sábado, novembro 27, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaEntretenimento“Macacos” faz últimas sessões dias 30 e 31 de outubro

“Macacos” faz últimas sessões dias 30 e 31 de outubro

Monólogo que discute questões raciais, criado e estrelado por Clayton Nascimento, tem últimas apresentações

A dramaturgia foi criada a partir do caso do goleiro Aranha, do Grêmio, ofendido pela torcida tricolor gaúcha em 2014. Este mote real, transformado para o contexto artístico, sustenta Macacos como denúncia do racismo estrutural existente na sociedade

Depois de se apresentar em diversos festivais e ganhar prêmios, Macacos, da Cia. do Sal, com direção, criação e atuação de Clayton Nascimento, faz sua primeira temporada no formato on-line. As apresentações acontecem nos dias 16, 17, 23, 24, 30 e 31 de outubro de 2021, sempre às 21h, no youtube.com/corporastreado. Convidados especiais como Alexandre Mate e Jhonny Salaberg participam de bate-papo sobre temas que perpassam o espetáculo, como o racismo estrutural, respostas artísticas à sociedade atual, criação cênica ao final de algumas das sessões ao final do espetáculo.

O nome do espetáculo faz referência a uma das formas de xingamento mais usada para ofender os negros no mundo todo. O preconceito contra os povos pretos é abordado em cena a partir do relato de um homem-negro que busca respostas para o racismo que rodeia seu cotidiano e a história de sua comunidade.

Macacos se desenrola num fluxo de pensamentos, desabafos e elucidações que surgem em cena, pautados na história do Brasil e situações vividas por grandes artistas negros, de Elza Soares a Machado de Assis, até alcançar relatos e estatísticas de jovens presos e executados pela polícia. Aílton Graça fez a provocação cênica.

O projeto foi contemplado pela Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), por meio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura.

O dever do artista

Macacos começou a ser escrita em 2015 e fez sua estreia em 2016. Desde então, a peça já participou de festivais em Fortaleza, Curitiba, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, Pernambuco e Amazonas. E acumula mais de uma dezena de premiações, entre eles “Prêmio Especial do Júri por Relevância Temática e Proposição Cênica” do IX Festival Niterói em Cena, do XIV Fesq, do XX Festival de Teatro do Rio de Janeiro e do VIII Festival de Teatro do Amazonas.

Na versão virtual, o monólogo absorve questões atuais e cada vez mais urgentes. O Brasil é o território com maior índice de homicídios causados pela Polícia Militar e Sociedade Civil à comunidade negra e indígena quando comparado a qualquer país do mundo.

“Como disse Nina Simone, o dever do artista é refletir seus tempos”, diz Clayton Nascimento. “Macacos faz um jogo entre arte cênica, as palavras, os fatos e o discurso para debater com o público a violência do racismo que sempre esteve presente na sociedade brasileira. O texto reforça o compromisso de se comunicar com o povo negro, com o nosso olhar”, completa o dramaturgo. Todas os profissionais envolvidos na produção são negros.

O texto da peça traz à luz fatos que não estão escritos nos livros didáticos, fazendo a relação entre números das estatísticas como as coletadas pelo Atlas da Violência do IPEA, e estatísticas coletadas pelo IBGE, e experiências cênicas.

A dramaturgia foi criada a partir do caso do goleiro Aranha, do Grêmio, ofendido pela torcida tricolor gaúcha em 2014. “Já que o xingamento é infelizmente inevitável, transformamos em uma expressão artística. Como diz a professora Rosane Borges é preciso mexer na podridão para provocar a reflexão. A peça é um convite a pensar sobre isso”, completa o artista.

A montagem traz somente Clayton no palco, usando a iluminação, um batom e uma garrafa d’água para falar sobre a urgência da vida negra no Brasil. Para amplificar esse debate, Clayton receberá, ao final de cada apresentação, convidados para desdobrar temas pertinentes aos assuntos, fatos e estatísticas abordados na peça, os convidados/as e datas serão divulgados nas redes sociais da Cia do Sal.

Macacos é uma criação da cia do Sal, fundada por Clayton para desenvolver seus projetos artísticos para fazer parcerias com artistas que compartilham a visão de fomentar o empoderamento político-social e aproximar essa discussão ao público.

blank
Clayton Nascimento, ator de Macacos (Foto: Julieta Bacchin)

Ficha Técnica

Clayton Nascimento – Ator e Dramaturgo

Ailton Graça – Provocador cênico

Aninha Maria Miranda – Diretora de Movimento

Daniele Meirelles – Iluminação

Muca – Arte

Bará Produções – Produção

Corpo Rastreado – Produção

Serviço

Macacos, com Cia do Sal

Online e Gratuito

Dias 16, 17, 23, 24, 30 e 31 de outubro de 2021, sábados e domingos, às 21h, no youtube.com/corporastreado

Para informações do grupo no Instagram: @ciadosal

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

RELATED ARTICLES