Juiz e promotor do caso Janaína atuaram na esterilização de outra mulher em Mococa

Diagnosticada com “retardo mental moderado” e considerada “incapaz”, jovem de 23 anos também foi submetida à cirurgia de laqueadura

Por Felipe Martins Do Revista Fórum

Foto: Reprodução/ Revista Fórum

A esterilização de Janaína Aperecida, mulher pobre em situação de rua, não foi a primeira realizada a pedido do promotor, Frederico Barrufini e determinada pelo juiz Djalma Moreira Gomes em Mococa, interior de São Paulo. Em fevereiro de 2017, uma outra mulher também foi submetida à cirurgia de laqueadura em processo com ação dos mesmos promotor e juiz. A notícia foi publicada nesta terça-feira na ‘Folha de São Paulo’.Na última sexta-feira, o repórter Lucas Vasques, da Fórum, trouxe a confirmação de que o procedimento de esterilização foi realizado contra a vontade de Janaína

O caso anterior envolve Tatiane Monique Dias, 23 anos, interditada “por ser absolutamente incapaz”. No processo consta que a jovem foi diagnosticada com “retardo mental moderado”. Apesar disso, a decisão judicial levou em consideração um documento assinado por ela em que se diz “ciente e de acordo” com a cirurgia.

No processo, o promotor Barrufini diz que Tatiane “já teve dois filhos” e por viver com o pai das crianças “tende a ter nova prole, pois não tem condições de avaliar as consequências da gestação”. O promotor pediu “tutela de urgência”, uma vez que, segundo ele, a jovem estava internada para o parto do segundo filho e “apta para que a laqueadura tubária seja realizada imediatamente”.

Ao conceder sentença favorável à esterilização, o juiz Djalma Moreira Gomes afirmou que a jovem “manifestou interesse em realizar a cirurgia de laqueadura” e que não reunia condições de “cuidar e educar os filhos”, uma vez que a filha mais velha ficava sob os cuidados da avó materna.

A Defensoria Pública tentou intervir para impedir a realização da cirurgia em Tatiane. Um advogado do órgão alegou que o procedimento não é permitido por lei “durante os períodos de parto”. No entanto, o juiz confirmou a sentença.

Janaína foi esterilizada contra a vontade

O promotor e o juiz são investigados pela corregedoria do Ministério Público Estadual no caso da mulher em situação de rua Janaína Aparecido Quirino, submetida a uma cirurgia de laqueadura compulsória, contra a vontade dela. A Fórum teve acesso aos autos do processo. No texto, o Ministério Público diz objetivamente que Janaína deve ser submetida à força ao procedimento de esterilização.

Na página 50, o documento do Ministério Público endereçado ao juiz diz o seguinte: “Compulsando os autos, verifico que, de acordo com o Departamento de Saúde do Município, Janaína não compareceu voluntariamente à consulta ginecológica agendada (fls. 44/46). Ora, em se tratando de ação que visa à realização de cirurgia de esterilização compulsória, a resistência da requerida era esperada, motivo pelo qual foi pleiteado pelo Ministério Público e determinada liminarmente a realização de cirurgia de laqueadura, a qual deve ser feita mesmo contra a vontade da requerida. Caso contrário, nem seria necessário o ajuizamento de ação judicial”.

O caso deixou estarrecido o jurista e professor de Direito Constitucional Pedro Serrano, ouvido pela reportagem. Ele não tem dúvidas ao definir a atitude do MP e da Justiça em Mococa como análoga ao praticado pelo nazismo.

“Que eu tenha visto, essa é a decisão da Justiça brasileira que mais se aproxima do que se fazia na época do nazi-fascismo. É o tratamento do ser humano como ser não humano. Ela foi tratada como uma pessoa desprovida de condição mínima de proteção jurídica e política, a que faz direito qualquer ser humano.

Eu insisto: me estarrece o silêncio da mídia, de quase todos os partidos, inclusive de esquerda, e dos movimentos sociais a respeito desse tema. Mostra a realidade: uma pessoa pobre, que não seja ligada a nenhum movimento político, está sujeita a ser tratada de uma forma não humana, sem que ninguém se queixe, sem ter

+ sobre o tema

Intelectuais e ativistas feministas publicam chamado à greve geral das mulheres

O manifesto "Por uma greve internacional militante no 8...

De estrelas e putas vidas

Talvez pouca coisa seja mais reveladora da hipocrisia e...

As mulheres e o feminismo: Por Rose Zanardo

O conceito de feminismo parte do princípio de que...

Poeta Mel Duarte lança livro de poemas traduzido para o espanhol em Madrid

Obra “Negra Nua Crua” será lançada na capital da...

para lembrar

Até quando vai durar esse extermínio ao povo preto, favelado e pobre? – por Sheila Dias

"Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo...

Oi terá que indenizar funcionária em R$ 20 mil por discriminação sexual

A Telemar, detentora da marca Oi, terá de indenizar...

Elza Soares: a voz do feminismo negro representado na canção “Mulher do fim do mundo”

Ninguém esquece: dia 22 de janeiro de 2022 calou-se...

Aluno da USP diz ter sido estuprado por 8 colegas

A Polícia Civil do Estado de São Paulo investiga...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=