sexta-feira, agosto 19, 2022

Il duce

Em 1966, eu fazia o curso de admissão. Para os menores de quarenta anos, explico, admissão era a prova oficial para ingressar no ginásio da rede pública. Nessa época, escola particular era para os alunos excedentes ou muito religiosos ou muito ricos.

Enviado por Fernanda Pompeu para o portal Geledés 

O tal cursinho de admissão, Preparatório Boa Vista, além de me ensinar a calcular o máximo e o mínimo múltiplo comum, me ofereceu as primeiras lições de eugenia e, consequentemente, de discriminação.

Os cinquentões seu Antônio e dona Leonor, além de casados, eram os professores e donos do caixa. Sem querer ofender pessoas que pelas contas dos anos podem estar enterradas, digo: o casal era assustador.

Eles comparavam a injustiça do mundo a uma ordem natural. Algo como pitangas caem de pitangueiras; jabuticabas, de jabuticabeiras. Assim, brancos nasciam com vocação para vencedores, mas tinham que lutar. Negros nasciam com DNA de perdedores e o a fazer era se resignar.

No Boa Vista só havia alunos brancos. Remediados, é verdade. Seu Antônio apontando uma régua de 90cm, em nossa direção, alertava: se vocês não estudarem vão enegrecer.

Uma manhã, tomada de coragem, perguntei: o que seria exatamente enegrecer? Ele atirou a ponta de giz na minha testa e despejou: virar negro é ser o trocador do ônibus e não o motorista. Elevando ainda mais a voz: enegrecer é candidatar­se a burro sem rabo.

Para quem não lembra, burro sem rabo é o apelido de empurradores de carroças de mão. Dona Leonor, exultante, mexia com a cabeça confirmando os vaticínios do mestre.

A classe calava-se em silêncio de morte.

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench