Homem é expulso de bloco na Zona Oeste de SP após assediar mulheres

Folia do cordão ’77 – Os Originais do Punk’ foi interrompida e organizadores pediram para que rapaz deixasse o cortejo. Público endossou gritando ‘machistas não passarão’.

Por  Tahiane Stochero, G1

Um homem foi expulso do bloco “77 – Os Originais do Punk”, na Zona Oeste de São Paulo, após assediar duas mulheres que participavam do cortejo. Os organizadores intervieram e pediram para que ele saísse. O público endossou com vaias e gritos: “Machistas, não passarão”. Ele deixou o bloco sem maiores transtornos.

Anderson Boscari, um dos organizadores do cordão, relatou ao G1 o ocorrido. “Ele passou a mão em duas das nossas integrantes, eu vi lá de cima e resolvi fazer algo. A gente é totalmente contra a violência”, disse.

O cordão circula desde 2014 pelas ruas da Vila Madalena transformando o repertório punk rock em marchinhas. O cortejo deste ano teve como temas o fim da polícia militar, o combate à homofobia, e à discriminação. “Não aceitamos racistas, machistas e homofóbicos” – alertam os organizadores. A Frase estampa a camiseta do bloco.

Durante o desfile, mulheres usaram fitas vermelhas amarradas no braço para indicar que poderiam ser acionadas caso alguma foliona se sentisse intimidada ou fosse assediada e precisasse de ajuda.

O cortejo percorreu ruas da Vila Madalena arrastando dezenas de pessoas. Fãs do gênero musical levaram os filhos para participar da folia.

+ sobre o tema

5 mulheres trans que fizeram a diferença na luta LGBTQIA+

Resistência talvez seja a palavra que melhor define a...

Nascituro: Ninguém assume a sua paternidade nem maternidade na MP 557

Na última quinta-feira, 26, a presidenta Dilma Rousseff, ao...

A mulher que aborta

A mulher que aborta pode estar sentada ao seu...

15 livros para presentear meninas

Com as festas de fim de ano chegando, tenho...

para lembrar

spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=