Lançados relatório da Comissão Tripartite e revista do Observatório da Igualdade de Gênero

Foi apresentado nesta quinta (17/12), no auditório da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), em Brasília, o relatório final da Comissão Tripartite  composta por representantes do executivo, do parlamento e da sociedade civil e, instituída pela Secretaria para elaborar proposta de revisão da Lei Eleitoral. A Comissão também produziu o Anteprojeto de Lei para ampliar a participação política das mulheres, cujas principais propostas foram apresentadas na ocasião.

A mesa de trabalhos foi composta pela ministra Nilcéa Freire, da SPM, pela deputada federal Rita Camata (PSDB-RS), por Patrícia Rangel do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), e Liége Rocha, do Fórum Nacional de Instâncias de Mulheres dos Partidos Políticos. A apresentação do trabalho da Comissão Tripartite foi realizada pela diretora da Subsecretaria de Articulação Institucional  da SPM, Elisabete Pereira.

Para Nilcéa Freire, o anteprojeto produzido pela comissão é o que se quer para o futuro. “Portanto, tem a marca do sonho”, disse. Ela lançou, ainda, o primeiro número da Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero que traz artigos e reportagens sobre mulher e poder; mulher nos espaços de decisão e na política, cotas eleitorais, enfrentamento à violência e impactos da crise sobre a vida das mulheres, entre outros temas.

“A publicação é um auxílio para a formulação de políticas públicas e projetos, no parlamento, além de espelhar o que o Observatório pretende se tornar, ou seja, um ponto de interlocução entre todas as instâncias e pessoas que refletem acerca das desigualdades de gênero e atuam no sentido de mudar tal realidade”, afirmou a ministra.

Democracia – De acordo com a deputada Rita Camata, a Comissão Tripartite realizou um importante trabalho a várias mãos. “E cumpriu um papel fundamental para o exercício da democracia, apontando elos que devem aprimorar o processo político-eleitoral e a formulação de políticas públicas que incluam mais espaços de poder para as mulheres”, disse.

Patrícia Rangel, do Cfemea, considera que a Comissão teve atitudes radicais e feministas, além de femininas. “Não podemos acreditar que a sub-representação feminina na política é de responsabilidade da mulher ou motivada por suas características pessoais. É, sim, fruto de um sistema patriarcal e de um sistema político que opera em torno dos homens”, alertou.

Para Liége Rocha, a Comissão Tripartite cumpriu uma difícil missão. “Mas agora precisamos garantir que o que foi conquistado, que não é o ideal, mas foi o possível, seja cumprido”, lembrou.

Participaram também do evento a representante do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (UNIFEM) Brasil e Cone Sul, Rebecca Reichmann Tavares Rebeca Tavares, Jaciara Melo, do Instituto Patrícia Galvão, Nila Iraci, do Instituto da Mulher Negra – Geledés e Diana Costa, do Pnud.

{rsfiles path=”tripartie” template=”default”}

+ sobre o tema

Igualdade de gênero e 5 paródias que eliminam as barreiras entre o humor e a política

Feministas estão lutando pela igualdade factual entre homens e...

América Latina é a região mais letal para as mulheres

Brasil, três mulheres são assassinadas por dia, enquanto o...

Como envelhecem as feministas?

Mulheres que ajudaram a construir o movimento feminista no...

Pernambuco tem o maior número de crimes violentos contra população LGBTQIA+ do Brasil

A brutalidade do caso de Roberta Nascimento Silva, travesti...

para lembrar

Polícia estoura clínica de aborto e prende 10 no Rio

Policiais civis da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra...

Metade de vítimas de estupro tem até 14 anos e foi violada por parente

Os dados de estupro no Brasil são claros: mais...

“A cozinha é a guardiã das memórias, dos segredos”, compartilha Conceição Oliveira

Algumas histórias sobre os saberes e fazeres dos povos...

A vida como não deveria ser

- Mamãe! Mamãe!- Que é minha filha?“- Nós não...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=