Liniker: ‘O afeto é uma força política necessária’

Três anos (e três turnês na Europa) depois do primeiro disco, Liniker e os Caramelows misturam o que viram e ouviram na estrada com seus pensamentos sobre amor e resistência no disco “Goela Abaixo”

POR DANDARA FONSECA, da Revista TPM

Divulgação/Reprodução/TPM

As três faixas presentes em Cru, primeiro EP de Liniker e os Caramelows, lançado em 2015, foram gravadas na sala do guitarrista da banda, William Zaharanszki. Apresentadas ao mundo via Youtube, o grupo de Araraquara, que esperava no máximo 20 mil visualizações e alguns shows pelo interior paulista, se espantou ao ver que, em apenas cinco dias, o vídeo de “Zero” já somava mais de 1 milhão de visualizações. Um ano depois do sucesso das músicas na internet, veio ao mundo Remonta, álbum de estréia da banda. Agora, após três turnês na Europa e passagens por festivais como Rock in Rio e Lollapalooza, eles lançam, pela Natura Musical, o segundo disco, Goela Abaixo.

Liniker, que começou a escrever as músicas de Remonta quando tinha apenas 16 anos, acredita que o amadurecimento, tanto do som quanto de si mesma, é ponto central do novo álbum. “Foi uma troca muito gostosa da Liniker do Remonta para a Liniker do Goela, de entender que minha poesia está ficando em um lugar já de maturação”, diz. Goela Abaixo foi um álbum concebido na estrada, entre 2017 e 2018, quando o grupo passou por mais de 20 países, e gravou em cidades como Lisboa e Berlim.

“Foi muito bom termos dado esse tempo de quase três anos entre o Remonta e esse novo disco. O nosso som está muito maduro”, diz Liniker (Crédito: Leila Penteado/Divulgação)

“Fiz muita música no avião, na estrada, e dá uma sensação de movimento. É como se você conseguisse direcionar as criações através do movimento que o seu corpo está fazendo”, diz a cantora. O impacto das viagens é percebido não só no som, que tem influências do nordeste da África e da América Central, mas também nos idiomas. Na faixa “Calmô”, a vocalista se entrega ao espanhol. Já em “Beau”, Liniker entrelaça o inglês e o português em texturas dançantes influenciadas por sonoridades dos anos 60. Para ela, isso é liberdade.

Mesmo com todas as viagens, o disco olha para o íntimo. Em uma retomada aos tempos de Cru e aos processos caseiros, faixas como “De Ontem”, “Boca” e “Goela” foram gravadas fora de estúdios, na casa do baterista  Pericles Zuanon e da própria Liniker. “Ter gravado na minha casa, na minha intimidade, foi muito gostoso. Gravar de pijama, de pé descalço”, conta. O amor, o toque, o sexo e o carinho estão muito presentes nas letras do novo disco. “O afeto me transforma. E é uma força política é necessária, é o jeito que tenho achado para dialogar com o mundo.”

Capa do disco “Goela Abaixo”, feita pela artista mineira Domitila de Paulo (Capa do Livro)

As parcerias também permeiam o álbum. A canção “Beau” conta com a participação das cantoras ganesas Florence Adooni e a Lizzy Amaliyenga. O grupo as conheceu em Berlim, quando gravavam no Estúdio Philophon. A carioca Mahmundi participa de uma das faixas, intitulada “Bem Bom”. Já a música “Claridades”, segundo Liniker, foi um presente do cantor Giovani Cidreira. “Quando eu e ele estávamos no evento Sofar ele falou que havia escrito uma música para mim. Fiquei muito emocionada. Falei ‘preciso gravar’. E a música é linda, uma poesia, ele é um artista deslumbrante”.

Em “Goela”, última faixa do disco, a voz e os instrumentos de Liniker e os Caramelows vêm acompanhados de um coro poderoso de mulheres, composto pelas cantoras Josyara, Juliana Strassacapa, Ayiosha Avellar, Natália Nery, Grasielli Gontijo, Tássia Reis, Mel Gonçalves e Lina Pereira, além de Renata Éssis, integrante da banda. “A ideia é que é um disco que não é para cantar sozinha, sabe? A gente entendeu que precisamos estar mais junto. E esse disco fala sobre caminhar juntas, sobre ter intimidade, sobre estar perto”, diz Liniker.

Liniker e os Caramelows são: Liniker Barros (voz), Rafael Barone (baixo), Pericles Zuanon (bateria), William Zaharanszki (guitarra), Renata Éssis (backing vocal), Marja Lenski (percussão), Fernando TRZ (teclados) e Éder Araújo (saxofone) Crédito: Leila Penteado/Divulgação

A primeira demonstração do processo artístico de Goela Abaixo veio no fim de 2018, com o videoclipe de “Calmô”. Ele mostra, de forma calma e intimista, a viagem de moto feita por um casal de mulheres entre as montanhas de Gonçalves, em Minas Gerais. Segundo a cantora, mais clipes vêm por aí. Os shows de lançamento, que passarão por por capitais brasileiras e também de países vizinhos, como o Uruguai, começam no próximo dia 23, no Cine Joia, em São Paulo. “Tem um processo artístico acontecendo neste disco como nunca aconteceu antes. O ao vivo está lindo. Tem cenografia, projeção, iluminação, figurino. Está tudo muito visual. É um disco que dialoga muito com a imagem, você pode quase tocar”.

O novo momento na carreira vem acompanhado de uma mudança no visual. “Estou me sentindo maravilhosa. Quando raspei a cabeça, falei: ‘Eu sou realmente bonita de qualquer jeito’. E não estou falando isso da boca para fora, é uma sensação que realmente senti, que quando a gente está bem com a gente, nada abala.”

“Quando raspei a cabeça, falei: ‘Eu sou realmente bonita de qualquer jeito'” Crédito: Reprodução Instagram

 

+ sobre o tema

Álbum solo “Boogie Naipe” do Mano Brown é indicado ao Grammy Latino

Após anos de muita expectativa, o álbum de estreia...

Conheça Filhas do Pó, primeiro filme de uma cineasta negra distribuído nos Estados Unidos

Se Filhas do Pó fosse uma grande produção hollywoodiana,...

Conheça os nomes que deverão causar na cena musical em 2018

Entre IZA e Karol Conka, veja cinco artistas que...

Kendrick Lamar coloca soldados para marchar contra o racismo no Grammy 2018

Kendrick Lamar foi um dos grandes destaques da noite...

para lembrar

Juliana Alves: ‘Sempre tive a minha carreira como um instrumento de transformação social’

A trajetória artística de Juliana Alves começou ainda na infância. Aos...

Jessye Norman

Jessye Norman nascida em Augusta, Georgia, em 15 de...
spot_imgspot_img

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Beyoncé revela que Stevie Wonder tocou gaita em uma das faixas de seu novo disco ‘Cowboy Carter’; ouça

Beyoncé revelou que Stevie Wonder tocou gaita em "Jolene", uma das faixas do seu novo disco "Cowboy Carter". A informação foi dada pela própria cantora durante o...

Beyoncé diz que seu novo disco nasceu de experiência de rejeição no country

Beyoncé divulgou nesta terça-feira (19) a capa do seu novo disco "Cowboy Carter", o segundo capítulo de uma coleção que começou com "Renaissance", de...
-+=