No Brasil, o aborto é crime com pena de morte

Na última semana, a grande mídia tem dado atenção especial ao caso de Jandira Magdalena dos Santos, 27 anos, que engravidou e buscou uma clínica clandestina para realizar um aborto. Jandira, que antes do procedimento pediu oração por meio de uma mensagem, foi mais uma mulher que não se encaixou no estereótipo esperado por quem criminaliza as mulheres que abortam. Mas, por causa da omissão do Estado e do punitivismo da sociedade brasileira, provavelmente acabou morta, carbonizada – e talvez a parte mais chocante do acontecido seja o fato de que muitas pessoas aplaudem esse fim.

Por Jarid Arraes

Uma das aterrorizantes facetas desse caso é que Jandira fazia parte de uma parcela com condição financeira para pagar um procedimento abortivo, mesmo em um local perigoso e clandestino. No Brasil, muitas mulheres não possuem centenas de reais necessários para encerrar a gestação quando aperta o desespero. É por isso que tantas acabam recorrendo a métodos arriscados, como a utilização de objetos pontiagudos e cortantes, alvejantes e drogas falsificadas. A maioria, assim como Jandira, passa por dores inimagináveis e sangra até a morte. E assim são jogadas nas valas do descaso e da misoginia, que toma da mulher sua autonomia e impõe condutas morais sem opção de escolha.

O caso de Jandira é uma espécie de termômetro da sociedade brasileira e uma revelação voraz da incapacidade empática de muitos. Quem acha que Jandira mereceu morrer demonstra total ausência de compaixão, compreensão e solidariedade com o próximo. Além de tudo, essas pessoas ignoram o fato de que muitas mulheres realizam abortos clandestinos no Brasil, incluindo aquelas que são suas familiares, amigas ou conhecidas, com a diferença de que tiveram a sorte de sobreviver para esconder a história. Afinal, o silêncio impera e subjuga, tanto para impedir o pedido de socorro quanto para mortificar a necessidade de acolhimento.

junto-jandira-mensagem-300x168
Mensagem enviada por Jandira para ex-marido momentos antes do procedimento clandestino / Foto: Reprodução

O fato é que a criminalização do aborto não faz sentido para as milhares de mulheres que realizam o procedimento todos os anos. O aborto precisa ser legalizado e regulamentado, com período limite de até quando pode ser feito, e o governo precisa oferecer acompanhamento psicológico às mulheres que consideram encerrar a gestação – tudo isso com o devido suporte do SUS, pois o aborto deve ser gratuito e acessível a todas. Nos diversos países que já adotaram essas medidas, podem ser observados ótimos resultados, pois nenhuma mulher morre mais na clandestinidade – e até mesmo os números de aborto reduziram, já que a legalização vem acompanhada por um sistema de prevenção mais eficiente, além de maior respeito para deixar que cada mulher faça sua decisão. O Uruguai, vizinho latino-americano, é um ótimo exemplo do que a regulamentação do aborto pode fazer por todas as mulheres de um país.

No entanto, o Brasil ainda segue um regime genocida, que parece não se importar minimamente com o problema generalizado de sofrimento e mortalidade feminina. Mesmo nos casos já legalizados, ou seja, nas gestações causadas por estupro, quando o feto é anencéfalo ou quando há risco de morte para a gestante, as mulheres encontram dificuldades absurdas na hora de realizar o aborto. A situação é tão deplorável que o Ministério da Saúde se recusa a informar quais são os hospitais que realizam o procedimento – o que já é intrinsecamente errado, pois todos deveriam realizar. Tudo isso sem mencionar a importantíssima portaria 415/14, revogada seguindo preceitos religiosos que jamais deveriam ser envolvidos com a política.

Em ano de eleição, são poucos os candidatos com coragem para defender a vida das mulheres. Os principais candidatos e candidatas se recusam a olhar para o assunto sob uma ótica política e humanista, pois preferem se vender aos setores conservadores. Ao fazerem isso, compactuam com as milhares de mortes terríveis de mulheres que, como Jandira, se encontram completamente desamparadas pelo Estado. O sangue dessas mulheres também está nas mãos dos presidenciáveis, assim como nas mãos de todos que comemoram a brutalidade do aborto clandestino.

 

 

 

Fonte: Questão de Gênero 

 

+ sobre o tema

Paquistão: jovem grávida é morta apedrejada pela própria família

Ao se recusar a efetivar um casamento pré-arranjado e...

Governo desiste de departamento de combate à violência contra mulher

Governo substituiu a proposta por um núcleo de proteção. Porém,...

Não aceitar fim de relação é causa de 33% das agressões a mulheres

Pesquisa marca Dia Internacional da Mulher, a ser comemorado...

para lembrar

Rio de Janeiro: Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana

Para marcar o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana,...

‘A moça do tempo’

Maria Júlia Coutinho é agora um nome nacional e...

Tetracromatismo: as mulheres que enxergam cores ‘invisíveis’

A professora americana Concetta Antico passou anos levando seus...

Governo pede providências no caso do Big Brother

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres,...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=