Janeiro branco e as demandas pretas

A típica frase: “Ano novo, vida nova” nunca foi tão descontextualizada considerando as experiências pandêmicas começadas em 2020. Quiséssemos que ao final da contagem regressiva o vírus fosse exterminado automaticamente ou que uma vacina fosse a primeira dose “tomada” no lugar do gole de espumante. 

Mas é a vida real e falamos de sobrevivência e, para os negros, a pandemia do Covid-19 veio como agravante às diversas lutas desiguais diárias. E por isso, é indispensável, no mês de janeiro ao pensar a saúde mental e emocional das pessoas, dar enfoque mais acentuado à população preta pela somatização aguda de sintomas oriundos das mais diversas carências e ausências de condições sociais e psicológicas negadas e não garantidas a essa população, além do racismo de cada dia.

Fosse simples na prática(re)escrever uma história como propõe o cerne contextual de um novo ano que inicia, para os negros funciona diferente, pois sempre  falta o que de fato os diferencia dos demais indivíduos: oportunidade equitativa nos diversos setores e segmentos sociais.

Negros são pessoas reais, mas que em sua grande maioria, parecem personagens a encenar constantemente um mesmo filme a exemplo de mulheres negras que começam o ano desempregadas ou voltam aos trabalhos subalternos e sem perspectiva de crescimento. Negros que têm sobre os ombros o peso do esgotamento profissional por terem sempre que render mais que brancos e até que a própria força física e mental para provar suas capacidades, acrescido à sua bagagem atos racistas. 

Pais negros endividados, não pelas festas de fim de ano, mas por serem os primeiros na lista dos demitidos. Os que vivem a angústia junto dos filhos que buscam sem sucesso o primeiro emprego ou não consegue  ingressar na faculdade almejada, por não poderem se dedicar em tempo integral aos estudos, em virtude do trabalho, e optam por uma segunda opção quando conseguem ingressar, pois muitos precisam trocar a caneta pela picareta e se entregar ao trabalho braçal como forma de sobrevivência sem outras expectativas. 

E o que dizer dos guerreiros na linha de frente contra o Covid-19 nos serviços essenciais da saúde e outros segmentos que mesmo em meio ao caos não estão isentos do racismo e de preconceitos, além de não terem em muitos casos as garantias necessárias de proteção de suas vidas e estarem esgotados fisicamente, destruídos mental e emocionalmente, precisam suportar o bombardeiro biológico em meio ao caos social.

Esse cenário, com ou sem pandemia, requer investimento estratégico na saúde mental e emocional a partir de um novo olhar frente aos diferentes critérios excludentes e desumanos que diferem os negros. E uma certeza precisa ecoar nas famílias, instituições educacionais, sociais e autoridades em geral, num ato coletivo: o cuidado com a saúde mental e emocional com start na infância e no cuidando de todas as esferas responsáveis pela formação plena e de base especialmente das nossas crianças pretas, pois as experiências que as definem como adultos mental e emocionalmente saudáveis ou totalmente enfermos, tendo como resultado doenças físicas graves e muitas vezes irreversíveis, são gestadas na infância e incidem ao longo de toda sua vida, portanto, investir na base é tudo!

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Os estados do Nordeste não são os mais racistas

Capa do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira...

Lei de cotas faz 10 anos: ‘resultados são muito positivos’

Ricardo Henriques faz uma análise do sistema de cotas...

Publicações rejeitam lei antirracista alegando que medida ameaça liberdade de expressão

Publicações rejeitam lei antirracista alegando que medida ameaça liberdade...

para lembrar

Alerta: Quem é o brasiliense responsável pelo site que inspirou ataque em Suzano

Homem que ameaçou um atentado na UnB, onde estudou,...

Fundo de Bolsas para Equidade Racial do Singularidades

Não acreditamos que é possível mudar o Brasil sem...

Péricles diz que sucesso na música trouxe respeito a ele: ‘Homem negro e gordo’

O cantor Péricles está ativo na música desde os...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=