Hoje na História, 1942, 17 de agosto nascia Nei Lopes

Enviado por / FonteDo Tv Brasil

1942 foi um ano estelar para a Música Popular Brasileira. Nei Lopes nasceu em maio; Gilberto Gil chegou em junho, Caetano Veloso em julho e no dia 12 de novembro, Paulinho da Viola. Senhores absolutos da sua história, cada um desses criadores chega aos 70 anos de idade expondo publicamente suas maneiras de pensar e construir o país. Neste contexto, Nei Lopes, na condição de primogênito, se destaca.

Esta edição do Musicograma homenageia o artista e sua obra, verdadeiro retrato da memória carioca.

Foi na convivência familiar, nas festas realizadas no bairro e no contato com os tipos populares do subúrbio de Irajá que veio o interesse para a música. Não apenas a arte como entretenimento, mas como ação política, herança do pai, o pedreiro Luiz Brás Lopes, fundador do Grêmio Pau-Ferro. Foi a partir das atividades organizadas no grêmio, junto com os irmãos, que Nei ampliou sua vocação artística.

Nos anos 60 viveu entre as escolas de samba e as discussões acadêmicas na Faculdade Nacional de Direito, aprendendo a valorizar os contrastes presentes em toda a sua obra, onde o passado e o presente reclamam pontos de encontro e de diálogo. Esta estética, Nei Lopes levou tanto para o samba quanto para a literatura.

Em 1972, Alcione grava o samba Figa de Guiné, parceria de Nei Lopes e Reginaldo Bessa. Nasce o sambista. No mesmo ano, Nei visita o Senegal. O contato com as matrizes culturais africanas o aproxima mais do Brasil. Dois anos depois, Nei compartilha este sentimento com mais dois criadores da MPB: Wilson Moreira e Candeia.

Nei possui um olhar social inquieto, irônico e crítico. A partir dos anos 80 começou a dividir sua criação entre a música e a literatura, onde reflete sobre memória e identidade nos livros Incursões sobre a Pele e Casos Crioulos, entre outros. Os caminhos da pesquisa o levaram às obras-primas: Dicionário Banto do Brasil e Enciclopédia da Diáspora Africana no Brasil.

Compositor, cantor, escritor, pesquisador, advogado e administrador. Neste programa especial sobre a vida e a carreira de Nei Lopes, o público vai entender como ele é capaz de unir o rigor acadêmico à criatividade popular.

+ sobre o tema

Primeira negra a ganhar ouro olímpico, Alice Coachman morre aos 90 anos

Americana conquistou medalha no salto em altura nas Olimpíadas...

10 Sugestões de artistas afro para sua playlist

10 Sugestões de artistas afro para sua playlist. Se...

EUA: Filme “Njinga, Rainha de Angola” estreia em Washington

Washington - O filme angolano intitulado "NJinga, Rainha de...

A tradicional saída do Ilê Aiyê, ‘o mais belo dos belos’

A tradicional saída do Ilê Aiyê, "o mais belo...

para lembrar

Quem foi Luiz Gama, figura-chave no movimento abolicionista brasileiro

Faz 25 anos que a pesquisadora Ligia Fonseca Ferreira...

Nelson Maca: “Sou um poeta da literatura negra”

  Nascido na cidade paranaense de Telêmaco Borba,...

Vida em dívida por Cuti

Vida em dívida - Vais morrer, negrinho! - Não te fiz...

Há 50 anos, John Coltrane gravava ‘A love supreme’

Luiz Orlando Carneiro Há 50 anos (9/12/1964), o saxofonista John...
spot_imgspot_img

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...
-+=