Leia o discurso de Sueli Carneiro no Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável (CDESS)

Enviado por / FontePor Sueli Carneiro

Bom dia a todas, todos e todes.

Sr. Presidente,

Brasileiras e brasileiros de todos os quadrantes do nosso país gostariam de ter a oportunidade que me está sendo dada neste momento de expressar a nossa gratidão por nos retirar do reino das trevas em que estivemos confinados por longos 4 anos. Você foi a nossa bala de prata e não falhou, você não nos faltou!

Obrigada presidente Lula por nos devolver a esperança de que outro país é possível; e que nele a superação da vergonhosa desigualdade racial promovida pelo racismo e a discriminação racial serão efetivamente combatidas, e é o que sinalizam os primeiros atos de seu governo anunciados pelo Ministério da Igualdade Racial sob a liderança da querida ministra Anielle Franco em 21 de março último, Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

Falo intencionalmente em desigualdades raciais por ser uma noção que as viúvas de Gilberto Freire saudosas do mito da democracia racial costumam evitar.

Mas falo sobretudo porque os diferentes Índices de Desenvolvimento Humano encontrados para brancos e negros no Brasil refletem a coexistência, num mesmo território, de dois países apartados racialmente, sendo o IDH das pessoas brancas compatível com o de países desenvolvidos como a Bélgica, e o IDH dos negros brasileiros abaixo dos de países em desenvolvimento.

Então, sr. Presidente, no país de onde eu venho, jovens estão expostos ao genocídio pela ação ou omissão do Estado; no país de onde eu venho, mulheres negras apresentam crescimento exponencial de casos de feminicídio, no país de onde eu venho, a fome voltou a golpear a dignidade das pessoas, e no país onde eu venho, balas perdidas só encontram corpos de crianças negras privadas do direito de frequentar a escola pela violência cotidiana.

Então, o que esperar desse Conselho? Ele me parece um locus privilegiado para discutirmos essa série de questões que desafiam o nosso futuro como nação: E a primeira delas é: É eticamente aceitável persistir num projeto de país que não se importa em deixar para trás, no seu processo de desenvolvimento, a maior parte de sua população? Esse modelo de desenvolvimento desigual que caracteriza a nossa história é capaz de fazer o Brasil adentrar ao rol das nações desenvolvidas e civilizadas, ou estamos satisfeitos em ter ilhas de modernidade cercadas de atraso e indignidade humana por todos os lados? Se não, estamos dispostos a pagar o preço necessário a uma mudança estrutural de desenvolvimento econômico e social sustentável que pressuponha a correção e a reparação de injustiças históricas e contemporâneas persistentes em nossa sociedade em prol da efetivação da cidadania para todas, todes e todos nós?

Creio que das respostas a essas questões depende a capacidade ou não da sociedade brasileira de optar, dessa vez, por um desenvolvimento sustentável que permita radicalizar a democracia com equidade de gênero, equidade de raça e justiça social.  

Muito obrigada Presidente 

+ sobre o tema

Marcha pelo fim da violência contra as mulheres toma Avenida Paulista

"Não podemos ficar quietas. Temos que nos manifestar", diz...

Marrocos: Garota se suicida após casar com estuprador

Ativistas protestam contra lei que permite esse tipo de...

Rafinha Bastos fora da Band

"Rafinha (Bastos) pediu demissão", diz executivo da Band Alto funcionário...

Para ministra, autonomia é direito essencial para mulher se desenvolver plenamente

  Médica, divorciada, mãe de dois filhos e feminista, a...

para lembrar

Workshop Mulheres Negras em Movimento: Oficina Preparatória para Seleções de Pós-Graduação

O Workshop Mulheres Negras em Movimento: Oficina Preparatória para...

Lei obriga reabilitação para agressores: como isso pode ajudar as mulheres?

Embora a Lei Maria da Penha determine, desde 2006,...

Deputadas transexuais são eleitas para o Congresso pela primeira vez na história

Em feito inédito, duas mulheres trans ocuparão cadeiras na...
spot_imgspot_img

‘Julho das Pretas’ tem agenda coletiva com mais de 500 atividades em todo país

As atividades da 12ª edição do evento Julho das Pretas já estão ocorrendo em diversas partes do país. Criado pelo Odara – Instituto da Mulher...

Machismo contribui para a remuneração das mulheres ser inferior à dos homens

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mulheres têm remuneração, em média, 17% menor que a dos homens e, até mesmo...

Aos 82, Benedita da Silva lembra trajetória de luta pelas minorias: “Ainda falta muito”

A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) afirmou que o cenário das minorias já melhorou bastante no Brasil, mas ainda há muito a ser...
-+=