Mais colchões na Universidade de Columbia: estudantes se unem a aluna que protesta após estupro

A campanha da jovem universitária Emma Sulkowicz para ver o seu estuprador fora da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, está surtindo efeito. Não, ao que tudo indica ele não foi levado à Justiça (ainda). Mas ela conseguiu o apoio de outros estudantes.

Por:

Emma continua carregando o seu colchão para onde vai na universidade, mas agora ela ganhou a companhias de outros “carregadores de colchões” dentro da instituição. O movimento fundado por ela, o “Carry That Weight” (“Carregue Aquele Peso”, em tradução livre) agora tem a companhia do “Carry the Weight Together” (“Carregue o Peso Juntos”).

“De imediato eu notei uma forma significativa para eu, junto com outros membros da nossa comunidade, me envolver diariamente para acabar com a violência sexual e com a cultura do estupro em nossa universidade. Vamos ajudar Emma a levar o seu colchão todos os dias”, comentou a estudante do Barnard College Allie Rickard na página oficial do movimento.

O primeiro evento do “Carregue o Peso Juntos” aconteceu nesta quarta-feira (10), e o próximo está marcado para esta sexta-feira (12). A proposta, simbólica e física, mantém a prerrogativa inicial da iniciativa de Emma: é um protesto contra as políticas da Universidade de Columbia em relação aos casos de assédio sexual.

Emma diz que a instituição está “mais preocupada com a sua imagem pública do que manter as pessoas seguras”, e o grupo de 123 pessoas que confirmaram presença na página do evento desta quarta-feira no Facebook parece ver a questão da mesma forma. Segundo o Mic, a jovem é uma das 23 pessoas de Columbia e do Barnard College que apresentaram queixas envolvendo assédios sexuais.

Emma continua esperando duas coisas: que o seu estuprador seja devidamente punido e que a instituição de ensino adote medidas mais firmes contra o problema. Até lá, colchões irão compor diariamente a paisagem em Columbia.

Fonte: Brasil post

+ sobre o tema

Viúva de Marielle Franco abre Parada LGBT com discurso poderoso

A organização da 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo já...

As mulheres cuidam dos filhos, trabalham mais e ganham menos

Estudo denuncia uma crise oculta de assistência da qual...

Fundações criam fundo Marielle Franco para incentivar mulheres negras que buscam liderança política

Em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco, a Fundação...

Negras movimentam R$ 704 bi por ano, mas são escanteadas pela publicidade

Mulheres pretas e pardas formam o maior grupo da...

para lembrar

Política egípcia pode excluir mulheres que ajudaram a derrubar Mubarak

  As mulheres egípcias tiveram papéis de liderança nos protestos...

Número de mulheres na Assembleia de SP passa de 11 para 18; pretos são 5 de 94

Um terço dos deputados é milionário. Em 2014, apenas...

Índia descriminaliza homossexualidade em decisão histórica

Relações entre pessoas do mesmo sexo podiam resultar em...

Aborto, por Oscar Vilhena Vieira

Nas democracias atuais, encontramos duas grandes formas constitucionais de...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=