Mãe de Valentina, ex-MasterChef Junior, se manifesta em Cannes contra propagandas machistas

Sete meses depois de ter visto sua filha Valentina, de 12 anos, sofrer assédio sexual nas redes sociais enquanto participava do programa MasterChef Junior, Daniela Schmitz decidiu se posicionar sobre o caso e sobre as propagandas machistas.

Do Brasil Post

Schmitz, que é vice-presidente executiva de engajamento para marketing na agência Edelman Significa, se manifestou por meio de um texto publicado no site Meio e Mensagem.

No texto, a executiva afirma discordar da tese de que os assediadores de sua filha são “doentes e pedófilos”:

“A maior parte deles são simplesmente rapazes que desde sempre foram impactados por imagens e mensagens nas quais as mulheres ou pedaços delas eram tratadas como objetos sexuais. Imagens e mensagens contidas nos anúncios, nos filmes e outdoors que os leitores deste jornal criaram, aprovaram e veicularam. E assim, cresceram, crescemos… ajudando através da publicidade a construir a cultura do estupro.”

Inspiração

O impulso de escrever, diz Daniela, surgiu após ela ter assistido a um emocionante discurso da publicitária Madonna Badger, apresentado neste domingo (20) durante o Festival Internacional de Criatividade de Cannes, que premia anualmente o melhor da criação publicitária.

A agência novaiorquina Badger & Winter, da qual Madonna é sócia, lidera a campanha #WomenNotObjects (#MulheresNãoObjetos), contra a objetificação da mulher na publicidade.

Veja, abaixo, um vídeo da campanha (é possível colocar legendas em português clicando na engrenagem):

A mãe de Valentina propõe que as pessoas assistam à campanha de Badger, reflitam e mudem sua forma de pensar. Mas diz que é preciso ir além:

“Mais do que assistir, refletir, mudar o mindset, eu recomendo que a gente radicalize, deixando de consumir marcas que promovam a objetificação da mulher (…) Porque isso não são campanhas publicitárias, isso é contribuir ativamente para a construção de um padrão de comportamento estuprador, desumano e que coloca a mulher, desde bem pequena, num contexto profundamente humilhante e incentiva os homens, desde cedo a tratá-las como objetos.”

E completa:

“Não é brincadeira, não é sexy e muito menos engraçado. Isso não é nem mesmo propaganda. Isso é algo que vai contra a reputação das marcas e das pessoas por trás dessas marcas. E isso a Badger & Winters também comprovou através de suas pesquisas.”

Falou tudo, Daniela!

+ sobre o tema

Bahia registra 15.751 casos de violência contra a mulher em 135 dias

O Estado da Bahia registrou 15.751 casos de violência...

As bailarinas negras e o ballet clássico

“Uma vez ela perguntou assim: ‘Qual é a chance...

PF prende acusados de aliciar mulheres de 7 Estados para prostituição

A Polícia Federal começou a desmantelar nesta quinta-feira (15)...

Homens e mulheres têm visões diferentes do processo eleitoral, por Fátima Pacheco Jordão

Há muitas novidades influenciando o cenário das eleições deste...

para lembrar

Importância da diversidade das mulheres é reforçada em debate on line

Para comemorar o dia da psicóloga e do psicólogo...

Os homens que não amam as mulheres

Pode parecer incrível para muitos de nós, que vivemos...

Diálogo Movimento de Mulheres e Marketing da Schincario

Em dezembro de 2010, o COMNEGRAS, Centro de Orientação...
spot_imgspot_img

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....

Conheça Luana de Noailles primeira manequim do Brasil

A baiana Luana não é muito conhecida no Brasil, mas na Europa ela é um ícone da moda há décadas. Considerada a primeira manequim negra...
-+=