Mãe perde o bebê e carrega filho morto no ventre há 13 dias

Grávida de gêmeos, a auxiliar de cozinha Angélica Chaves, 29 anos, teme por sua vida e do outro filho.

por Raul Pujol, do A Razão

Com oito meses de gestação de gêmeos (36 semanas), uma mãe vive o drama de ter perdido um dos bebês e ainda ter que carregar o filho morto em seu ventre desde o dia 6 de janeiro, data em que fez o ultrassom no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) e foi diagnosticada a morte do neném. Na ocasião, a auxiliar de cozinha Angélica de Oliveira Chaves, 29 anos, disse que foi orientada por profissionais do hospital a retornar para casa, no Bairro Passo das Tropas, em Santa Maria, e que não havia leitos disponíveis para internação na instituição.

“Uma residente que me atendeu naquele dia falou que precisaria fazer uma cesariana. Já o médico responsável me mandou embora e disse que não havia leitos”, conta a gestante, que já é mãe de uma menina de 7 anos.

Segundo Angélica, que realizou todo o acompanhamento da gestação no HUSM, até o dia 30 de dezembro, os exames apontavam que os gêmeos estavam bem, com um desenvolvimento normal.

No dia 10 de janeiro, Angélica retornou ao hospital com fortes dores e ficou internada por dois dias. Na sexta-feira, dia 15, novamente a auxiliar de cozinha teve que voltar para o HUSM.

“Estava com dores por todo o corpo. Realizaram a coleta da minha urina e me deram dipirona e antibiótico para infecção urinária. No sábado, dia 16, retornei novamente e falaram para voltar somente se eu tivesse contrações fortes, febre ou perdesse muito líquido”, explica inconformada.

Há 13 dias carregando o feto morto, que se chamaria Luane, a gestante teme pela saúde do outro filho, que terá o nome de Luiz Felipe, e da sua própria vida. “Meu sentimento é de medo, eu não tenho paz”, ressaltou, enquanto chorava, ainda se recuperando da dor do luto.

Com a criança morta há vários dias, um dos riscos é de a mãe contrair uma infecção em razão da decomposição do cadáver. Ontem, Angélica se deslocou até o HUSM para fazer o pré-natal e realizar exames para saber está com infecção.

Juiz quer

esclarecimentos

 Diante dos fatos, o advogado da gestante, Claudenir Clemente Migliorin, ingressou na justiça para tentar conseguir a cesariana na segunda-feira. O juiz da 2ª Vara Federal de Santa Maria, Jorge Luiz Ledur Brito, notificou ontem à tarde o HUSM para que preste esclarecimento dentro de 24 horas sobre o caso de Angélica de Oliveira Chaves. Confira um trecho de decisão:

“Notifique-se o(a) Sr(a) Chefe do Setor de Ginecologia e Obstetrícia do HUSM, para que, no prazo de 1 (um) dia, sem prejuízo da oportunidade de defesa técnica da UFSM, preste informações preliminares a respeito do quadro clínico apresentado pela gestante ANGÉLICA DE OLIVEIRA CHAVES, especialmente a respeito da indicação e dos riscos de ser levada a gravidez a termo e/ou da imediata realização de cirurgia cesariana no caso de morte de um dos fetos em se tratando de gravidez de gêmeos”.

De acordo a assessoria de imprensa do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), o prontuário da paciente está sendo avaliado.

+ sobre o tema

A correria das mulheres negras ou quem vai dominar o mundo

As mulheres pretas estão sempre na correria por Caroline Alice...

Homofobia: até quando?

Em 2014, a cada 27 horas, um homossexual morreu...

Um amor que não precisa ser à primeira vista

“Hoje eu quero voltar sozinho”, primeiro longa de Daniel...

para lembrar

Pezão exonera Ezequiel Teixeira, o pastor-secretário que diz acreditar na ‘cura gay’

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) acaba de exonerar...

Lélia Gonzalez

Fato da maior importância (comumente “esquecido” pelo próprio Movimento...

Preso por ameaçar mulher com arma de fogo, Chris Brown paga fiança de US$ 250 mil e é solto

Chris Brown foi preso nesta terça-feira (30), após ameaçar...

É a economia, estúpido: ódio aos homossexuais, paixão por seu dinheiro?

Um dos nossos programas familiares favoritos é passear no...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=