Jamila Woods e a magia da mulher negra

Jamila Woods é uma poetisa, compositora e cantora de soul afro-americana natural de Chicago, Illinois. Sua linhagem musical inclui Erykah Badu, Imogen Heap, Kirk Franklin e Kendrick Lamar. Woods graduou na Brown University, onde concluiu o Bacharel em Artes em Estudos Africanos e em Estudos em Teatro e Atuação e, no ramo da música e entretenimento ficou conhecida por seu trabalho colaborativo na música Sunday Candy (abaixo), com o artista Chance the Rapper. Em Janeiro de 2016, ela passou a fazer parte de um selo de hip-hop independente de Chicago, o Closed Sessions. Ela também é a diretora artística associada da Young Chicago Authors, a organização sem fins lucrativos que está por trás do maior festival poético de rap do mundo: Louder Than a Bomb.Em seu mais recente trabalho, participa da surpreendente e polêmica música White Privilege II, que fala do movimento Black Lives Matter, projeto de Macklemore, que também escreveu e produziu a música Same Love, sobre a questão LGBT. Além disso, ela organiza o currículo escolar de escolas públicas de Chicago e ensina poesia para jovens da cidade.

blk girl soldier

Seu single “blk girl soldier” foi considerado, por vários críticos, uma ode à glória e à luta de toda e cada garota negra. Segundo o site BLAVITY, “essa música deveria ser tocada no volume máximo perto dos parquinhos, nos salões de beleza e no carro quando você estiver com a sua sobrinha nele”.

Com sua atenção voltada para as questões encaradas pelas mulheres negras nos Estados Unidos, essa música pode ser considerada tanto um grito de guerra por mudança, quanto uma celebração do que ela chama “Black girl magic” (magia da mulher negra).

Em entrevista para a revista Billboard, Woods diz que ela foi inspirada a escrever essa música por causa dos cantos de protesto que ela aprendeu na sua cidade natal. Produzida por Jus Cuze Saba, o single não faz rodeios em seu desfile triunfal, como mostram os versos de abertura. “Ela é telepata, chame isso de magia da mulher negra. Ela assusta o governo, deja vu de Tubman,” canta Jamila em clara referência à cultura negra nos Estados Unidos, ao voodoo e à Harriet Tubman, afro-americana abolicionista do século XIX.

blk girl soldier e Formation

Canções podem ser um bálsamo e uma chamada à ação. Estou interessada em descobrir como canções de liberdade vão soar em 2016. Minha esperança é que ‘blk girl soldier’ seja uma canção de liberdade para as mulheres negras que hoje estão lutando contra as micro e as macro agressões da vida diária em nossa cidade/país/mundo.

Enquanto Beyoncé, que em Formation, apesar de reinvidicar Malcolm-X, os Panteras Negras, o voodoo e Nova Orleans, também reinvidica o consumo, o dinheiro e o capitalismo para os negros, e faz referência a Bill Gates como mostramos nesse artigo, Jamila Woods, em “blk girl soldier”, invoca nomes de guerreiras da liberdade e lendas da cultura negra ao cantar “Rosa [Parks] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar/Ella [Fitzgerald] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar/Audre [Lorde] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar/Angela [Davis] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar/Sojourner [Truth] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar/Assata [Shakur] foi uma guerreira da liberdade e ela nos ensinou a lutar”.

A cantora também faz menção a problemas atuais, como a ausência de negr@s no Oscar [“A câmera nos ama/o Oscar não.”], e o padrão de beleza eurocêntrico [“Olhe o que eles fizeram com as minhas irmãs/No século passado, na semana passada/Eles as fazem odiar sua própria pele/Tratando-a como um pecado.”] e o histórico de escravidão, segregação racial e luta dos negr@s norte-americanos [Olhe o que eles fizeram com as minhas irmãs/No século passado, na semana passada/Eles colocaram o corpo dela em uma jarra e a esqueceram/Eles amam como isso se repete.”].

Ouça a música. Ouça de novo. Ouça todos os dias.

Na sua música, sua história de vida e seus projetos, Woods se coloca na mesma linhagem de Erykah Badu, Nina Simone, Tracy Chapman e outras compositoras e artistas lendárias que usaram seus títulos para serem revolucionárias tanto na música quanto no mundo. “blk girl soldier” não sacrifica seu funk para trazer uma mensagem.

Eu fui hipnotizada pela magia negra de Jamila Woods e por sua voz. E fortificada e motivada a, como a cantora diz, enfrentar as micro e as macro agressões da vida diária com esse hino e com a magia que existe em nós, mulheres negras.

Ouça a música. Ouça de novo. Ouça todos os dias.

Conheça mais sobre o trabalho de Jamila Woods em seu site oficial: http://www.jamila-woods.com

+ sobre o tema

Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em São Paulo

O livro “Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em...

Luedji Luna e DJ Nyack lançam EP de releituras com participação de rappers

Zudizilla, Tássia Reis, Rincon Sapiência, Djonga e Stephane MC...

Autora negra antecipou o abolicionismo na literatura brasileira em 1859

"Sei que pouco vale este romance, porque escrito por...

para lembrar

Celebra a Nigéria 50 aniversário de sua independência

Abuja, 1 out (Prensa Latina) Nigéria celebra hoje...

Manifesto Crespo: tecendo arte e história nos cabelos

Afinal, existe cabelo ruim? Vez ou outra os negros...

Ramires aproveita folga forçada para celebrar aniversário de 1 ano do filho

Ex-cruzeirense deve voltar ao time do Chelsea no próximo...

Beyoncé revela que está em estúdio e vai lançar músicas novas em breve

A cantora Beyoncé animou os fãs ao revelar que...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...
-+=