Mãe Stella: Xireando o yoruguês

Somos tantos em um só que, às vezes, precisamos nos ouvir e assim entender qual de nós está com a palavra, apenas para no final descobrirmos que somos um só nos muitos que falam através de nós. Sei que não estou escrevendo de maneira tão simples como me é peculiar, mas o que que se pode esperar de alguém que brincou uma semana no Carnaval de 2016 de Salvador-Bahia fantasiada de “pijama cochilona”?… Pronto! Aqui está uma parcela de mim no comando: Odé kayodê – o caçador que traz alegria. Sou também a iyalorixá Mãe Stella de Oxossi: a que fala, age e escreve sobre espiritualidade. Mas hoje quero que entre em ação Maria Stella de Azevedo Santos: aquela que por obra do destino e por amor dos baianos foi escolhida para fazer parte da Academia de Letras da Bahia, ato que me fez lembrar que não sou descendente apenas dos africanos, o sangue de meu avô português corre em minhas veias, devendo comprometer-me, então, com o idioma yorubá e o português.

Por Maria Stella de Azevedo Santos, do A Tarde 

Escrevi livros, gravei DVD, estou fazendo um aplicativo para celular… tudo isto com o intuito de preservar a língua yorubá, uma vez que ela encontra maior significado apenas nas comunidades religiosas onde são faladas. Agora volto minha atenção para a língua portuguesa, que possui regras gramaticais que lhe são próprias. É claro que toda regra tem exceção, mas creio que não se deve fazer da exceção uma regra. Será que aboliram o plural da língua portuguesa e não me dei conta desta reforma? Será que é um modismo falar: “as casa”, “os homem”? Será que estão fazendo “sopinha de s” e bebendo com todo o gosto? Será que a língua oficial do Brasil é agora a “língua de Eulália”?…

Ousando-me sugerir alguma coisa para pessoas que não pediram sugestões, sugiro bom senso: falar entre amigos não é o mesmo que escrever no trabalho; quem fala sem respeitar as normas gramaticais escreverá da mesma maneira e correrá mais riscos de ser eliminado em uma concorrência de emprego. É o africano que pode falar: os orixá, os axé, as iyalorixá, os ebó. Afinal, a gramática da língua trazida pelos africanos não forma o plural com a letra “S”. Mas, pensando que esta “abolição do S” na fala dos brasileiros talvez seja, simplesmente, um “sincretismo” entre o yorubá e o português, aproveitei nossos domingos tão solitariamente acompanhados para brincar de fazer rap com minha filha, o qual nós intitulamos Xireando o yoruguês. Como não gosto de me considerar “música de uma nota só”, preferindo pensar que somos um só nos muitos que falam através de nós, arvoro-me a participar da ala dos metidos a compositores. Estamos brincando de brincar. Tem algum compositor e cantor que queira brincar conosco? O convite está feito. Segue a letra para um rap ou qualquer outra melodia que lhe seja adequada.

“Xireando o yoruguês/ esta é a nossa vez/ de conhecer o yorubá/ sem esquecer o português./ Sirê é o verbo brincar/ na língua yorubá/ é também um ritual/ que muito além de divertir/ tem a função de encantar./ Yorubá, idioma africano/ rico em sabedorias/ maliciosamente espalhadas/ no carnaval da Bahia./ Português, língua oficial/ falada em nosso dia a dia/ sua origem latina explica/ aquilo que se complica./ Brincar é enlaçar, é encantar, é enfeitiçar/ esta é uma explicação/ para que nosso povo mestiço/ tenha a noção/ do verdadeiro sentido do feitiço./ Feitiço é encanto, é enlaço/ feitiço e abraço – é faraimará./ Uma nação consciente/ tem que ter em mente/ educar seu povo a não prejulgar./ Brincar é enlaçar, encantar, é enfeitiçar/ Feitiço é encanto, é enlaço, é abraço/ Abraçar é faraimará/ na língua yorubá”.

Feliz ano letivo para todos e que não se esqueçam de estudar o plural das palavras.

+ sobre o tema

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Dandara: ficção ou realidade?

Vira e mexe, reacende a polêmica sobre a existência...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...

A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

Igreja continuará satanizando direitos das mulheres? por Fátima Oliveira

O papa Francisco, num mesmo dia, 20 de setembro,...

O fascínio de Summerhill, uma escola democrática e instigante – Por: Fátima Oliveira

Criar filhos em uma sociedade cada vez mais individualista...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=