Homenagem a escritora Carolina Maria de Jesus traz reflexão sobre racismo

Ricos momentos de reflexão acerca da pobreza e racismo marcaram o Sarau Poético “Centenário Carolina Maria de Jesus”, na manhã desta última terça-feira (16), no auditório da Casa do Cidadão, em Itararé. Estiveram presentes ao encontro profissionais ligados aos movimentos e políticas de gênero e raça, além, é claro, de apreciadores da literatura e adoradores da força das linhas de Carolina.

No Vitória.es

“Carolina soube expressar em sua obra questões sociais de discriminação no âmbito de raça, gênero e posição social. Infelizmente, assim como a escritora, outros autores negros de literatura não tiveram visibilidade em nosso país. A sua obra fez mais sucesso no exterior do que no próprio país. Quando a escritora teve uma posição financeira melhor, a sua comunidade a rejeitou. Quando não sabemos lidar com aquilo que está em nosso interior, não conseguimos aceitar o sucesso do outro”, disse a subsecretária de Movimentos Sociais do Governo do Estado, Leonor Araújo.

A coordenadora da Gerência de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Secretaria Municipal de Cidadania e Direitos Humanos (Semcid), Valdeni Andrelino, falou da importância do tema do sarau. “Maria Carolina é negra e uma referência brasileira de luta e superação por meio dos livros. Mesmo após décadas, o contexto de suas obras ainda é vivo e forte, pois abordam as sensíveis questões sociais de exclusão, raça, classe e gênero, tão presentes nos dias de hoje”.

Poesias

A estudante de Ciências Sociais Eduarda dos Santos escolheu as poesias “O quarto do despejo” e “Humanidade”, escritas por Maria Carolina, para ler para o público. “As poesias fazem um apanhado geral da história antes e depois da fama da escritora. Falam das questões antigas e atuais da mulher negra, assunto pertinente e importante ser discutido nos dias de hoje”.

Já a assistente social Tatiana Brandino, para se encontrar na história afro, descobriu a obra de Maria Carolina. Ela também participou da leitura com o poema “Encontrei minhas origens”, do autor Oliveira Silveira.

Frases de Maria Carolina de Jesus

  • “As crianças ricas brincam nos jardins com seus brinquedos prediletos. E as crianças pobres acompanham as mães a pedirem esmolas pelas ruas. Que desigualdades trágicas e que brincadeira do destino.”
  • “Eu sou negra e, a fome é amarela e dói muito.”
  • “Quem escreve pode passar fome de comida mas tem o pão da sabedoria e pode gritar com suas palavras.”
  • “Quem não tem amigo mas tem um livro tem uma estrada.”
  • “…Há existir alguém que lendo o que escrevo dirá… isto é mentira! Mas, as misérias são reais.”
  • “Quando eu não tinha nada o que comer, em vez de xingar eu escrevia. Tem pessoas que, quando estão nervosas, xingam ou pensam na morte como solução. Eu escrevia o meu diário.”
  • “Mas é uma vergonha para uma nação. Uma pessoa matar-se porque passa fome.”

Maria Carolina de Jesus

Moradora da favela do Canindé, zona norte de São Paulo, ela trabalhava como catadora e registrava o cotidiano da comunidade em cadernos que encontrava no lixo.

Nascida em Sacramento (MG), Carolina mudou-se para a capital paulista em 1947, momento em que surgiam as primeiras favelas na cidade. Apesar do pouco estudo, tendo cursado apenas as séries iniciais do primário, ela reunia em casa mais de 20 cadernos com testemunhos sobre o cotidiano da favela, um dos quais deu origem ao livro “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, publicado em 1960. Após o lançamento, seguiram-se três edições, com um total de 100 mil exemplares vendidos, tradução para 13 idiomas e vendas em mais de 40 países.


Informações à imprensa:

Carmem Tristão

E-mail: [email protected]

Tel(s).: 3135-1000 / 98889-6140 / 98139-7097

Com edição de Matheus Thebaldi

Com colaboração de Mayara Rangel

+ sobre o tema

Três mulheres dividem o Prêmio Nobel da Paz de 2011

Três mulheres- a presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf,...

30 frases machistas que tentam te controlar e você não percebe

1. Você é uma mocinha. Aprende a sentar. Por Dany Santos,...

Combate à cultura do assédio: por que devemos registrar a “cantada” de rua na delegacia

“Lute por seus direitos”, diz ilustração da artista Debi...

para lembrar

Seminário Identificação e Abordagem do Racismo e do Sexismo Institucionais Brasilia, 10 e 11 de maio

Evento ocorre no âmbito do seminário "Identificação e Abordagem...

Ilê Aiyê escolhe a Deusa do Ébano 2018 neste sábado

Elas dançam, cantam e exaltam o belo. Todas querem...

Delegado exonerado por insultar mulheres é alvo de nova acusação

Poucos dias após Pedro Paulo Pontes Pinho ter criticado...

Anielle Franco é eleita uma das mulheres do ano pela revista Time

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, foi eleita pela...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=