sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioQuestões de GêneroMulher NegraLançamento do Selo Sueli Carneiro traz vozes de mulheres quilombolas, em coletânea...

Lançamento do Selo Sueli Carneiro traz vozes de mulheres quilombolas, em coletânea de artigos inéditos

No próximo dia 24, às 17h, vamos assistir ao lançamento da obra  Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas, que retrata os saberes, vivências e resistências de 18 mulheres de vários quilombos do Brasil. O livro foi lançado pelo Selo Sueli Carneiro, organizado por Selma Dealdina dos Santos e coordenado por Djamila Ribeiro. O lançamento on-line vai ser transmitido pelas redes da Conaq e da editora Jandaíra.

São co-autoras: 1. Ana Carolina Fernandes, 2. Sandra Maria Andrade, 3. Selma Dealdina, 4. Cida Sousa, 5. Vercilene Dias, 6. Débora Lima, 7. Carlidia Pereira, 8. Givania Maria da Silva, 9. Cida Mendes, 10. Valéria Pôrto, 11. Nilce Pontes, 12. Dalila Martins, 13. Cleide Cruz, 14. Jane Oliveira, 15. Amaria Campos, 16. Andreia Nazareno, 17. Gessiane Nazário, 18. Mônica Borges

Acesse aqui o release da Editora Jandaíra

Adquira o seu exemplar com preço especial de pré-lançamento

A Editora Jandaíra Listou 5 Motivos Para Se Adquirir A Obra

  •  Entenda a realidade dos quilombos no Brasil e a sua luta por direitos básicos pelo olhar das mulheres quilombolas;
  • Conheça os quilombos brasileiros e sua relação com a ancestralidade;
  •  Decolonize seu olhar em temas como agroecologia, proteção das sementes e, defesa do meio ambiente;
  •  Saiba mais sobre a luta das mulheres quilombolas contra a violência doméstica;
  •  Conheça os desafios das mulheres quilombolas na academia.

Confira O Depoimento Das Co-Autoras Que Já Receberam Os Seus Exemplares

blank
Reprodução/Instagram

Selma Dos Santos Dealdina – Organizadora
Chegouuuuuu

Plantei árvores, optei por não ter filhxs e escrevi um livro…

Só não está completo porque minha mãe não está mais nesse plano, porque assistimos tudo do pouco que conquistamos indo pra vala.

Eu e minha mãe conversávamos tanto sobre esse livro, como seria o lançamento.

E concluir esse livro foi dolorido, com muitas lágrimas e sem a presença da minha mãe.

Um sonho realizado proporcionado por @djamilaribeiro1 que ao voar, abre suas asas a muitas de nós que trabalhamos incansavelmente na invisibilidade.

Perdi duas vezes o prazo para enviar o texto e @djamilaribeiro1 como minha irmã que é estendia por mais algum tempo, até que em 3 anos aqui está, narrativas coletivas, que apresentamos a vocês.

Gratidão a Djamila Ribeiro, @brennotardelli, @elidalauris, @editorajandaira @lizandramagon por acreditar, trabalho, dedicação e por estender nossa voz.

Gratidão as autoras que embarcaram nessa jornada de busca, paciência e conhecimento coletivo que tanto pregamos e poucos colocamos em prática Amaria Campos, @anacarolaraujofernandes, Dona Cleide, @andreianazarenodos @carlidia.almeida @dalilarmkalunga @debora_limag @gessianenazario @cida_3089 @mariaaparecidamendes75 @monica_moraesb @nilcepontespereira @janeoliveira9865 @vercikalunga @porto6039 e as nossas mais velhas que devemos todo respeito que abriram caminho pra nós @sgivania @sandraquilombola

Uma honra está no Selo @carneiro956, Sueli é nossa griôs.

Uma honra ter minha irmãs de luta quilombolas que tantos nos honra @flaviaol @nilmalino13

Meu choro é um misto de saudade, dor, alívio, alegria e de sensação de dever cumprido, temos muito a dizer poucos nos escutam, temos muito a dizer para essa sociedade que sempre quis nos calar.

Esperamos vocês dia 24 de outubro as 17h nas redes sociais da Editora Jandaíra, CONAQ para esse momento histórico, empoderador, protagonista das mulheres quilombolas.

