A importância da mulher negra para a formação social brasileira

Buscando desvelar a importância da mulher negra para a formação social brasileira, as pesquisadoras e artistas Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa organizaram a exposição Mãe Preta, que ressignifica arquivos do período da escravidão para contar uma outra versão da história, na qual as negras escravizadas são protagonistas.

Do Iphoto Channel

“É uma proposta de revisitar os arquivos da escravidão, muito conhecidos e vistos, mas que dependendo da forma como são apresentados, podem sugerir interpretações superficiais sobre as complexas relações das mães negras escravizadas em relação ao filhos brancos de seus senhores e a luta pela manutenção da vida de seus próprios filhos”, explica Patricia Gouvêa.

Para as artistas, a mostra evidencia uma das histórias mais dolorosas da humanidade: a das mães pretas, as amas de leite geradas pela escravidão por necessidade do leite materno, alimento imprescindível para a sobrevivência dos bebês da Casa Grande.

Se por um lado essa necessidade gerou relações afetuosas entre os bebês brancos e as amas negras, por outro privou as mães negras do contato e do zelo com os seus próprios filhos. A exposição Mãe Preta vem dedicar seu olhar, prioritariamente, às mães negras e suas relações com seus filhos de sangue, mas também à relação entre as amas e os filhos brancos dos senhores.

Dividida em oito séries, a exposição possui instalações, colagens e intervenções em gravuras e fotografias de importantes nomes como Marc Ferrez, Debret, Rugendas, Henschel, Guillobel e Christiano Junior, artistas viajantes e precursores da fotografia. Cada um desses recortes busca uma ressignificação da maneira pela qual a mulher negra foi, e é, representada na sociedade e evidencia que a história nada mais é do que uma construção, feita por aqueles que detêm o poder.

 

 

De acordo com Patricia Gouvêa, a exposição é um movimento para buscar a reflexão de forma contundente e delicada sobre uma questão ocultada na sociedade: a situação das mulheres negras mães.

“Nem eu nem a Isabel somos negras, então não temos e nunca sofreremos a mesma experiência do racismo e da violência que as mulheres negras. Mas nossa experiência com a maternidade nos aproxima um pouco. Como artistas e como seres humanos, podemos usar dessa prerrogativa para falar dessas questões”, explica Patricia Gouvêa.

Inédita em Belo Horizonte, a mostra chega para ocupar um espaço muito diferente de sua primeira exibição no Rio de Janeiro, no Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, que fica no Sítio Arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos, onde milhares de africanos foram enterrados à flor da terra no século XIX. Ela será no Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1537 – Centro – Belo Horizonte/MG) e tem abertura dia 12 de maio, com visitação até 13 de agosto e entrada gratuita“No Palácio das Artes, um ambiente novo, a exposição deve tomar novos ares, ter uma dimensão diferente. Vai ser muito interessante perceber como ela afeta o público”, diz Patrícia Gouvêa.

+ sobre o tema

Mulheres negras são mais vulneráveis ao desenvolvimento de miomas

Mulheres com histórico familiar, obesidade e sem filhos também...

Maria Clementina de Souza, 1ª delegada negra de São Paulo, morre aos 64 anos

Maria Clementina de Souza, primeira delegada negra da história...

Projeto CANSEI Por Larissa Isis

É muito bom saber que existe no mundo gente...

Mulheres negras na política: “Verba vai primeiro para loiras de olho azul”

Desde que a primeira mulher negra foi eleita para...

para lembrar

Amazonas de Daomé: As mulheres mais temidas do mundo

Bravas guerreiras da África Ocidental repeliram com sucesso invasores...

Mais um Passo

Na III Reunião do Comitê Preparatório da Conferência Mundial...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=