Coletivo viajará com projeto educativo que tem tranças e turbantes como ferramentas

Todas são da capital de São Paulo. Denna Hill, 31, é da zona leste, bairro Guilhermina, Nina Vieira, 25, também é da ZL, mora na Vila Prudente. Lúcia Udemezue, 29, é de Pirituba, zona norte e Thays Quadros, 29, representa a Sul, ali no bairro da Saúde. Cantora e psicóloga, designer e fotógrafa, produtora e socióloga e produtora cultural, respectivamente. Este é o coletivo Manifesto Crespo, selecionado pelo prêmio Lélia Gonzalez – Protagonismo de Organizações de Mulheres Negras, lançado este ano pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

Do:  Mulher Negraecia

Formado em 2011 por jovens mulheres negras e com atuação na área cultural e educacional, entre os projetos desenvolvidos, destaca-se o Tecendo e Trançando Arte, oficinas que provocam reflexões sobre o cabelo crespo, a história e cultura africana. Direcionadas para mulheres, incluindo crianças, a iniciativa já atingiu mais de 700 pessoas, em São Paulo.

“Desde o nascimento do coletivo, atuamos bastante na capital e algumas cidades do interior. Agora, o Tecendo e Trançando Arte recebeu um direcionamento mais específico: fortalecer e nos aproximar de líderes femininas negras e indígenas muito importantes para o nosso trabalho e para a preservação da memória cultural”, disse Nina Vieira

Para este novo momento, o coletivo elegeu, em parceria com a União Popular de Mulheres do Campo Limpo, cinco locais para atuação. O primeiro deles foi o quilombo da Caçandoca, em Ubatuba, que recebeu as integrantes e 30 participantes da excursão no dia 6 de dezembro. As próximas viagens estão programadas para o primeiro semestre de 2015. Entre os destinos, está a aldeia Indígena Tenondé Porã, no bairro de Parelheiros (SP\capital), a Festa de São Benedito, realizada na cidade de Tietê, a Casa de Cultura Afro Fazenda da Roseira, em Campinas, e o Teatro Popular Solano Trindade, em Embu das Artes.

A escolha considerou o perfil de resistência racial, cultural e de gênero, elegendo corpos sociais que tenham mulheres na linha de frente das tomadas de decisões. “Para nós, o recorte racial é fundamental, exatamente para retratarmos a luta de mulheres submetidas a uma tripla exclusão: gênero, raça e classe”, complementou Nina.

Na primeira experiência, no Caçandoca, a oficina mobilizou mais de 30 moradores, com maioria de mulheres, mas uma representativa presença masculina. E entre as conversas, tranças e torços, lá estava Maria Gabriel do Padro, 71, uma das mulheres de referência na comunidade. Durante a oficina, ela reinou ajudando as outras participantes a torcerem seus turbantes.

1560679_919573821407706_1294274679988154289_nDona Maria

Dona Maria já atuou como presidente da associação, presidente dos amigos do bairro e técnica de futebol – do time masculino e feminino. “Todos os troféus que vocês viram na associação são meus”, disse com um sorriso no rosto enquanto lembrava. Perguntamos se ela também jogava futebol e a resposta foi: “Não, eu só mandava! Só ordenava!”, risos mais uma vez.

Ela contou que as mulheres estão sempre à frente, participando das reuniões, lutando junto com os demais na diretoria e na recepção de pessoas que vem de fora. Mas a fonte de renda não está no quilombo. No caso das mulheres, a função mais comum é de faxineira ou caseira, como aconteceu com Maria, que ainda sonha em ter um retorno financeiro sustentável das atividades que desenvolve com prazer no Caçandoca. E o outro sonho é ainda mais protagonista: “Ver minha neta formada, bem de vida”, disse com lágrimas nos olhos.

*O Nós, mulheres da periferia participou da excursão

Jessica-1

10255351_919572971407791_5392586839894493925_n-150x150

10373702_919573038074451_5867669251010193719_n-150x15010404406_919573121407776_8101705540239014558_n-150x15010802007_919573198074435_8880292949194747014_n-150x15010847784_919573201407768_7900957135838643192_n-150x15010689444_919573234741098_469372604132536264_n-150x15010438898_919573781407710_3895301390978397356_n-150x150IMG_7182-150x1501483369_919573811407707_8083309640622916717_n-150x150IMG_7187-150x150

Leia mais sobre  Mulher Negra

 

 

 

 

+ sobre o tema

Diálogo Movimento de Mulheres e Marketing da Schincario

Em dezembro de 2010, o COMNEGRAS, Centro de Orientação...

Lia Zanotta Machado: O conceito de “mulher de família” é prejudicial

Pesquisadora comenta que, na base da cultura do estupro,...

Morre no Rio, Tia Maria do Jongo da Serrinha, aos 98 anos

Ela passou mal na manhã deste sábado (18) e...

Por vingança, chinês ‘arruina’ noite de casais em cinema de Xangai

Um homem chinês não identificado decidiu 'arruinar' a noite...

para lembrar

Amando bem pouquinho, aqui

Esse domingo estreou “Eu que amo tanto”, baseado no...

Há sentido político na difamação de Marielle Franco

Não é novidade a quem acompanha episódios de violência...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=