Justiceiros assassinaram com 20 tiros um homem que era inocente

 

A acusação não comprovada de estupro de três enteadas teria sido o motivo para que justiceiros, provavelmente moradores do bairro de Ilha dos Aires, em Vila Velha, no Espírito Santo, assassinassem o auxiliar de serviços gerais Marcelo Pereira da Silva, de 31 anos. Ele foi morto a tiros, na manhã de sábado, um dia depois de ter sido acusado de abusar das crianças. Segundo a polícia local, que ainda neste domingo buscava o responsável pelos disparos, a notícia que motivou o assassinato não é verdadeira. Segundo a polícia civil, as meninas – de 11, 10 e três anos – foram submetidas a exame no Departamento Médico Legal (DML), “que não comprovou o estupro”, segundo o site de notícias Plantão Brasil.

“Marcelo já havia sido agredido por moradores do bairro na quarta-feira, quando sua ex-namorada, mãe das crianças, denunciou o abuso. Na ocasião, foi socorrido pela polícia militar e liberado depois que o laudo não comprovou o estupro. No entanto, na manhã de ontem, homens armados quebraram o portão da casa da atual namorada da vítima, subiram até o segundo andar da residência, invadiram o local e executaram Marcelo com mais de 20 tiros. Em seguida, eles saíram do local correndo”, escreveu o site.

 

Familiares afirmam que o auxiliar era inocente da acusação de abuso. De acordo com a mãe da vítima, a dona de casa Rosalina da Silva, a ex-namorada do filho o procurou na manhã de quarta pedindo para ele tomar conta das enteadas de 11, 10 e três anos, enquanto ela trabalhava. O auxiliar de serviços gerais teria chamado a atenção da menina mais velha, que não teria gostado. Ele levou as crianças até a escola e depois foi para a casa da mãe, no mesmo bairro. Na escola, a garota disse aos colegas de turma que o padrasto havia estuprado ela e as irmãs, enquanto a mãe estava fora. As crianças foram até a professora e contaram o que tinham ouvido. A mulher então, avisou a diretora da escola, que acionou o Conselho Tutelar.

– Depois disso, a fofoca se espalhou pelo ar e todo mundo do bairro já estava sabendo – contou a mãe de Marcelo.

As meninas foram levadas para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vila Velha, e de lá, encaminhadas para exames de conjunção carnal, no Departamento Médico Legal. Depois de medicado – após ser agredido por populares – Marcelo também foi para o DPJ. Segundo a Polícia Civil, ele permaneceu no local até de madrugada, quando por volta das 4 horas foi liberado, após o resultado do exame médico comprovar que as meninas não haviam sofrido abuso. Foi assassinado horas depois.

 

 

Nós, os humanos verdadeiros – por Eliane Brum

Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

 

Os justiceiros são um sinal de alerta para a sociedade carioca

 

 

 

Fonte: Correio do Brasil

 

 

+ sobre o tema

I Mostra Audiovisual do Museu da Pessoa – (Entre)vivências negras

O Museu da Pessoa, entidade cultural sem fins lucrativos,...

Entidade pede investigação de ação da PM em reunião de rappers no ABC

Polícia usou bombas de gás para dispersar 'batalha de...

Cristiano Ronaldo participa de campanha da UEFA contra o racismo

  Desde o dia 1 de junho, a UEFA tem...

para lembrar

Grupo varre a internet à caça de racismo e preconceito contra domésticas

Criada para denunciar manifestações preconceituosas na rede, a comunidade...

Diouf é acusado de racismo contra gandula no Campeonato Inglês

Fonte: Globo Esporte -   O meia-atacante senegalês...

Um país doente de realidade

O Brasil é um país "doente de realidade". A...

“O negro não é. Nem tampouco o branco”

O texto publicado pela escritora Cintia Moscovich no jornal...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=