quinta-feira, julho 7, 2022
InícioQuestão RacialHomens negros relatam casos de racismo ao utilizar máscaras na rua

Homens negros relatam casos de racismo ao utilizar máscaras na rua

“Se você continuar falando demais, eu te levo preso, sua desgraça preta.” Com a voz abalada e permeada por pausas, o tecnólogo baiano D.S.S.* 38, relata para Universa um dos inúmeros casos de racismo que viveu. A diferença desta para as anteriores é que agora a agressão foi motivada pelo uso da máscara —essencial para reduzir o risco de transmissão do novo coronavírus.

“Minha namorada e eu paramos em um posto de gasolina. Enquanto eu abastecia o carro, ela foi até a farmácia. De repente, escutei o rádio da viatura parada ao lado: ‘Casal negro de máscara em um carro X de cor X’. Aquilo me chamou a atenção de imediato”, relata o tecnólogo.

“Prontamente, um policial veio à minha direção e pediu que eu saísse do carro. Atendi. Pediu meus documentos e os do carro, atendi novamente. Mandou que eu colocasse as mãos no capô. Eu, de novo, atendi. Quando minha companheira se aproximou e perguntou o que estava acontecendo, eu expliquei. Foi quando o policial disse: “Se você continuar falando demais, te levo preso, sua desgraça preta.”

Constrangido, ele, que prefere não ter seu nome publicado, conta que ele e a namorada ficaram em silêncio durante todo o trajeto para a casa e que, até agora, dias depois, nunca tocaram no assunto.

“Você é a primeira pessoa com quem converso sobre isso”, ele disse à reportagem. Ele acredita que o fato de estar com o rosto parcialmente coberto pela máscara potencializou o estereótipo de criminoso.

Para ele, não é possível se proteger contra o racismo nessas situações. “Mesmo sabendo que estou correndo risco, as pessoas precisam me respeitar independentemente da minha cor. Prefiro continuar me protegendo seja com uma máscara azul, branca ou preta [do que não usar].”

O sentimento ao viver casos de racismo como o relatado por D. são seguidos por impotência, raiva, dor e constrangimento.

O também baiano Cleber Xavier, 26, e os paulistanos Gabriel Matos, 30, e Cassimano Nanau, 37, relataram casos de preconceito racial e afirmaram que o uso das máscaras de proteção potencializou as agressões racistas.

“Não vou mentir: tiro a máscara porque posso ser confundido e morrer”

Cleber Xavier, que trabalha em uma instituição pública com monitoramento de vídeos em Salvador, percebeu que o uso da máscara de prevenção não seria tão simples quando voltava do trabalho para casa.

“Eu estava chegando no ponto de ônibus e passei por um carro. Sabe quando você cruza o olhar no retrovisor do motorista? Ele estava me olhando e, automaticamente, ligou o carro, e enquanto eu passava me acompanhou com os olhos. Percebi que ele estava com medo de mim e não entendi. Continuei andando, e quando passei, ele desligou o carro e continuou no mesmo lugar. Parei e raciocinei sobre aquilo, mas segui em frente.”

Ele também conta que é preciso redobrar o cuidado com a forma como age quando está com a máscara para tentar minimizar o risco que ele mesmo sofre. “Esses dias, em uma farmácia, estávamos apenas eu, a vendedora e uma senhora. Assim que entrei, me veio à cabeça: ‘você está com a máscara, aja de forma tranquila’.”

Cleber conta que agora evita o uso de chapéu e quando chega em seu bairro, na periferia da capital baiana, prefere tirar a máscara para não ser abordado caso a polícia esteja nas ruas.

“Ao ver um negro com máscara, as pessoas piram”

Em uma manhã de quinta-feira, em São Paulo, o diretor de arte Gabriel Matos saiu para fazer compras e foi seguido por uma viatura.

Gabriel Matos
(Foto: Arquivo Pessoal)

“Eu saí de manhã para ir ao mercado e peguei minha máscara, meu fone de ouvido, óculos escuros e andei alguns quarteirões até chegar lá. Mas ao perceber que o mercado estava fechado, voltei para casa.”

No caminho da volta, Gabriel percebeu que uma viatura o seguia. “Pausei a música para poder ficar mais atento caso alguém falasse comigo e andei em direção ao meu prédio. Durante todo esse trajeto, a viatura me seguiu sem falar nada, de perto e devagar”, conta. Ao entrar no prédio, a viatura acelerou e foi embora.

“De máscara, você sente um clima hostil contra você”

Cassimano Nanau, 37, é designer gráfico e morador do centro de São Paulo. Em entrevista a Universa, conta que segue o isolamento social com rigor, mas que, depois de duas semanas em casa, precisou ir ao banco e percebeu que há mais policiais nas ruas. Segundo ele, só a presença de viaturas já o faz se sentir angustiado.

Cassimano Nanau (Foto: Arquivo Pessoal)

“A rua estava vazia e os comércios, fechados. Eu entrei de máscara no banco e, na hora que os seguranças me viram, seguraram a arma, esperaram minha atitude, vigiaram o que eu ia fazer. Eu cheguei perto da porta giratória para pedir uma informação e senti que eles claramente ficaram em alerta.

Culpado até que se prove o contrário

O doutorando em sociologia pela IESP e especialista no tema da masculinidade negra, Henrique Restier afirma que, com a obrigatoriedade do uso de máscaras, casos como esses não serão isolados e fazem parte do histórico de vida dos homens negros.

“Essa é uma história secular em que os contextos se alteram, mas as ameaças continuam as mesmas.” Para ele, o estereótipo clássico do bandido que usa capuz, touca e máscara é parte da construção da imagem do homem negro durante a colonização no Brasil e ainda está representado em publicidades, novelas e cinemas.

Restier afirma que, ao longo dos séculos, “se constituiu um corpo jurídico para criminalizar essas pessoas, suas práticas culturais e criou-se um imaginário em torno de seus corpos, que carregam estereótipos negativos que os associam à criminalidade e à violência”. Para o pesquisador, isso tem reflexo até hoje na sociedade brasileira.

O temor em usar a máscara se dá também, segundo o pesquisador, pelas consequências que esse homem sofre quando é acusado de um crime. “No caso dos rapazes entrevistados, acredito que não implique apenas ser confundido com um ladrão, mas também suas consequências: eles não só passam por humilhações e constrangimentos, mas também sofrem violências físicas e, em alguns casos, são mortos”, diz.

“O homem negro vive o inverso da ideia de que é inocente até que se prove o contrário, ele será sempre culpado e antes que seja provado sua inocência já passou por uma série de violências.”

FIQUE EM CASA

Artigos Relacionados
-+=