Hoje na História, 15 de maio de 1994, acontecia o Genocídio em Ruanda

O genocídio em Ruanda deixou 800 mil mortos em apenas 100 dias. Soldados e milicianos da temida Coalizão para a Defesa da República, além de civis da etnia hutu, mataram a população da etnia tutsi e hutus moderados.

A matança indiscriminada começou horas depois que o avião do presidente ruandês hutu Juvénal Habyarimana foi derrubado. Habyarimana retornava de Arusha (Tanzânia) onde realizava negociações de paz com a rebelião da Frente Patriótica Ruandesa (FPR). Os extremistas hutu usaram o acidente como pretexto para chegar ao poder e promover o massacre.

O empresário suíço Claude Sonier conseguiu fugir com a mulher, de origem tutsi e os três filhos do casal. Sonier contou que viu homens, mulheres e crianças serem queimadas vivas em valas cobertas por pneus em chamas. A sogra de Sonier foi uma das vítimas da violência. Os tutsi foram mortos nas ruas, dentro de suas casas, e até mesmo em igrejas e escolas, onde se refugiaram.

Autoridades ruandesas acusaram a comunidade internacional de ter ignorado a tragédia, que se desenrolava no país, e os pedidos de socorro para deter o massacre. As forças de paz resgataram os estrangeiros brancos e abandonaram os ruandeses à própria sorte. A Bélgica resolveu retirar suas tropas depois que soldados da força da ONU foram mortos no país. Na colina de Nyanza, milhares de pessoas foram massacradas depois de o contingente belga da ONU, que as protegia bateu em retirada.

Um relatório de 500 páginas elaborado pelo Ministério da Justiça de Ruanda acusa a França de cumplicidade com os extremistas. Antes de eclodir o massacre, a França forneceu armas e equipamentos aos hutus Sobreviventes do genocídio acusam as tropas francesas incumbidas de proteger os tutsi de os entregar aos inimigos para serem mortos. Em 1998, uma investigação parlamentar francesa inocentou as autoridades do país de toda responsabilidade pelas mortes.

Os Tutsi retomam o poder
A França participou da retomada do país com a Frente Patriótica Ruandesa (RPF), dominada por tutsis. Em 4 de julho a RPF entrou na capital Kigali, enquanto tropas francesas ocuparam o sudoeste do país.
A operação forçou o êxodo de 2 milhões de hutus, que temiam retaliações, para países vizinhos, como o Congo.
Em novembro de 1994, a ONU criou um Tribunal Penal International para Ruanda, em Arusha. Quatro anos mais tarde, a corte pronunciou suas primeiras penas de prisão perpétua e incluiu o estupro e a violência sexual entre os atos de genocídio.

+ sobre o tema

A importancia do Negro

Essa é a história de um garoto chamado Theo que...

Un maire noir de Paris en 1879, effaçé des archives et de l’Hisoire

Severiano de Hérédia, Un maire noir de Paris Un Caribéen noir,...

13 de maio: viva 20 de novembro!

Foto de capa: retrato de Luiz Gama por Raul...

Africanos em condições sub-humanas são encontrados em Criciúma

Após uma denúncia, a Defesa Civil de Criciúma, no...

para lembrar

Para escritora nigeriana, a África é mal compreendida pelo Ocidente

As pessoas costumam ter pena do continente e olham...

Psicóloga conta sua relação com menino doente pelo ebola na Libéria

Ane Fjeldsæter, de 31 anos, saiu da Noruega para...

O embraquecimento histórico do Egito Antigo

O poder e construção de memória coletiva dos veículos...

Fim de Festa

Fonte: A escada de Penrose Por Rui Herbon  ...
spot_imgspot_img

Mia Couto e a escravidão africana de culpa dos africanos

Na Folha de São Paulo, lemos o texto “Africanos não foram só vítimas da colonização, afirma escritor Mia Couto”. Nele, podemos ver que “É preciso...

Com perfis do acadêmico ao ativista, empreendedores africanos valorizam raízes na moda

As histórias de empreendedores africanos no Brasil têm origens tão diferentes quanto os países do continente. Em um olhar sobre o setor de moda, encontram-se desde...

Africanos estão sendo impedidos de deixar Ucrânia por ‘racismo’, diz União Africana

A União Africana, organização que reúne os 55 países do continente, condenou publicamente o tratamento que, conforme relatos compartilhados nos últimos dias, vem sendo...
-+=