Atrizes de Hollywood lançam fundo de defesa contra assédio sexual

Chamado de Time’s Up, o plano inclui apoio subsidiado a mulheres e homens que foram sexualmente assediados, agredidos ou abusados em seu local de trabalho.

Da Revista Fórum

Foto: Creative Commons

Mais de 300 atrizes, escritoras, diretoras, agentes e outras executivas do entretenimento revelaram uma iniciativa para enfrentar o assédio sexual generalizado em Hollywood e em empregos da classe trabalhadora em todo os Estados Unidos. O plano, chamado Time’s Up, inclui um fundo de defesa legal que até agora arrecadou US$ 13,4 milhões (cerca de R$ 44,6 milhões) da sua meta de US$ 15 milhões para proporcionar apoio legal subsidiado a mulheres e homens que foram sexualmente assediados, agredidos ou abusados em seu local de trabalho.

A iniciativa presta atenção especial a pessoas com baixos salários, como empregadas domésticas, porteiros, garçonetes, trabalhadores de fábricas e da agricultura. “Com muita frequência, o assédio persiste porque os perpetradores e os empregadores nunca enfrentam nenhuma consequência”, expressaram as promotoras do plano, em uma carta aberta publicada no site do grupo, assim como em um anúncio de página inteira no The New York Times e no jornal em espanhol La Opinión.

“Seguimos comprometidos a fazer com que nossos lugares de trabalho sejam responsáveis, promovendo mudanças rápidas e efetivas para que a indústria do entretenimento seja um lugar seguro e equitativo para todos”, afirma a carta. Também promete contar “histórias de mulheres através de nossos olhos e vozes com o objetivo de mudar a percepção e o tratamento das mulheres de nossa sociedade”. E chama as mulheres para se vestirem de preto na cerimônia dos Globos de Ouro de domingo (7), como uma declaração contra a desigualdade de gênero e racial, assim como para aumentar a consciência sobre os esforços do grupo.

O movimento se formou depois de que uma avalanche de acusações pôs fim à carreira de homens poderosos do entretenimento, dos negócios, da política e dos meios de comunicação, provocada pelo escândalo de má conduta sexual do produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

Entre os membros do Time’s Up estão as atrizes Cate Blanchett, Ashley Judd, Natalie Portman e Meryl Streep (foto), a presidente da Universal Pictures, Donna Langley, a escritora feminista Gloria Steinem, a advogada e ex-chefe de gabinete de Michelle Obama, Tina Tchen, e uma das presidentes da Nike Foundation, Maria Eitel.

*Com informações do G1

+ sobre o tema

Brasil já tem 61 transexuais e travestis assassinados em 2017

O país segue pelo sexto ano consecutivo como o...

A suposta força infinita da mulher negra

Venho tentando escrever esse texto há algum tempo. Todo...

Julgamento poético: Quantos negros e negras precisarão morrer?

Ilustração/ Eu Grito   Julgamento poético: Quantos negros e negras precisarão...

Edital Mulheres em Movimento 2020: solidariedade e confiança totais

Considerando a pandemia de covid-19 e a importância de...

para lembrar

“Ouvir Bolsonaro é de uma agonia sem fim”, critica Ellen Page

No painel dentro do festival de cinema e música...

Um homem exemplar: Dono de casa fala sobre igualdade entre os gêneros

Há muito a ser refletido sobre a misoginia nessa...

Concurso premia documentários de estudantes sobre Lei Maria da Penha

Dados da Secretaria de Políticas para Mulheres apontam que...

Conceição Evaristo faz palestra na Academia Mineira de Letras

Nesta quinta feira, 24, a Academia Mineira de Letras...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=