Homenagem a escravos silencia carnaval de Recife

 

Meia-noite de terça-feira (16/2) de carnaval em Recife e as luzes se apagam. Tudo se cala, inclusive o batuque frenético dos grupos de maracatu. É a tradicional Noite dos Tambores Silenciosos, 15 minutos em homenagem aos milhares de escravos mortos na época do Brasil Colônia.

A cerimônia realizada na madrugada de hoje, que cala por instantes a folia carnavalesca, é regida por um canto triste e solitário, em dialeto africano, que ganhou aplauso da multidão aglomerada no Parque do Terço, no centro da capital pernambucana.

Nas ruas estreitas, a custa de muito empurra-empurra, o povo assistiu as danças e os batuques da Corte, representada pelos personagens do maracatu. Apesar do calor da noite pernambucana, foliões se vestiam com roupas típicas da realeza europeia. As mulheres rodavam as saias com todas as camadas de anáguas e armações de bambolê.

Mais do que uma festa de carnaval, a apresentação tem um tom religioso. A manifestação popular celebra, há mais de 300 anos, a coroação do rei e da rainha do Congo – pai e mãe de santo -, acompanhados da filha, Catirina, que vem representada de vestido igual ao da boneca negra que carrega.

A dona de casa Ladjane da Silva ressaltou a presença da religião em praticamente todas as manifestações culturais de Pernambuco. Para ela, os negros merecem a homenagem dos tambores silenciosos. “É uma festa muito importante para nós, muito tradicional. Uma mistura de religião, espiritismo e carnaval”, disse à Agência Brasil.

Também foi representado na celebração o escravo, com uma suntuosa sombrinha. Além da Corte, que prestigia a cerimônia, os grupos de maracatu vêm acompanhados de filas de tocadores de instrumentos da cultura africana, uma variação de tambores que são tocados pelos representantes de ogãs – figura masculina do candomblé – dos terreiros de Xangô do Recife.

Fonte: Correio Brasiliense

+ sobre o tema

Referência do pensamento feminista decolonial, ativista e filósofa argentina María Lugones morre aos 76 anos

Morreu nesta terça-feira (14) a filósofa, professora e ativista...

‘Marte Um’ é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2023

O filme "Marte Um", do mineiro Gabriel Martins, foi escolhido...

Amílcar Cabral o poeta africano

Por que alguém se preocuparia em calar a voz...

Kofi Annan e Didier Drogba lançam guia alternativo para a Copa

Koffi Annan (à esq.), prêmio Nobel de 2001, juntou-se...

para lembrar

Pelé lança projeto social e diz que Maradona é exemplo negativo

Por Leandro Canônico Rei do Futebol volta a alfinetar...

Cinco pensadores modernos africanos que tratam de identidade, língua e regionalismo

Esta matéria contém links que levam a outras páginas,...

Novela que retratou as tradições de matriz africana recebe prêmio nos EUA

A novela Lado a Lado, exibida pela Rede Globo,...

Quilombolas: Registro ganha Plano de Ação Quilombola

Fonte: Írohín Jornal Online     A Secretaria de Estado da Saúde(SES)...
spot_imgspot_img

Leci Brandão – Na Palma da Mão em curta temporada no Imperator

Com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno, musical que celebra vida e obra da artista se apresenta no Imperator Vencedor do Prêmio Shell de Teatro na categoria "Direção" Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...

Podcast Pessoas: Temporada Vidas Negras é destaque do mês no Museu da Pessoa

Nele, cada episódio apresenta a edição de uma entrevista que compõe o acervo do Museu da Pessoa no formato storytelling. O Podcast, lançado em 2020,...

Censo 2022: população quilombola tem perfil jovem e maioria masculina

As populações quilombolas possuem perfil mais jovem do que o observado na população total do Brasil. Além disso, nos territórios quilombolas, a presença dos...
-+=