Il duce

Em 1966, eu fazia o curso de admissão. Para os menores de quarenta anos, explico, admissão era a prova oficial para ingressar no ginásio da rede pública. Nessa época, escola particular era para os alunos excedentes ou muito religiosos ou muito ricos.

Enviado por Fernanda Pompeu para o portal Geledés 

O tal cursinho de admissão, Preparatório Boa Vista, além de me ensinar a calcular o máximo e o mínimo múltiplo comum, me ofereceu as primeiras lições de eugenia e, consequentemente, de discriminação.

Os cinquentões seu Antônio e dona Leonor, além de casados, eram os professores e donos do caixa. Sem querer ofender pessoas que pelas contas dos anos podem estar enterradas, digo: o casal era assustador.

Eles comparavam a injustiça do mundo a uma ordem natural. Algo como pitangas caem de pitangueiras; jabuticabas, de jabuticabeiras. Assim, brancos nasciam com vocação para vencedores, mas tinham que lutar. Negros nasciam com DNA de perdedores e o a fazer era se resignar.

No Boa Vista só havia alunos brancos. Remediados, é verdade. Seu Antônio apontando uma régua de 90cm, em nossa direção, alertava: se vocês não estudarem vão enegrecer.

Uma manhã, tomada de coragem, perguntei: o que seria exatamente enegrecer? Ele atirou a ponta de giz na minha testa e despejou: virar negro é ser o trocador do ônibus e não o motorista. Elevando ainda mais a voz: enegrecer é candidatar­se a burro sem rabo.

Para quem não lembra, burro sem rabo é o apelido de empurradores de carroças de mão. Dona Leonor, exultante, mexia com a cabeça confirmando os vaticínios do mestre.

A classe calava-se em silêncio de morte.

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Caso Môa do Katendê: Júri condena Paulo Sergio Ferreira a 22 anos e 1 mês de reclusão

Paulo Sergio Ferreira de Sant’ana foi condenado nesta quinta-feira...

‘Estou com medo e não estou saindo de casa’, diz haitiano atingido por balas

Imigrantes haitianos atacados relatam dificuldades encontradas na busca por...

“O debate sobre o racismo é a maior pólvora da luta de classes no Brasil”

Enquanto o pacto social faz água no Brasil, manifestações...

para lembrar

Carrefour não quer clientes negros e pobres

Fonte: Casal 10- A rede Carrefour tem uma longa lista de...

Menino de 12 anos é vítima de racismo em seu perfil sobre literatura

Na última quarta-feira (27), um menino de 12 anos...

SP: cartilha fala sobre discriminação, racismo e preconceito

Em comemoração ao Dia da Consciência Negra, a Defensoria...

Diretoria do Chelsea bane torcedor acusado de racismo de Stamford Bridge

Após uma semana de investigações policiais, o Chelsea anunciou...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=