STJ aceita ação contra desembargadora que atacou Marielle e Wyllys

Enviado por / FonteDo Carta Capital

O Superior Tribunal de Justiça aceitou uma queixa-crime apresentada pelo deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) contra a desembargadora Marília Castro Neves, 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que pediu um “paredão de fuzilamento” em suas redes sociais contra o parlamentar.

Em despacho, a ministra Nancy Andrighi reconhece a queixa-crime contra a desembargadora pela prática do crime de injúria majorada. A magistrada determinou um prazo de 15 dias para Neves se manifestar sobre o caso. A intimação já foi disponibilizada ao Ministério Público Federal.  O advogado responsável pelo caso é o deputado petista Wadih Damous.

Em suas redes sociais, a desembargadora espalhou notícias falsas sobre a vereadora do PSOL Marielle Franco, assassinada em 14 de março, ao afirmar que ela estaria “engajada com bandidos”. Neves afirmou ainda que a parlamentar foi “eleita pelo Comando Vermelho”.

Em seguida, ao comentar uma outra publicação no Facebook, ela defendeu um “paredão profilático” para Wyllys. Ela disse que o parlamentar não valeria “a bala que o mate e o pano que limpe a lambança”, e ainda fez uma piada homofóbica em seguida. Após outro usuário afirmar que “quanto ao paredão, de costas, ele adoraria”, Neves afirmou: “Tenho dúvidas… o projétil é fininho”.

Histórico de agressões

Não é de hoje que a desembargadora utiliza as redes sociais para divulgar sua ignorância. Certa vez, ela tripudiou de uma professora portadora de síndrome de down. “O que será que essa professora ensina a quem??? Esperem um momento que eu fui ali me matar e já volto”.

Ela também costuma fazer pouco caso de questões como assédio sexual e direitos das minorias. Em 2015, ele criticou mobilizações relacionadas às pautas. “Assédio sexual é o quê? Paquera no trabalho???? Francamente!!!! Será que não temos nada mais importante pelo que lutarmos???? Uma pia de louça para lavarmos???”, escreveu. Na mesma publicação, questionou o que seriam as chamadas “minorias” e defendeu que as mulheres são “numericamente superiores aos homens”.

A desembargadora já afirmou também que o líder negro Zumbi dos Palmares é um “mito inventado”, que serviria para “estimular um racismo que o Brasil até então não conhecia”. 

Em outra oportunidade, já questionou em suas redes sociais o conceito de social-democracia. Ela disse que “custa a crer que seres letrados sequer considerem a existência disso”. Segundo ela, ou é social ou é democracia porque “socialistas veneram a ditadura”.

+ sobre o tema

Escolas chilenas terão livro sobre família de casais homossexuais

Em 2015, as crianças chilenas conhecerão a história de...

Exposição ‘1000 mulheres pela paz ao redor do mundo’ vem a Mato Grosso

A exposição nacional "1000 Mulheres pela Paz ao Redor...

Mãe Stella: O futuro a Deus pertence

Todo início de ano, que é entendido pela população...

Se trabalho doméstico fosse remunerado, mulheres ganhariam mais que homens, aponta estudo

A coluna do jornalista Ancelmo Goes publicou uma notícia...

para lembrar

“Olhos de azeviche” as vozes das mulheres negras brasileiras contemporâneas

"Olhos de azeviche" as vozes das mulheres negras brasileiras contemporâneas,...

Sesc promove, em março, o projeto Mulheria

Em celebração ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em...

Mulheres negras realizam marcha em SP na quarta (25)

Sob o eixo “Por nós, por todas nós e...

Quem foi bell hooks? Escritora e ativista morreu aos 69 anos

bell hooks era uma escritora e ativista que morreu...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=