Não vamos ceder um centímetro, não vamos retroceder, não vamos admitir nenhum quilombo a menos!


blank
Reprodução/Instagram

Sandra Maria da Silva Andrade – Co-autora
Mulheres Quilombolas territórios de existência negras femininas

Coordenado por @djamilaribeiro1 no selo @carneiro956 pela @editorajandaira


blank
Reprodução/Instagram

Débora Gomes Lima – Co-Autora
É real!

Há 1 ano e 5 meses eu, Amária Sousa e Cida Sousa fomos convidadas para escrever um Capítulo que possivelmente iria entrar em um Livro Organizando pela @selmadealdina, à convite da @djamilaribeiro1 e assim fizemos, e hoje temos o livro em mãos, com nossos nomes e nossa escrita, nós assim como as outras companheiras Quilombolas que escreveram esse livro não estávamos sozinhas na escrita, todas as demais mulheres da Comunidade esteve conosco, cada linha foi pensada no todo, porque somos uma Comunidade, pensamos nas que estão, nas que estiveram e nas que ainda virão. Esse livro tem uma simbologia enorme, nossas matriarcas e ancestrais não puderam ser ouvidas, e hoje temos um livro falando sobre nós e o melhor que nós construímos, ele é histórico, ele é ancestral, ele é revolucionário, ele é uma parte do Quilombo recheado de memórias e resistência e agora vocês tem ele de forma física. Temos conquistado espaços. Uma das característica desse livro que me deixa tão feliz foi que a Djamila em momento algum interviu na escrita, ficamos livres para falar de nossas lutas, resistências e existência sem as amarras academicistas que mesmo que necessária as vezes nos limita e nos faz falar a língua do colonizador, mas nesse livro estão as escritas como gostaríamos/gostamos de ser retratadas.

Obrigada a cada pessoa que esteve conosco desde o início, todas as mulheres Quilombolas que nos inspira, desde as nossas mais velhas até as mais novas, obrigada cada amigo, familiar, minha namorada e em especial a Comunidade, que até então veio sofrendo apagamento e agora estamos nos livros. Nossa resistência vai para além do Território!

Orgulho e admiração por cada uma das companheiras que escreveram para o livro, agora somos escritoras das nossas histórias.


blank
Reprodução/Instagram

Maria Aparecida Ribeiro De Sousa – Co-Autora
É real!

Há um ano mais ou menos eu foi convidada para escrever um capítulo ou frase para livro organizado pela Companheira Quilombola Selma Dealdina , à convite da Djamila Ribeiro, e assim fizemos , e hoje tenho meu nome em Livro , chegou o dia de receber ele em mão. A minha felicidade é tão grande que não cabe no meu peito , as lágrimas vem nos olhos simmm mais é de tanta felicidade, só tenho agradecer a minha família especial a Minha Mãe e filho que eles que me fortalecem todos os dias 🙏. A palavra que define hoje Gratidão !🥰🥰 @selmadealdina, à convite da @djamilaribeiro

Obrigada a cada pessoa que esteve conosco desde o início, todas as mulheres Quilombolas que nos inspira, na nossa resistência vai para além do Território!

Orgulho e admiração por cada uma das companheiras que escreveram para o livro, agora somos escritoras das nossas histórias.

Gratidão 🙏🙏🙏

Obrigada a todas as Companheiras Mulheres Quilombolas !!!


blank
Reprodução/Instagram

Givânia Maria da Silva – Co-autora

Com ela aprendemos todos os dias, tê-la nesta publicação é uma honra.
Salve salve Givania Maria da Silva

(Selma Dealdina)


blank
Reprodução/Instagram

Vercilene Francisco Dias – Co-autora
Pensei que não iria aguentar kkkkkkk de tanta ansiedade.♥️

Mas finalmente CHOUUUU❤❤❤❤❤❤❤

Finalmente chegou a hora fazer a leitura mais prazerosa de minha vida, uma leitura da qual me identifico e estou nela, faço parte dessa escrita que lerei com muita emoção.

