Mãe cria blog sobre maternidade e racismo após vivências da gestação

Negra e mãe de duas meninas, ela decidiu criar um blog que aborda a maternidade sob o ponto de vista de mães negras, dando vida ao “A Mãe Preta” que vem crescendo cada dia mais

Do  Jornal Rosa Choque

“É de pouquinho em pouquinho que a gente vai construindo o mundo melhor, o mundo que a gente acredita”, afirma Luciana. | Creditos: Reprodução Youtube/Divulgação: Scaramella Press

Luciana Bento cansou de procurar na internet um lugar para compartilhar experiências como mãe de duas meninas negras e de ir a fóruns tentar em vão discutir sobre o racismo na maternidade, pois esse parecia não ser um assunto que interessava a muitos. Por isso, decidiu criar ela mesma esse espaço de trocas, de conversas e de debates sobre a maternidade e a negritude. Foi aí que em 2014 criou o “A Mãe Preta”, um blog em que escrevia sobre como ela vinha lidando com o preconceito, trabalhando a autoestima nas filhas e enfrentando o racismo na infância.

Como ama literatura e precisava estimular a autoestima das crianças negras, a Luciana resolveu unir o útil ao agradável e selecionou 100 livros infantis que abordam meninas negras de uma forma positiva, falando sobre cabelo, descriminação racial e africanidade. Entre esses livros, há os que tratam do racismo diretamente e outros que retratam crianças negras sendo apenas crianças. O projeto fez tanto sucesso que tomou uma proporção maior do que ela poderia imaginar. Por conta dele, ela passou a dar palestras e oficinas de literatura voltada a essa questão. Hoje, o trabalho da Luciana é participar de eventos de mediação de leitura e, a partir daí, trabalhar a autoestima dessas crianças e a diversidade nos espaços.

Além desse projeto, ela também realiza encontros presenciais com as mães negras nos quais todas compartilham os medos, dramas e as situações que acontecem com elas. Há muito o que se falar e dividir nessas reuniões.

A negra tem uma imagem de mulher forte e parece que precisa ser assim o tempo todo, sem poder ser vulnerável uma única vez. Esses encontros se tornaram importantes para isso, pois são neles que essas mães podem ser frágeis e compartilhar suas angústias.

E é aí que está o grande desafio: arrumar um local físico, onde elas consigam se reunir com mais frequência para terem o acolhimento tão necessário e poderem fomentar o debate sobre maternidade, negritude e racismo na infância. Conseguir esse espaço para atender não só às mães negras, mas também às brancas que adotam crianças negras e não sabem como trabalhar a questão racial, é o grande sonho dela.

Luciana luta com todas as forças contra o racismo tanto na gravidez quanto na infância. Ela quer um mundo melhor para suas filhas e outras crianças negras do Brasil. Para isso, está enfrentando todos os desafios e combatendo o preconceito. A força que essa mulher tem para continuar lutando a torna uma mãe brilhante e uma mente diferente.

+ sobre o tema

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

para lembrar

Léa Garcia

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de março...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Abrir mão da maternidade pode ser ponto de partida para sonhos e ambições

Ao passar dos 35 anos, a babá Anailda Santos, 41, começou a questionar se ainda poderia ter filhos, e, aos 39, percebeu que não era...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=