Larissa Delsanto canta o poder do feminismo negro em Mulher Preta

Larissa Delsanto, capixaba, fã de Destiny’s Child, é uma das milhares de meninas pelo Brasil que se viram pressionadas, da infância à vida adulta, a alisar seus cabelos crespos para atingir os padrões estéticos estabelecidos por uma sociedade racista. No entanto, em 2015 ela se libertou desta prisão, tirou toda a química do cabelo para que ele crescesse de maneira natural e criou um canal no YouTube para ajudar garotas que também estivessem passando por essa transição capilar.

Por Roberta Lessa, do Café Radioativo

O que libertou Larissa, no entanto, chocou sua família e seus amigos. Essa reação negativa fez com que ela sentisse revolta e precisasse de uma forma de expressar os sentimentos de toda uma vida que a levaram a essa decisão. O meio encontrado por ela foi a poesia do rap: Larissa criou versos por cima de uma batida que gostava e gravou uma faixa. Depois da aprovação dos amigos que escutaram, ela resolveu publicá-la no Facebook, onde, em apenas um mês, alcançou 20 mil pessoas, muitas delas pedindo para que Larisa disponibilizasse o download da mesma. Assim nasceu Mulher Preta, música agora gravada profissionalmente, produzida por Nego Lock.

Cantora desde os três anos de idade, sonhando seguir carreira no mundo da black music desde os 11, Larissa se inspira não somente em Beyoncé, Nicki Minaj, Karol Conka e Ludmilla, citadas em Mulher Preta, mas também em Lady Leshurr, Rapsody, Drik Barbosa e Lion Babe para escrever e produzir suas composições:

“Toda essa representatividade que vejo nessas e em tantas outras mulheres artistas também me move a representar outras meninas e mulheres. Saber que posso me comunicar com elas e falar por elas através da música me inspira e me dá força pra persistir nos meus sonhos e objetivos. Talvez eu não possa conversar com elas pessoalmente, uma por uma, mas minha voz e minha ideia podem alcançá-las, lhes dando força, coragem, alegria, autoestima, esperança e tudo que for bom. Se me proporcionaram e me proporcionam isso, quero proporcionar também.”

Atualmente com 23 anos, Larissa é artista independente e luta para se estabelecer no cenário musical. Com planos para lançar mais 3 músicas até o final de 2016, ela já produz um EP, chamado “Redenção“, ao lado de Nego Lock, e também com participação deAruaque, do Poesia Interna Brasileira.

Acompanhe os lançamentos de Larissa Delsanto na página dela no Facebook clicando aqui e no canal da artista no YouTube clicando aqui.

+ sobre o tema

O que Africanos acham do Brasil? – Angola e Cabo Verde

Do Facebook de Julia Jolie Entrevista que Julia Jolie fez com os...

Conheça histórias de luta contra o racismo no Brasil

No  Brasil, racismo é crime. Mas foi necessária muita...

BLUMENAU: Semana da Consciência Negra

Fonte: Blog Nova Blumenau -     Numa...

Padê Poema – Avenida – Cuti

  Avenida Há um gosma espessababa de louconódoa...

para lembrar

BNDES deve atrair empresas e investimentos africanos ao Brasil

  A partir do próximo dia seis de dezembro, o...

Museu no negro oferece nove oficinas culturais gratuitas

Canto, danças, instrumentos musicais e teatro são algumas das...

Poesia de escritores africanos conquista público brasileiro

  A tese de doutoramento da brasileira Érica...

Quilombos Sustentáveis

Parceria entre PNUD e SEPPIR faz avançar o acesso...
spot_imgspot_img

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=