Juliana Alves sofre ataque racista em sua página no Facebook: “É uma questão que está presente desde sempre no Brasil”

Na infância e adolescência, Juliana Alves sofreu bulling na escola por causa de seus cabelos afro. Recentemente, em sua página oficial no Facebook, ela recebeu mensagens racistas. Mas ao invés de divulgar esses episódios agressivos, a atriz optou por levar os casos à justiça e continuar olhando a vida de maneira positiva. “Sou da filosofia de não reproduzir, para não reforçar isso. Quando aconteceu (o racismo) na minha fan page, optei por levar a justiça e fazer uma reunião com a ONG Criola, onde trabalhava, e pensar formas de pressão, no Ministerio Público, para que essa questão fosse tratada com mais rigor pela policia”, contou ela.

no Revista Quem

juliana alves

“O racismo é uma questão que está presente desde sempre no Brasil. A diferença é que antes era uma questão velada. Agora, com todos esses acontecimentos, as pessoas começaram a pensar: ‘Perai, isso é uma questão, isso tem que ser falado’. Se existe esta diferenciação, uma compensação do valor histórico que deixa os negros em desvantagem no mercado de trabalho ou na educação, é porque realmente isto tem outras consequências e implicações. E isso eu sempre vivi, e tenho certeza que todas as atrizes, as pessoas famosas, já passaram por isso a vida inteira”, disse ela, sobre os recentes atos de racismo contra a cantora Preta Gil, a atriz Taís Araújo e até com a medalhista olímpica, Rafaela Silva.

“O que eu acho bom? Porque tudo tem um lado bom. Você só consegue resolver um problema quando aceita que ele existe. Agora, a gente está concordando que o racismo existe. Temos um problema sério no Brasil que precisamos mudar. Isso me dá uma esperança. Apesar de serem episódios terríveis de ignorância explícita, espero que as pessoas vejam esses exemplos como algo muito ruim e que a gente tem que deixar para trás. Temos que pensar formas de superar isso: através da educação, da cultura”, completou ela.

+ sobre o tema

O mito do negro passivo cai por terra

O pesquisador Richard Santos, no artigo O negro objetificado na...

Quando o refugiado é branco europeu

"A cobertura mais racista da Ucrânia na TV" foi...

Queremos uma presidenta em 2022!

"Aprendemos a administrar a escassez e, como Cristo, temos...

‘Elvis Presley era racista, eu nunca trabalharia com ele’, afirma Quincy Jones

O lendário produtor Quincy Jones revelou em entrevista ao...

para lembrar

Intolerância religiosa: a livre expressão do racismo brasileiro

No Rio de Janeiro, umbandistas do Centro Espírita Irmãos...

Racismo na França, diversidade cosmética

Por Pedro Chadaverian, Sociólogo franco argelino sustenta: banido...

Educação em Portugal “não ultrapassou as desigualdades criadas pelo racismo”

A recém-criada Djass-Associação de Afrodescendentes organiza debate onde serão...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=