Itaú é processado por impedir funcionária de deixar agência após sofrer aborto espontâneo

O Ministério Público do Trabalho em Palmas, no Tocantins, entrou com pedido de processo contra o banco Itaú S.A., acusado de praticar assédio moral. O Ministério Público pede uma multa de R$ 20 milhões por dano moral coletivo, após denúncias de excesso de serviços na empresa, que estaria ocasionando problemas físicos e psicológicos aos empregados.

 no 

Segundo denúncias do SINTEC-TO (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Estado do Tocantins), uma funcionária do banco teve aborto espontâneo durante o expediente e, mesmo ensanguentada, não pôde sair da agência até fechar a tesouraria, três horas depois do aborto. Ela ainda teve de guardar o feto em um saco plástico até ser liberada para ir ao hospital. Diversos funcionários disseram testemunhar o caso.

Depois de ir ao médico e ter direito a 30 dias de afastamento, ela só pôde descansar quatro dias.

Além desta situação, funcionários relataram pressão excessiva. Eles eram impedidos de almoçar e diversas vezes ficavam muito além do expediente, sem anotar as horas extras.

Depois de receber as denúncias, o MPT-TO está investigando o caso. “Os depoimentos colhidos são uníssonos e demonstram que a ré sobrecarrega seus funcionários com acúmulo de funções e carga excessiva de trabalho”, diz a procuradora Mayla Mey Friedriszik Octaviano Alberti, responsável pela investigação.

Segundo Mayla, os bancários são punidos até mesmo por ficarem doentes e que a “desastrosa gestão” do Itaú já ocasionou a perda da vida, “além de ameaçar outras que estão geradas em condições adversas decorrentes de pressão e estresse.”

Diante das acusações, o Ministério Público exige em ação civil o estabelecimento de metas compatíveis, pausa remunerada para descanso, o pagamento de horas extras com correção e a não perseguição de bancários ouvidos pelo inquérito.

A ação civil foi ajuizada na 1ª Vara do Trabalho de Palmas e a audiência marcada para 18 de junho. Procurado pelo Brasil Post, o Itaú não se posicionou sobre o tema até o fechamento da matéria.

+ sobre o tema

Rogéria morre aos 74 anos: O adeus da atriz que se intitulava ‘travesti da família brasileira’

Rogéria morre aos 74 anos. Artista estava internada em...

A ditadura do corpo ideal e o preconceito velado – Por: Amanda Nunes

“Com a estética, o sujeito entra em uma relação...

Legislativas em Portugal: O que quer Joacine Katar Moreira?

Pesquisadora do Instituto Universitário de Lisboa, 36 anos, criou...

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala será a primeira mulher africana a dirigir a OMC

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, de 66 anos, será a...

para lembrar

Luana Tolentino – professora e historiadora

Mulheres ousaram escrever, editar e publicar jornais exigindo sua...

EBC lança Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça no Rio

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) lançou hoje (28), no...

Mulheres se unem nas redes sociais para frear Bolsonaro

Grupo de discussão no Facebook atrai mais de meio...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=