‘A gente pode vencer e acender os olhos de esperança para pessoas negras’, diz primeira quilombola promotora de Justiça do Brasil

Enviado por / FonteDo G1

Karoline Bezerra Maia nasceu no Maranhão e saiu da comunidade quilombola Jutaí. Ela vai atuar pelo Ministério Público do Pará em Senador José Porfírio, município do sudeste do Pará.

A gente pode vencer, a gente pode conseguir. É movimentar toda a estrutura da sociedade, acender os olhos de esperança, principalmente para nós, pessoas negras“, diz maranhense que é a primeira promotora quilombola do país. Karoline Bezerra Maia vai atuar no Ministério Público do Pará (MPPA) no município de Senador José Porfírio, no sudeste do estado.

Existem treze comunidades quilombolas no município de Moção, no oeste do Maranhão. O povoado Jutaí é uma delas. Para chegar lá é preciso uma viagem de uma hora de navegação pelo rio Pindaré.

No área remanescente de quilombo vivem pessoas descendentes de pessoas negras que foram escravizadas em fazendas produtoras de cana de açúcar que usavam o rio Pindaré para escoar a produção.

O pai da promotora Karoline Bezerra Maia é remanescente de quilombola. “Ela é, de fato, a primeira pessoa, ligada de história, de sangue, de chão e de ancestralidade ao quilombo. Primeiro caso que chega ao ponto alto do judiciário, à promotoria pública”, confirmou o historiador Ronilson Souza.

A nova promotora no Pará saiu da comunidade ainda criança, quando começou a ser alfabetizada. Ao ser levada do comunidade quilombola pela família, ela continuou os estudos no Pará.

Ela é ex-aluna do projeto Identidade, iniciativa da associação nacional dos procuradores da república, implementada pela Fundação Pedro Jorge e que contou com o apoio da Educafro, uma organização não governamental que tem a missão de promover a inclusão da população negra.

“Meu pai me levou de volta ao local e disse ‘É daqui que eu e sua família viemos, dos povos escravos, e tudo o que eu faço para ti e para que você não precise passar pelo o que eu passei’. Então, a partir daquele momento, eu fui tomando consciência da onde eu vim e de tudo o que eu tinha que fazer para ter uma melhoria de vida.”

A notícia da conquista alcançada por Karoline se espalhou por Monção, e no quilombo Jutaí o orgulho é mais forte que em qualquer lugar do município. “Felicidade, muita felicidade. É uma honra. Dá esperança para que aconteça com outras pessoas também”, disse a lavradora Karoline Avelina ao saber da conquista da quilombola.

“Para mim é notícia de orgulho. Até porque sai de um lugar isolado, era uma família carente”, disse o lavrador e morador da comunidade Leielson Rocha.

O mesmo rio que foi o caminho de Karoline é o trajeto de pequenos estudantes. As crianças viajam cerca de 12 km de barco até outra comunidade maior para estudar, mas não desistem do sonho de também mudar de vida.

“Eu quero ser advogada. Para ajuda a minha família”, disse uma das pequenas moradoras e estudante de Jutaí.

+ sobre o tema

Carta para a mulher que fui

Seu nome ainda me assusta e quando o escuto na rua...

Feminicídio: Delegado mata a mulher juíza em Perdizes, Zona Oeste de SP

Delegado mata a mulher juíza em Perdizes, Zona Oeste...

Após ofensas homofóbicas, Manny Pacquiao perde contrato milionário com a Nike

Não demorou. Por Rafael Nardini, do HuffPost Brasil Menos de dois dias após...

para lembrar

“Amor e Sexo”: morri e fui pro inferno

Recebemos inúmeros tweets e emails a respeito do programa...

Adriana Sousa ganha Prêmio Tese Destaque USP/2023

A pesquisadora Adriana Tolentino Sousa, Doutora em Educação pela Faculdade de...

Oi, tudo bem? Sou demissexual

São demissexuais as pessoas que só sentem atração sexual...

Pessoas trans hoje ocupam lugares inimagináveis, afirma deputada Erika Hilton

A deputada federal eleita por São Paulo Erika Hilton, do...
spot_imgspot_img

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...

Bebê nasce com o DNA dos dois pais no dia do combate à homofobia

Antonella nasceu em uma data simbólica e de resistência, 17 de maio, quando é celebrado o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia....

Proposta cria cadastro de condenados por violência contra a mulher; Câmara aprova urgência

A Câmara dos Deputados aprovou, na segunda-feira (27), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que cria o Cadastro Nacional de...
-+=