Gerente de bar na Mooca é suspeito de estuprar e matar militante feminista com taco de beisebol

Caso aconteceu em bar da Mooca, zona leste de SP. Há indícios de abuso sexual. Dono do local afirmou que o primo e gerente do estabelecimento, Willy Gorayeb Liger, confessou o assassinato, sugeriu que sumiria com o corpo da vítima, Débora Soriano de Melo, e pediu que não o denunciasse à polícia

por Luís Adorno no Ponte

Débora Soriano de Melo, de 23 anos, foi morta na manhã do último dia 14 de dezembro em um bar da Mooca, zona leste de São Paulo. De acordo com a Polícia Civil, testemunhas afirmaram que um homem que havia chegado com Débora no local na noite do dia anterior matou a jovem ao golpeá-la na cabeça com um taco de beisebol.

Evangélica, Débora deixa os pais, dois filhos e amigos. Ela estava solteira e era militante feminista. A jovem integrava e apoiava movimentos sociais ligados à luta das mulheres em São Paulo, como a UJS (União da Juventude Socialista) e a UBM (União Brasileira de Mulheres). Nascida em Cáceres, no Mato Grosso, ela morava no bairro de Vila Nova Curuçá, na zona leste da capital paulista. A jovem estudou Processos Gerenciais na Faculdade Carlos Drummond de Andrade.

Débora Soriano era militante feminista – Foto: Reprodução/Facebook

Quem foi ao 18º Distrito Policial, no Alto da Mooca, registrar a ocorrência foi o comerciante e dono do bar, Delano Ruiz Liger, de 34 anos. Ele acusou seu primo, Willy Gorayeb Liger, de 27 anos, de ter assassinado Débora. Willy trabalhava como gerente no estabelecimento, localizado na rua Aparaju.

Segundo a Polícia Civil, Delano informou que, por volta das 7h30 daquele dia, uma quarta-feira, recebeu uma ligação de Willy afirmando que ia ao bar com duas garotas. Duas horas depois, o dono do bar foi ao local para retirar engradados de cerveja do dia anterior. Quando chegou lá, viu Willy, Débora, uma outra moça e outros dois homens. Todos estavam sentados e Willy ainda o ajudou a colocar os engradados no carro.

Willy Gorayeb Liger, de 27 anos, confessou o crime ao primo e está foragido – Foto: Reprodução/Facebook

Depois disso, Delano pediu que o encontro entre as cinco pessoas terminasse. Por volta das 12h, Willy voltou a ligar ao primo. O gerente do bar afirmou que havia “perdido a cabeça” e matado uma moça dentro do local. O dono disse à polícia que ficou desesperado e começou a pedir para que Willy tentasse salvar a vida da garota, sugerindo até que ele fizesse respiração boca a boca.

Ainda segundo Delano, Willy afirmou “de forma calma”, que não adiantava mais, que a garota já estava morta. Ele explicou que golpeou a jovem na cabeça com um taco de beisebol e pediu para o primo não abrir o bar durante o dia, afirmando que tinha o interesse de sumir com o corpo da vítima.

Apavorado, Delano foi para sua casa e conversou com sua esposa. Enquanto estava lá, recebeu vários telefonemas de Willy, que lhe pedia para não abrir o bar e nem relatar o caso à polícia. Por volta das 14h, o dono do bar ligou para outro primo, que é policial civil. Ele foi até a casa de Delano. Lá, eles decidiram que deveriam acionar um advogado e ir até a delegacia. O BO foi registrado no 18º DP às 17h23.

Willy Gorayeb Liger já tinha mandado de prisão em aberto por estupro e roubo – Foto: Reprodução/Facebook

Assim que o caso foi comunicado na delegacia, policiais foram com as testemunhas até o bar. Quando Delano abriu a porta, havia algumas manchas de sangue entre a saída e o depósito. Na parte debaixo do local, o corpo de Débora estava lá. Havia hematomas nas partes íntimas, rosto e cabeça. Seu pescoço tinha fios enrolados.

Débora estava sem calcinha e com a saia levantada na altura do quadril. Vestia sutiã e estava com a blusa levantada acima do peito. Com fortes indícios de que, além de assassinada, Débora foi vítima de violência sexual, foram solicitados exames sexológico, toxicológico e subunguial.

Na cozinha do bar, apoiado na grelha da churrasqueira, havia um bastão preto. A suspeita é de que ele tenha agredido a moça com esse bastão. Escondido embaixo do balcão, atrás de caixas de cerveja, estavam os documentos de Débora, dentro de uma mochila.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Willy já era procurado pela polícia. Ele tinha um mandado de prisão em aberto, porque respondia pelos crimes de estupro e de roubo. Além de procurar Willy, a polícia quer ouvir os dois rapazes e a outra garota que estavam no bar na manhã daquele dia 14. Willy está foragido.

Débora Soriano de Melo morava na Vila Nova Curuçá, zona leste de SP – Foto: Reprodução/Facebook

Procurada, a SSP (Secretaria da Segurança Pública), não se posicionou sobre o crime até a publicação da reportagem. A reportagem questionou a assessoria de imprensa da SSP, terceirizada pela empresa CDN, não respondeu quando e como Willy foi preso por estupro e roubo e se ele já foi identificado.

+ sobre o tema

Justiça aprova casamento civil de pessoas do mesmo sexo

Os casais formados por pessoas do mesmo sexo vão...

Luedji Luna: “O amor é fundamental para reconstrução da nossa humanidade”

No Brasil de Fato Entrevista desta semana tem a presença da...

Adeus, Winnie Mandela. Por Cidinha da Silva

Em dezembro de 2013, no primeiro dia do velório...

Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça

O Retrato das desigualdades de gênero e raça tem...

para lembrar

PF prende cinco em flagrante em operação contra pornografia infantil

Balanço parcial da Operação Proteja Brasil ainda tem quarenta...

Mulheres negras de João Pessoa saem em cortejo contra o racismo

O Movimento de Mulheres Negras da Paraíba realiza um...

Em livro de contos, Chimamanda mostra machismo e racismo em situações cotidianas

Em "No Seu Pescoço", Chimamanda deixa o leitor imerso...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=