E no dia 10 lerei em casa para minhas avós e avôs que nunca tiveram a oportunidade de aprender ler ou escrever, mas aguardam anciosas, meus pais, meus irmãos e irmãs, enfiam a família toda 😍♥️🖤

Meu grande agradecimento a querida Djamila Ribeiro, na pessoa da grande amiga e parceira, companheira de luta de escrita e Coordenadora dessa Obra coletiva @selmadealdina.

Gratidão a @brennotardelli, @elidalauris, @editorajandaira @lizandramagon pelo trabalho e dedicação, pela voz dada a nós mulheres negras quilombolas.

Agradecimento de todo coração as companheiras de luta que juntamente comigo, trouxeram na escrita desse livro, a luta de cada uma de nós, a partir de seus territórios e comunidades desse país, Amaria Campos; @anacarolaraujofernandes; Dona Cleide; @andreianazarenodos; @carlidia.almeida; @dalilarmkalunga; @debora_limag; @gessianenazario; @cida_3089; @mariaaparecidamendes75; @monica_moraesb; @nilcepontespereira; @janeoliveira9865; @selmadealdina; @porto6039; @sgivania @sandraquilombola. Todo meu amor e sentimento nessa luta coletiva.

Gratidão🖤🖤🖤


blank
Reprodução

Amária Campos – Co-autora
Então ele chegou!

Ebaaaa, nessa obra que sempre foi tão sonhada e desejada.

Sempre tive o anseio e questionava sempre o porquê de sermos objetos de pesquisa enquanto podemos ser autoras da nossa própria História, ansiava por colocar em um papel o quanto nós mulheres quilombolas enfrentamos diversos desafios, escrever sobre as conquistas, vitórias, sobre o quanto nossos (as) griôs são tão importantes para nós e para toda a comunidade.

Agora o sonho foi realizado, uma obra construída de forma coletiva com 18 companheiras quilombolas do Brasil todo.

Uma jovem mulher do coletivo de jovens quilombolas: griôs aprendizes do Quilombo Dona Juscelina está nessa história, eu orgulhosamente digo o Quilombo Dona Juscelina está eternizado em uma obra feita por mulheres quilombolas.

Agradeço a minha comunidade como um todo, A querida Djamila Ribeiro pelo convite pra escrever o livro, A maravilhosa companheira Selma Dealdina por organizar essa obra histórica, as companheiras Cida Sousa E Débora Lima por trilhar esse caminho juntas na escrita e na luta e a todas as companheiras que eternizaram sua memória e suas experiências nessa obra linda.

Gratidão aos meus, por que são eles que me inspiram, são eles que nos dá força pra seguir lutando.


blank
Reprodução/Instagram

Ana Carolina Fernandes – Co-autora
Opa! Olha quem acabou de chegar aqui em casa!!

Agradeço à você Selma Dealdina , e assim agradeço à todas mulheres quilombolas incríveis que escreveram este livro e compartilham suas histórias.

Sou só uma pontezinha aqui, auxiliar na escrita, que teve a sorte de cruzar caminhos com vocês.

Ler os agradecimentos do livro é ouvir sua voz e sentir sua força, e voltar a ouvir as vozes das outras, Jane Oliveira , Nilce Pontespereira, Andreia Nazareno, Sandra Andrade, Valéria Porto e tantas e tantas mais mulheres quilombolas.

Que o Brasil tenha oportunidade de conhecê-las.


blank
Reprodução/Instagram

Maria Aparecida Mendes – Co-autora
SAINDO DE UM QUARTO ESCURO, é como Fabiana Vencezlau define o nosso sentimentos ao receber o acolhimento necessário para enfrentarmos as diversas manifestações de violências contra nós MULHERES, tanto em âmbito doméstico quanto bíblico.
Te convido a aprofundar a reflexão sobre esse tema adquirindo o livro de autoria coletiva “MULHERES QUILOMBOLAS: território de existências negras femininas”.
Somos dezoito mulheres de vários quilombos do Brasil. A partir das nossas cosmovisões apresentamos temas fundamentais sobre o cotidiano em nossos territórios.
Gratidão a Selma Dealdina, organizadora da obra!!
Djamila Ribeiro, coordenadora do Selo Sueli Carneiro!
Editora Jandaira 2020.

RELATED ARTICLES