, oficiais...

Morte de jovens negros tem cenário de ‘extermínio’

Para cada jovem branco assassinado morrem dois negros; proporcionalmente,...

Plano Juventude Viva na pauta do Encontro de Novos Prefeitos e Prefeitas em Alagoas

  O governo federal, em parceria com governos estaduais e...
spot_imgspot_img

Atirador mata três homens negros na Flórida; crime teve ‘motivação racial’, diz polícia

Um homem branco matou três homens negros do lado de fora de uma loja de descontos em Jacksonville, no estado americano da Flórida, em...

Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos...

Justiça realiza audiência de instrução do julgamento dos PMs acusados de matar Kathlen Romeu

A Justiça Fluminense marcou para esta segunda-feira (29) uma audiência de instrução e julgamento dos PMs acusados de atirar contra a jovem Kathlen Romeu. Marcos Felipe...
-+=