Dos confins do não ser: eu, mulher negra, falo

Formulações de Sueli Carneiro têm potencial explosivo e apresentam táticas para resistir à manutenção de desigualdades baseadas em hierarquias raciais

Carneiro, Sueli
Dispositivo de racialidade: a construção do outro como não ser como fundamento do ser

Zahar • 432 pp • R$ 69,90


O nome de Sueli Carneiro primeiro chegou a meus ouvidos em uma palestra sobre feminismo negro na universidade. Depois, em um curso para jovens feministas, no qual li seus artigos e foi indicada a leitura de sua tese. Fruto dessa produção, o recém-lançado Dispositivo de racialidade: a construção do outro como não ser como fundamento do ser é uma das obras que demonstram, do início ao fim, o que é um intelectual à frente de seu tempo. Sueli Carneiro mira em pontos estratégicos, visando subverter lógicas e provocar pequenos mas incisivos tsunamis mentais. E também práticos.

Nesse livro, a filósofa parte dos conceitos “dispositivo” e “biopoder” de Michel Foucault — que viabilizam a criação do “outro” para a consolidação do “eu hegemônico” — para pensar o Brasil. Como está no livro: “O ser se constitui pelo não ser”. O dispositivo de racialidade opera uma divisão ontológica entre existências na qual os “outros” são assujeitados — por leque múltiplo de elementos ditos e não ditos —, permitindo a manutenção de desigualdades baseadas em hierarquias raciais. Assim, discursos, instituições, sistemas jurídicos e relações sociais cotidianas são sustentados por uma divisão social e política baseada em raça/cor/etnia.

A ontologia da diferença depositará pessoas negras, indígenas e de outras etnias como os que “não são”

Construídos como o oposto negativo para afirmação da superioridade branca, negros serão pobres porque são negros (e, aqui, a ordem dos fatores altera o produto); comporão a maioria da população prisional por serem negros e não por cometerem mais crimes do que brancos. Pela desumanização, negros serão mais assassinados e provocarão menor indignação social diante da violência. Serão tidos como potencialmente perigosos, que precisam ser controlados, moldados, civilizados. Nesse sentido, o dispositivo de racialidade manipula diferenças para a construção de padrões estéticos, políticos, econômicos, jurídicos e sociais.

Essa provocação filosófica e política do pensamento carneiriano, que figura como diagnóstico histórico do Brasil, dialoga com autores e experiências políticas, como Charles Mills e sua teoria do “contrato racial”. Sueli Carneiro aponta essa teoria como estruturadora do dispositivo da racialidade, uma vez que constitui um poder particular com regras formais e informais que determinam lugares em um sistema de privilégios social, econômico, jurídico e das possibilidades de vida e de morte. A diferença é que o contrato racial se estabelece entre os que ganham o status de pertencentes à humanidade ao marginalizar todos os “outros” à desumanidade.

A vida dos outros

Pela ontologia da diferença, pessoas negras, indígenas e de tantas outras etnias serão designadas ao campo do “não ser”: não são humanas; não são capazes de produção intelectual; não são produtoras de cultura (ou, se são, sua cultura é tida como folclórica, popular etc.).

Esse processo tem no “epistemicídio” um instrumento dos “mais eficazes e duradouros da dominação étnico-racial” pois deslegitima a senciência e a sapiência de grupos dominados. No epistemicídio se encontra a base para definir o que é racionalidade, universalidade e intelectualidade. No epistemicídio surge a surpresa com a capacidade intelectual de pessoas negras, mesmo que inconscientemente. A surpresa disfarçada de elogios a pessoas negras em espaços de formulação intelectual é uma marca do epistemicídio e de um sistema de hierarquização do mundo e dos lugares sociais.

Merece atenção o diálogo que Sueli Carneiro estabelece com a obra de outra gigante intelectual que foi bell hooks para se posicionar contra o anti-intelectualismo em nossas comunidades. Se por um lado esse é reflexo de um não lugar ou não representação em espaços tidos como intelectualizados, por outro é uma ação necessária da “luta pela libertação”. Carneiro defende que o intelectual negro tem como tarefa a “produção individual de conhecimento” como estratégia para fortalecer a si e as lutas políticas comunitárias, para construir e consolidar espaços institucionais nos quais pessoas negras possam se referenciar e apoiar trajetórias mutuamente.

Estar na universidade ou produzir intelectualmente fora dela é uma tarefa e uma ação política que precisa estar articulada ao fortalecimento da liberdade comunitária e do comum. Essas intelectuais estão apontando que todos os espaços precisam ser subvertidos e transformados, mas que há táticas fundamentais para essas mudanças serem realmente radicais e não caírem em armadilhas liberais e de sucesso individual.

Há muitos argumentos de porquê Dispositivo da racialidade é uma obra referencial para pensarmos o Brasil, mas finalizo com uma perspectiva sempre marcante nas formulações de Sueli Carneiro e de intelectuais negros: demonstrar que diante de um histórico e diagnóstico de opressões sempre haverá resistência. Não há passividade histórica diante de opressões. E três táticas são fundamentais para a resistência na perspectiva carneiriana: manter-se vivo, libertar a razão sequestrada e estabelecer rupturas.

Esses três pontos não são nada fáceis de alcançar, mas não devem jamais deixar de ser perseguidos. E é por isso que há tantos embates ainda presentes quando falamos de atividade e ação policial; sistema de justiça; acesso, permanência e produção de ciência na universidade — não à toa atacam a teoria crítica da raça e esvaziam formulações e conceitos da intelectualidade negra —; produção, taxação, distribuição e redistribuição de riquezas. De dimensão complexa, as formulações de Sueli Carneiro têm potencial explosivo porque nos apresentam instrumentais fundamentais e profundos sobre o que somos e o que queremos, ou deveríamos querer, perseguir e ser como país.

+ sobre o tema

A doméstica brasileira que virou líder trabalhista nos EUA

O auditório da Assembleia Legislativa do Estado de Massachusetts...

Laverne Cox, atriz transexual, foi espancada na infância, deu a volta por cima e hoje brilha nas telas

A famosa atriz transexual Laverne Cox, que atualmente está...

O macho, arma de destruição em massa – Por: JOSÉ IGNACIO TORREBLANCA

A violência e as guerras sempre estiveram dominadas por...

para lembrar

Intolerância religiosa por Sueli Carneiro

Em diferentes partes do mundo, assiste-se ao crescimento da...

Ela [a médica] achava bonito eu grávida!”

VIVÊNCIA DE DIREITOS PELAS MULHERES NO CONTEXTO DA EPIDEMIA...

Supremo retoma hoje julgamento sobre aborto de anencéfalos

Brasília – O julgamento que decidirá se mulheres poderão...

Não seja superior: seja você mesma

A atriz Amber Heard está sendo elogiada e celebrada por doar...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=