Livre e do universo

Houve um tempo em que Tradição, Família e Propriedade eram defendidos até na bala se preciso fosse. Organizações como a TFP e Liga das Senhoras Católicas impunham seu estilo de vida, onde o padrão idealizado de mulher era ser bela [branca], recatada [submissa], do lar [de casa] e burguesa.

Por Maurício Pestana via Guest Post para o Portal Geledés

Estes modelos reproduzem ideologias de dominação de gênero, raça e classe. Remonta, por exemplo, aquela mulher do século 19 que não era a negra escravizada, nem era a trabalhadora. Era a mulher [posse] do Senhor [escravocrata]. No século 20 pós- escravidão, a mulher negra trabalhadora continuou servindo como posse nas casas para serviços domésticos e, não muito raro, para iniciação ou realização de fetiches sexuais, em um novo modelo de escravização.

Esse padrão de família colonial ultrapassou o século 20 e estendeu-se por lei até bem pouco tempo atrás. É só lembrar que as últimas leis que mantinham empregadas domésticas quase como propriedades de famílias foram removidas recentemente. Ser bela, recatada e do lar é o padrão que os idealizadores e defensores da nova classe política, aquela do “voto sim pela minha família, pelo meu cachorro e pela minha amante” estão propondo retornar.

A escolha ideológica temática ajuda na manutenção de uma padronização do ser humano feminino a partir do corpo, no qual a beleza e a suavidade estão na estética, no corpo silenciado e domesticado. Um retrocesso diante das lutas pelo empoderamento e emancipação das mulheres. Lugar de mulher é em todo lugar!  Sabemos o quanto a ausência de mulheres nos níveis hierárquicos mais altos de grandes empresas e nas representações políticas tem sido prejudicial ao alargamento da democracia.

A ideia de beleza não pode ser restrita ao corpo como objeto de consumo e posse. Não pode ser a indiscrição, o recato, o silêncio. O limite não existe para um corpo e uma voz vibrante, emancipada e livre. O limite do espaço não pode ser o lar, só o universo.

+ sobre o tema

Oferecer ‘cura gay’ no país que mais mata LGBTs no mundo é reforçar ciclo de violência

"As chamadas terapias de 'reorientação sexual' produzem violências das mais...

Reunião Técnico-Científica Sobre o Aborto Medicamentoso no Brasil

Reunião Técnico-Científica Sobre o Aborto Medicamentoso no Brasil

Minha mãe e Luíza Brunet – As Marias

(belas não recatadas e não do lar) Por Eloa Kátia Coelho Enviado para...

Linda. Como você é linda!

Uns dois anos atrás um texto foi hit nas...

para lembrar

Cresce o número de evangélicas que aderem ao feminismo

“Submissão das mulheres não é ordem de Deus. Todas...

Faz-se urgente a união de parlamentares negras de todo o país

Vivenciamos fenômenos sociais que há muito tempo escancaram a...

Congelar óvulos para adiar a gravidez traz riscos

O congelamento de óvulos vem sendo colocado como alternativa...

Rihanna explica porque se recusou a se apresentar no Super Bowl

Cantora comentou ainda sobre seu novo álbum e fez...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=