Justiça anula condenação de feminicídio que originou ‘Ni Una a Menos’ na Argentina

Enviado por / FonteFolha de São Paulo

Tribunal considerou tempo de pena inconstitucional por assassino ser menor de idade à época

A Justiça argentina anulou nesta sexta-feira (11) a condenação de Manuel Mansilla pelo assassinato de sua namorada Chiara Paéz, em maio de 2015. O feminicídio foi o estopim para o surgimento do movimento “Ni Una a Menos” contra a violência de gênero, que chegou a outros países da América Latina.

Naquele momento, a população argentina assistiu estarrecida a 15 assassinatos de mulheres em menos de três meses —um a cada seis dias—, cujos autores eram, em sua maioria, parceiros das vítimas.

A Corte Suprema da província de Santa Fé anulou a condenação e ordenou novo julgamento do caso por considerar que o tempo de pena de 21 anos e 6 meses de prisão determinada para Mansilla era inconstitucional. Isso porque ele tinha 17 anos e, portanto, era menor de idade na época do crime.

Na prática, a decisão também reduz a condenação possível num novo veredicto, que não poderá ultrapassar 15 anos.

Mansilla confessou o crime à época. Chiara tinha 14 anos e estava grávida de oito semanas quando foi espancada até a morte pelo namorado. O corpo da jovem foi encontrado enterrado no quintal da casa dos avós do rapaz, na cidade de Rufino, a cerca de 500 quilômetros de Buenos Aires.

A pena agora anulada havia sido determinada em 2017, quando o movimento que seu crime originou já completava mais de dois anos.

Menos de um mês após o assassinato de Chiara, convocações para manifestações viralizaram nas redes sociais e levaram milhares de mulheres às ruas da Argentina. Mais tarde, os protestos contra a violência de gênero transbordaram para outros países latino-americanos, como Chile, México e Uruguai.

O 3 de junho ficou marcado desde então como um dia de marchas contra a violência de gênero em vários países, dando origem ao movimento “Ni Uma a Menos” —que passou a incorporar outras pautas feministas, como o direito ao aborto.

Só em 2021, foram 256 feminicídios registrados na Argentina, segundo dados compilados pela organização civil Ahora Sí Que Nos Ven.

Entre as vítimas, 42 tinham feito denúncias anteriores contra os agressores e 24 dispunham de medidas judiciais de proteção, como botões antipânico e restrições de proximidade.

+ sobre o tema

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

Bolsonaro vira réu por falar que Maria do Rosário não merece ser estuprada

Deputado disse que ela é 'feia'; ele responderá por...

Nota de repúdio: Basta de violencia contra a mulher

Nós do Centro de Defesa e Convivência da Mulher...

Tribunal de Justiça de SP lança programa para homens envolvidos em violência doméstica

Reflexivo e educativo, grupo pretende fazer com que homens...

para lembrar

Mãe, a culpa é sua

Desde segunda-feira, 2, circulam pelas redes sociais alguns links,...

Grupo Mulheres do Brasil destaca importância de falar sobre racismo

O Comitê de Igualdade Racial do Grupo Mulheres do Brasil lança...

Moda escrava: mulheres são maioria em trabalho indigno na área têxtil em SP

No ano passado, 139 pessoas foram resgatadas em condições...
spot_imgspot_img

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apesar de serem maioria, há menos de um século  elas...

De 2,1 milhões inscritos no concurso público nacional, 56% são mulheres e maioria está na faixa até três mínimos

O Concurso Público Nacional Unificado (CPNU), também chamado de “Enem dos concursos”, teve 2.144.435 inscrições confirmadas, sendo 1.543.560 pagantes e 600.875 isentos. De acordo...

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso, é necessário que tenham entre 17 e 27 anos, não sejam casadas e não tenham...
-+=