Islândia é o primeiro país a tornar ilegal o pagamento de salário menor a mulheres

Órgãos governamentais e empresas do setor privado passam a ser obrigados a acabar com a desigualdade salarial.

Da Revista Fórum 

(FOTO: MAJA HITIJ/GETTY IMAGES)

A Islândia já aparece no topo da lista dos países que apresentam a maior igualdade de gênero no mundo. Agora, tem um motivo a mais para não perder o posto. Nesta segunda-feira (1), entrou em vigor uma lei que torna ilegal pagar mais a homens do que as mulheres no país. A medida será aplicada tanto nos órgãos governamentais quanto nas empresas do setor privado com mais de 25 funcionários. Todos terão de obter uma certificação especial do governo, garantindo que ali existem políticas de igualdade salarial. Não conseguiu a certificação? Vai levar multa.

Com isso, a Islândia vira o primeiro país no mundo a tornar a igualdade salarial obrigatória. A ilha nórdica pretende erradicar as disparidades salariais entre homens e mulheres até 2022. Ao anunciar a medida em março de 2017, o ministro da Igualdade e Assuntos Sociais da Islândia, Thorsteinn Viglundsson (foto), defendeu que “direitos iguais são direitos humanos”. “Precisamos garantir que homens e mulheres desfrutem da igualdade de oportunidades no local de trabalho. É nossa responsabilidade tomar todas as medidas para conseguir isso”, afirmou na ocasião.

A lei recebeu apoio de todos os partidos políticos no país. Lá, quase metade dos membros do Congresso são mulheres. A Islândia é líder no empoderamento político feminino e na luta constante pela igualdade salarial. Em 2017, pela nona vez, o país ocupou o primeiro lugar no Índice Global Gender Gap do Fórum Econômico Mundial, que classifica 144 nações com base em quão perto estão de alcançar a igualdade de gênero. Segundo o último relatório, a Islândia já havia fechado 87% das lacunas de diferença de gênero.

*Com informações da Época Negócios

+ sobre o tema

10 filmes para acabar com o preconceito contra LGBTs

O Brasil vive nesta ultima década uma histeria moral...

Mulheres reagem a pedido de Serra para convencer pretendentes

O candidato tucano, José Serra, gerou uma nova onda...

MP vai apurar denúncias de erotização de meninas em ensaio da Vogue

Segundo advogada, retratos de crianças em poses sensuais reforçam...

para lembrar

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa! por Sueli Carneiro

Caros blogueiros progressistas, nas eleições de 1996 para a...

Uma em cada quatro mulheres não tem acesso a absorvente durante o período menstrual, no Brasil

Menstruar mensalmente é algo que ocorre com qualquer mulher saudável....

Você é apenas um menino se fingindo de homem

Você é um menino. Treze, catorze anos. Inseguro, tímido....

Caso Marielle: PF vai investigar se agentes públicos atuam para impedir resolução do crime

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou nesta...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=