Líderes de religiões de matriz africana celebram o tema da redação

De acordo com a coordenadora estadual do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira, Ruthneia Vieira, a tolerância religiosa ainda não é pauta nas escolas brasileiras.

por Nathalia Amaral no Jornal O Dia

Líderes religiosos de todo o país celebraram a escolha do tema da redação do Enem 2016, entre eles, os líderes de religiões de matriz africana. Instituída em 2003, a lei 10.639, alterada pela Lei 11.645 de 2008, levanta o debate sobre respeito e a tolerância religiosa nas escolas, tornando obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio.

No entanto, de acordo com a coordenadora estadual do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira, Ruthneia Vieira, a tolerância religiosa ainda não é pauta nas escolas brasileiras. “Nós ainda temos escolas públicas em que as crianças são obrigadas a aprender orações católicas, direcionando o aprendizado para a religião majoritária. Nós nunca tivemos nas escolas um modo de respeitar todos os jeitos de crer, inclusive o de não crer”, afirma.

A coordenadora destaca que o tema da redação traz à tona as leis 10.639 e 11.645 que tratam da implantação da cultura africana e afro-brasileira nas escolas, e acredita que vários candidatos tiveram dificuldade em abordar o tema sobre combate à intolerância religiosa. “Poderia ser sobre política ou sobre economia, mas é um tema muito significativo, porque ninguém dá importância à intolerância religiosa hoje em dia. Talvez esses alunos abordem sobre a história da igreja católica, mas ninguém lembra que todo dia morre um pai de santo”, comenta.

A educadora revela ainda que os ataques a terreiros de religiões de matrizes africanas, como candomblé e umbanda, aumentaram nos últimos anos e que só através da educação é possível incutir na população o respeito e a tolerância à diversidade religiosa.

imagem Mário Espinosa do acervo do Geledés

+ sobre o tema

Empresária vai construir fábrica de bonecas negras na Baixada

Com tecidos, lãs e muitas cores, ela costura sonhos...

Bolsista do ProUni convida Lula para festa de formatura

A estudante de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26...

Festival Latinidades ganha edição especial no Mês da Consciência Negra

Maior festival de mulheres negras da América Latina segue...

UNEafro abre inscrições para cursinho

UNEafro abre inscrições para cursinho VAGAS ABERTAS 2017 Você quer ser...

para lembrar

Frei David: ano perdido para a comunidade negra no Legislativo

De acordo com Frei David Raimundo dos Santos, diretor...

TV Inesc: Injustiça Fiscal em Terras Quilombolas

O problema da titulação das terras quilombolas no Brasil,...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=