Jurema Werneck: Menin@s eu (não) vi!

Era a abertura do Encontro Iberoamericano do Ano Internacional dos Afrodescendentes realizando-se em Salvador, Bahia. No grande auditório, mais de duas mil pessoas, negr@s principalmente, mas também branc@s e indígenas. Todas e todos ativistas e autoridades diplomáticas e governamentais de países iberoamericanos reunidos para mais um dos momentos que marcaram o Ano Internacional e, principalmente, os dez anos dos acordos mundiais contra o racismo, xenofobia e intolerâncias correlatas firmados na África do Sul, na cidade de Durban, em 2001. Em Salvador, brasileiros e brasileiras eram a maioria, lideranças das mais diversas organizações e correntes do Movimento Negro, de todas as tendências, de todas as perspectivas. Nesta cerimônia de abertura e diante Secretário Geral Enrique Iglesias, do Embaixador e ex-ministro da cultura do Brasil Juca Ferreira, do governador da Bahia Jaques Wagner, e de outras autoridades nacionais e internacionais, a Ministra Luiza Bairros foi aplaudida de pé durante longos minutos por todas e todos. Eram mais de duas mil pessoas ovacionando a dirigente da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial antes mesmo que ela pronunciasse seu discurso. Uma recepção calorosa que dizia muito: era o reconhecimento de seus esforços frente à Seppir. Era também, e fundamentalmente, um forte recado, expresso em alto e bom som, para que a presidenta Dilma e algumas vozes descontentes da base do governo ouvissem: o Movimento negro brasileiro e seus aliados nos países ibero-americanos não estão dispostos a abrir mão da Seppir e tampouco de sua dirigente.

por Jurema Werneck para o Portal Geledés

Foi um momento emocionante, reconfortante, um momento que reafirmou a convergência do pluralíssimo Movimento negro brasileiro – mulheres, homens, juventude, religiosos de matriz africana e cristãos, LGBT, rurais, quilombolas, trabalhadoras domésticas e tantas correntes mais – em torno da conquista que a Seppir representa e que a Ministra Luiza Bairros lidera e simboliza (ela mesma uma ativista de longa data neste Movimento).

Mas, curiosamente, não vimos nenhuma repercussão deste momento na grande mídia. Também não vimos repercussão à altura da emoção vivida na noite daquele mesmo dia, na Câmara Municipal da Cidade de Salvador, onde a Ministra Luiza Bairros foi ovacionada pela segunda vez, num outro auditório repleto de gentes de várias partes do mundo, ativistas do Brasil, de vários países ibero-americanos e da África, quando recebeu a Medalha Zumbi dos Palmares.

Daí a grande surpresa de ver, no dia seguinte, em jornal de ampla circulação nacional, notícia anunciando um suposto descontentamento do Movimento negro com a Seppir, e uma suposta reivindicação dirigida à presidenta de que substituísse a ministra Luiza Bairros.

Esqueceram de combinar conosco que estávamos em Salvador, integrantes e dirigentes das mais variadas correntes e organizações nacionais do Movimento negro, que estávamos lá aplaudindo e comemorando, debatendo e reivindicando, mas ao lado da Seppir e de sua chefe.

+ sobre o tema

A visão política e social da música Reggae

Os amantes do reggae e interessados em mais conhecimentos...

Representante de Chris Brown confirma novo dueto com Rihanna

Representante de Chris Brown confirma novo dueto com Rihanna. Após...

Principais candidatos à presidência do Quênia votam e pedem eleição pacífica

Os dois principais candidatos à Presidência do Quênia,...

O livro ‘Domingos Sodré, um sacerdote africano’

História e Outros Assuntos: “Domingos Sodré, um sacerdote africano” Nesta...

para lembrar

Andrade é homenageado em Juiz de Fora

Andrade recebeu uma homenagem da Câmara Muncipal de Juiz...

Coronavírus: o que está por trás da aparente resistência da África à pandemia

Embora os especialistas alertem que ainda é muito cedo...

‘Pantera Negra: Wakanda para sempre’ tem estreia de US$ 330 milhões nos cinemas mundiais

A aventura dos estúdios Marvel "Pantera Negra: Wakanda Para Sempre" arrecadou...
spot_imgspot_img

BH recebe suas primeiras estátuas de mulheres negras

A filósofa Lélia Gonzalez (1935-1994) e a escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977) foram eternizadas na cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Desde...

Filme mostra busca por memória negra e indígena na luta pela independência do Brasil

Nesta quinta-feira (4), estreia o documentário “2 de Julho: A Retomada”, que relembra as lutas que consolidaram a Independência do Brasil com a expulsão...

Itamar Vieira Junior estreia nos livros infantis com trama de crianças trabalhadoras

"O público infantil não deve ser poupado de conhecer essa realidade", afirma Itamar Vieira Junior que em seu primeiro título infantojuvenil, "Chupim", quer direcionar o olhar atento...
-+=